31 de agosto de 2015

BEDA#31: finalizando o BEDA e Blog day!


Chegamos no dia 31 de agosto com exatamente 31 postagens! Sim, completamos o BEDA escrevi sobre o projeto paralelo ao Rotaroots nessa postagem aqui.

O meu Blog tem postagens "fixas" 3X na semana que fazem parte do cronograma normal do Lado Milla: (Canção de Segunda, projeto 52 semanas e Fotografando Domingos) Na primeira semana, escrevi sem dificuldades e programei alguns textos para serem publicados durante essa primeira semana. Por esse motivo, eu não senti tanta dificuldade na primeira semana do BEDA.

Os textos mais queridos da 1° semana:
No 02° dia do projeto: Teve postagem fotográfica??? Sim!!! na verdade, essas fotografias fazem parte do #Fotografando Domingos Fotografia: Pequenos Detalhes...
No 06° dia do projeto: Eu aproveitei para incluir mais um texto da série "1001 pessoas": #02 Sara: A minha BFF Colômbiana foi um dos textos mais xuxuzinhos de escrever e cheio de saudades da pequena Sara.
Na segunda semana, os meus textos não saíram dos "rascunhos" por não conseguir escrever nada. Além de, uma ou duas frases soltas... As postagens não passaram de TAG,s (que já estavam programadas) e postagens do cronograma normal do Blog.
Os textos mais queridos da 2° semana:
No 08° dia do projeto: A Maira Volpato, do blog Dama Turquesa sugeriu que usássemos o Mês a mês para postar fotos relacionadas a esse mundo de bloggar. Projeto Mês a Mês
No 10° dia do projeto: Músicas que aprendi a ouvir com meu pai... No auge dos meus 3 /4 anos na fase de ouvir Xuxa... Meu pai, querendo mudar o meu gosto musical e poupar os ouvidos dele. Colocava na vitrola para tocar o disco do Raul Seixas...
Na terceira semana... Eu, já estava implorando um HELP para as "Migas da Liga" e as meninas foram lindas indicando TAG´s ajudando as amigas a preencher possíveis lacunas na programação não que a gente tenha, né? cof. Voltei ao primeiro Layouts desse blog quando ele ainda se chamava "Um lado meio Milla..." e montei um Banner lindão! Porém, mais monocromático que o anterior... E todas essas mudanças, foram devidamente escritas em um postagem que se tornou clássica também aqui no blog.
Os textos mais queridos da 3° semana:
No 16° dia do projeto: BEDA #16 - UMA PEÇA DO QUEBRA-CABEÇA. Escrevi essa postagem para inaugurar o "novo" template e o Banner
No 20° dia do projeto:BEDA#20 CADÊ O MEU CAFÉ !? Uma TAG com uma série de perguntas sobre o processo de escrever As perguntas foram retiradas de uma espécie de meme que andou circulando pela blogosfera gringa, o Why I Write.
Na 4° e ultima semana, Foi uma semana mais fotográfica, devido a peça de teatro Insólito e a visita ao Beto Carreiro Word um parque de diversão famosinho aqui no estado de SC. Teve o famoso, e odiado Bloqueio Criativo Sim! e lembrei de um projeto super bacana [642 coisas sobre as quais escrever] para "queimar o cartucho" tipo, salvando um dia do projeto. Teve textos programados aumentando a ansiedade para o dia seguinte, postei novamente o texto sobre a defesa do meu TCC em Psicologia no dia 27 de agosto ( dia do Psicólogo!).
No 25° dia do projeto: BEDA #25 - A ÚLTIMA VEZ QUE VOCÊ CHOROU. [642 COISAS]No 27° dia do projeto: BEDA#27 - O ANO QUE APRESENTEI O TCC...



Hoje (31/08) comemora-se o Dia do Blog ou como é conhecido na internet "Blog Day". Quero aproveitar esse post para parabenizar todos blogueiros que fazem com que a internet seja ainda melhor e com ótimos conteúdos. 

Para comemorar o Rotaroots deu a idéia para listarmos 5 blogs das principais categorias: 





Participo de um grupo "Liga da Blogosfera"  conheci alem de blogs bacanas pessoas queridas que ajudaram a concluir o BEDA: indicando TAGs e com  comentários cheios de amor nas postagenns desse bloguinho querido...





30 de agosto de 2015

BEDA#30: Peter Pan - O Musical















29 de agosto de 2015

BEDA#29: Poderia ser um papo de Pijama...

Ontem, assistindo um show de uma banda no Gnt eu pude perceber o que eu já tinha comprovado nos milhares de shows que eu fui nesses meus vinte e poucos anos... 

Uma parte do seu gosto musical, vai ser definido quando realmente você for em pelo menos 1 show do seu cantor/banda preferido. Você vai descobrir a resposta da mesma pergunta que eu já fiz um dia: O que te faz Odiar ou amar uma banda? e digo mais, você vai descobrir que " Entre o amor e o ódio a linha é tênue, também...".

Entre algumas linhas de alguma postagem desse blog eu devo ter escrito que: Faço parte de uma geração talvez a ultima que, ouvia muita musica entre as ondas de radio FM e AM do velho Walkman ... 

Na adolescência, conheci o programa Pijama Show que o radialista tinha uma voz aveludada que falava coisas malucas na madrugada e entre um papo e outro tocava algumas canções que se tornaram a trilha sonora de uma fase importante difícil da minha vida: Nenhum de Nós - Paz e Amor , Sob Um Céu de Blues, Cidadão Quem - Pinhal, Mr. Pi - A História...

Conheci o Everton Cunha (Mr. Pi) em um encontro dos Pijanautas promovido por um amigo na época... e confessei esse medo de conhecer "ao vivo" as pessoas que de alguma forma eu admiro e ele respondeu uma frase que eu levo para a vida "O Buda só é quem ele é por permanecer sentado." as pessoas são apenas… pessoas. E devemos olha-las como uma janela, não um espelho. A expectativa que colocamos nas pessoas é o significado que elas tem para nós, não o que verdadeiramente ela é (?). Esquecemos que, elas são seres humanos como qualquer um.

Porém, quando se trata de uma Banda os integrantes são vistos coletivamente e é ai que mora o perigo... A banda tem o publico na mão, o publico corresponde a cada canção do set-list com uma energia inexplicável... Já sai de um show amando/odiando a mesma banda por shows distintos por diversos motivos: Vocalista em um dia não muito bom, set-list ruim mesmo tendo musicas bacanas, o show não é tão bacana quanto, ouvir as musicas em casa no aconchego do lar... E todas essas "má impressões" uma pessoa pode ter em um único e ultimo show.

O documentário do GNT que me referi no inicio, montra essa troca de energia intensa com pessoas que acompanham a banda em cada show e aquelas que estão ali pela primeira vez... Mostrando que, a história da banda se confunde muitas vezes com as historias do público.

Escrevo mais sobre os melhores shows que eu já fui em uma próxima postagem.

28 de agosto de 2015

BEDA#28 - 4° SEMANA DO PROJETO.

Observando os "Arquivos" podemos verificar que: Foi uma semana mais fotográfica devido a peça de teatro Insólito e a visita ao Beto Carreiro Word um parque de diversão famosinho aqui no estado de SC. Na TAG #Cançãodesegunda teve a história por trás da música Avohai do cantor Zé Ramalho... Teve o famoso, e odiado Bloqueio Criativo Sim! e lembrei de um projeto super bacana [642 coisas sobre as quais escrever] para "queimar o cartucho" tipo, salvando um dia do projeto.Teve textos programados aumentando a ansiedade para o dia seguinte, postei novamente o texto sobre a defesa do meu TCC em Psicologia no dia 27 de agosto ( dia do Psicólogo!).

* faltam 3 dias...

LINK´S DA SEMANA 



No 23° dia do projeto: BEDA #23 - BETO CARRERO WORLD




27 de agosto de 2015

BEDA#27 - O ano que apresentei o TCC...

Ainda no ensino médio,  nasceu a vontade de fazer faculdade de Psicologia e que eu passaria 5 anos (?), estudando só as matérias que eu gosto! Principalmente, nunca mais veria matemática na minha vida!
Meu primeiro dia de aula na faculdade foi assustador! Eu, recém saída do ensino médio com uma turma de alunos já na sua 3° e 4° graduação... Me senti "pequena" diante dos assuntos e opiniões MEGA elaborados e eu ficava quieta com medo de falar alguma besteira. Segui com essa turma até a 5° fase, tive que refazer algumas matérias e acabei diminuindo a quantidade de matérias do semestre. Dessa turma se formaram poucos alunos (menos de 10 alunos) alguns foram desistindo durante os semestres... Mas, não é sobre isso que eu vim falar.

As turmas do curso de Psicologia que "Migrei" durante esses semestres tinha uma característica em comum: Desunião (mal de humanas?). Tínhamos uma nota a N3 "trabalhos em grupo" quando eu não tinha a opção de fazer individualmente sempre foi um "parto" de achar um grupo decente. Minhas piores crises de gastrite se devem a esses momentos de maior stress durante esses dez semestres da graduação.

Cheguei a trancar a faculdade 2x: Há primeira vez, eu não tava vendo mais sentido no curso que escolhi,.. Depois de ter feito um estágio não obrigatório desses que pagam mal e não tinha nada haver com Psicologia.... Fui fazer Administração, foi a fase que eu mais me diverti! Era uma turma de jovens animados toda sexta-feira tinha encontro da turma e balada TODO final de semana... No final do semestre eu decidi voltar para o curso de Psicologia. Há segunda vez, eu tirei umas férias de um semestre. Me desentendi com a supervisora de estágio na época, quando voltei no segundo semestre e soube que eu não fui a única a "profissional" se desentendeu com outras alunas também e acabou sendo demitida. Prossigamos, porque ainda não é disso que vim falar.

Vim falar sobre o TCC. Na semana passada, eu apresentei o meu Trabalho de Conclusão de Curso naqueles longos e intermináveis 30 minutos entre a minha apresentação #tremia e mais trinta minutos da pontuação dos avaliadores e o recebimento da nota. Em momento algum, pensei na nota... Queria passar TODO o meu conhecimento do projeto em si, e que toda a minha trajetória até ali não foi em vão teve crescimento em todas as etapas principalmente dos estágios (Básico e Específico). No dia seguinte, minha supervisora me mandou um e-mail, parabenizando-me pela apresentação e informando que a  minha nota foi 9,5. Fiquei Feliz!

Em 2005, achei que esse momento nunca chegaria e em 2010 achei que não iria me formar em Psicologia... Agora, estou aqui, sentada escrevendo sobre toda a minha trajetória e confirmando aquela velha história que diz  que: A vida " não é sobre o quão rápido chegarei lá/não é sobre o que está me esperando do outro lado. É a escalada...".


Feliz dia da Psicóloga 
para mim!!!

25 de agosto de 2015

BEDA #25 - A última vez que você chorou. [642 COISAS]




"... finalmente havíamos chegado ao final daquela semana. Aqueles dias, em que mais pareciam um acúmulo de minutos infinitos... A semana não rendeu, os trabalhos da faculdade acumularam... Os sentimentos costumam ficar mais aflorados no final do mês mas, aquela semana estavam no pico do (in)suportável. 

Não foram poucas as vezes que tive que me segurar para não chorar. Em situações que dificilmente eu engoliria o choro e aceitaria e acabasse demonstrando também, que eu não estava bem... Resolvi ser forte! Respirava, olhava para cima meus olhos avermelhados ardiam... Tudo isso, para não derramar uma lágrima sequer... E repetia como um mantra o refrão daquela canção: "And big girls don't cry Don't cry..."

Cheguei em casa, segurei a Mallu (minha cadelinha) no colo "sufoquei" ela um pouquinho como é de costume, fiz carinho na cabeça do Teddy (meu outro cachorro) que estavam me esperando no quintal e finalmente entrei em casa. Entrei direto no meu quarto para largar a minha bolsa na bancada e depois tomar um banho ou comer alguma coisa... Mas, olhei para aquele quarto que era "o meu cantinho" e resolvi ficar. 

Sentei no chão do quarto, e depois de um longo suspiro uma lágrima rolou e eu chorei... Apenas chorei, outras lagrimas vieram em seguida parecendo já saber o caminho apenas deixei as lagrimas caírem soltando-as livremente. 



O projeto 642 coisas sobre as quais escrever é um projeto bem interessante, é um incentivo a escrita. E apoveitando que estamos na 3° e ultima semana do BEDA resolvi resgatar (escrevi essa postagem aqui) sobre esse projeto aqui no Blog.

30 antes dos 30 (ATRASADO ) : Pensar em um tema para o TCC e estudar.

O ANO QUE APRESENTEI O TCC


"♫ ... Ain't about how fast I get there
Ain't about what's waiting on the other side
It's the climb ♫."

O meu ensino médio não foi nenhum "High School Musical" mas, no Terceirão desce um espirito de um "bom estudante" em qualquer simples mortal e achamos que vamos aprender TUDO que não aprendemos no fundamental e nos dois primeiros anos do ensino médio... 2005, Foi um ano da minha vida que eu ainda não superei.

Achei que eu iria amargar anos a fio em cursinhos até conseguir passar em uma universidade federal... Em 2006, fui para o CESUSC. Uma universidade particular e que tinha o curso superior de Psicologia (minha primeira opção!). Meu primeiro semestre foi assustador! Lembro que na primeira semana eu me sentia miúda diante a minha turma. Pois, a minha turma eram de pessoas mais velhas que já estava fazendo a 2º ou a 3º graduação e eu ali recém saída do terceirão... Segui com essa turma até o quinto semestre. Diminui a quantidade de matérias que eu estava fazendo no semestre e re-fiz algumas dessas matérias... resolvendo assim, ficar com as turmas anteriores.

Em 2009 consegui meu primeiro estágio de Psicologia (não obrigatório) em uma secretaria do estado de SC. O estágio não tinha nada haver com Psicologia era mais um projeto dentre tantos outros projetos feitos no estado para não darem certo... Completei um ano de estágio, entreguei "o trabalho de estágio" e jurei que só faria novamente um estágio se fosse o obrigatório da faculdade. Aquele semestre foi um fracasso² e que colocou em xeque todo o meu sonho do inicio... E a pergunta que eu mais fazia para mim mesma era; O Que Eu To Fazendo Com A Minha Vida? e a resposta era automática: Eu Não Faço A Menor Ideia ...

Em 2010 eu tranquei a faculdade de Psicologia jurando nunca mais voltar... e a noticia foi recebida com um grande susto pelos familiares e amigos. Fui para o curso de administração mesmo não tendo nada haver comigo... com uma turma divertida e fazendo poucas matérias... mesmo não me adaptando com exatas, foi um dos semestres mais universitários que eu tive na vida! Com direito a festas nas sextas-feira depois das aulas e baladinhas nos finais de semana. No final de 2010 senti um aperto... pois, eu estava com uma turma bacana porém, em um curso que eu não me identifiquei.

Em 2011 e 2012 descobri minha verdadeira "relação" com a Psicologia. Um sentimento verdadeiro de amor & ódio e comecei dizer uma frase que repito todo semestre desde então:
 Quero me formar em Psicologia para trabalhar com máquinas rs.
 No segundo semestre de 2013 eu estava cursando a 7° fase do curso e nessa fase, começa os estágios (básicos) obrigatórios.Eu escolhi entre tantos... o estágio de Psicologia Escolar, em uma escola pública no sul da ilha aqui de Florianópolis.

Estágio Básico I:  O meu primeiro estágio, foi com essa turminha chuchu da foto  estudantes da 1° série transformaram os meus dias de estágios mais divertidos!

Melhor Pequinique!









Estágio Básico II: Nesse segundo estágio, apliquei dinâmicas pensadas no primeiro semestre... Mesmo tendo mais trabalho do que no semestre anterior, que só ficava observando os alunos e a turma em geral como fiz no primeiro estágio. Apliquei as dinâmicas com turmas de 3° e 4° série e as crianças cooperaram e se divertiram nas atividades (principalmente as fotográficas).


Estágio e GETEP foi algo diferente de todos os estágios que fiz nesses dois últimos semestres da faculdade de Psicologia... O trabalho foi com os imigrantes/refugiados Haitianos que estão morando na cidade de Florianópolis/SC. Esse primeiro semestre de 2015 continuamos com o trabalho para aplicar um projeto com os imigrantes que ainda moram em Florianópolis/SC.  O tema  do meu TCC foi Problemas Psicológicos na Migração com os Haitianos na cidade de Florianópolis/SC


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei comentando com vocês sobre o Blogmas2k18:

24 de agosto de 2015

BEDA #24 - Canção De Segunda: Avohai - Zé Ramalho




Zé Ramalho ocupa uma posição peculiar na música brasileira. Suas canções tem uma carga e uma marca forte... e uma delas, Avohai, tem uma história interessante. Para quem não sabe, Avohai é a canção de apresentação de Zé Ramalho ao grande público, pois é a primeira música do lado "A" do seu primeiro disco gravado em 1978.


Consta que a música seria uma homenagem ao seu avô Raimundo, que foi a referência masculina de Zé, haja vista que seu pai, Antonio de Pádua Pordeus Ramalho, falecera afogado num açude no sertão da Paraíba, quando Zé tinha apenas 2 anos. 

Consta que o ainda criança Zé Ramalho chamava seu Raimundo de Avô Rai, e daí teria surgido a expressão "Avohai". No seu próprio site, consta que este nome lhe fora "soprado por entidades extra-terrestres ou sensoriais", 20 anos depois da morte de seu pai.Certa vez, numa entrevista, Zé Ramalho afirmara: 

"Quando eu fiz esta música eu criei esta palavra. Ela significa avô e pai. É uma espécie de homenagem ao meu avô, que foi a pessoa que me criou. Ele fazia o papel de avô e de pai. Meu pai morreu muito jovem, nos açudes do sertão, morreu afogado quando eu era garotinho. Então foi meu avô que me educou, foi quem me ensinou a seguir o caminho do bem, a batalhar minhas coisas. Eu me inspirei na imagem dele. E me chegou a palavra [avohai]... Ao mesmo tempo ela é interpretada pelas pessoas que a ouvem das mais diversas formas. É uma coisa muito mística também, representa a continuidade da espécie, ou seja, passar a sabedoria de uma geração para a outra... O avô passa para o pai, que passa para o filho e aí por diante..."

A letra tem algo de místico e contempla um mosaico de imagens nordestinas, em que há claras referências a Brejo da Cruz, sua cidade natal. 

Mas no seu próprio sítio digital (www.zeramalho.com.br) o próprio artista, num depoimento a Jorge Salomão, em 1998, conta um pouco de outras influências que inspiraram a letra de Avohai: 

"Lia muitos livros esotéricos, poesia, Carlos Castañeda, discos voadores, eram os que mais me interessavam. E livros de alquimia. Absorvi muita coisa disso tudo no meu trabalho. Eu produzo uma certa química nas pessoas que prestam atenção no meu trabalho. Uma sensação de viagem. Comunguei também no início dos anos 70 com o psicodelismo, o LSD, aqueles chás de cogumelo, essas coisas todas foram importantes para mim. Misturei tudo isso e saiu a primeira leva de músicas: Avôhai, Vila do Sossego e Chão de Giz. Essas músicas foram feitas na época dessas experiências. Era 73. Essas experiências me deram intuição, vontade de projetar essas luzes para me apresentar como autor. Minha proposta desde o início era fazer uma coisa diferente, no sentido de idéias, criar situações, criar imagens com as letras e com o máximo de alucinação possível. Avôhai, por exemplo, tem a descrição de viagem na própria letra da música."


                   



23 de agosto de 2015

BEDA #23 - Beto Carrero World


Beto Carrero World é o maior parque temático da América Latina, localizado no município de Penha, Estado de Santa Catarina, no Brasil. Foi inaugurado pelo já falecido Beto Carrero, no dia 28 de dezembro de 1991. Atualmente considerado o 6° melhor parque de diversão do mundo, o empreendimento possui uma área total de 14 mil km², sendo dividido em três grandes segmentos:
  • Zoo
  • Parque
  • Shows


Madagascar
crazy River

Faltou coragem para brincar (molhar) fiquei só fotografando mesmo.









22 de agosto de 2015

BEDA #22 -Ensaio Fotográfico - Insólito

Um casal banal, que mora numa casa banal, vivendo uma vida comum. O espaço de Insólito é instaurado pela realidade fria de um domingo à tarde, numa casa que cheira a solidão. O espetáculo ilustra, de forma cômica e surpreendente, o absurdo da existência humana e o distanciamento e a frieza na comunicação entre as pessoas. Os dois personagens em cena, apesar de se comunicarem verbalmente, estão em mundos totalmente diferentes e muito distantes. 

O grupo N.A.F.T. existe desde 2011 e tem o seu foco voltado para o teatro educação. Insólito nasceu a partir da disciplina de Prática de Direção Teatral, no Centro de Artes da Udesc. Em 2014, o espetáculo foi selecionado para o IV Festival de Teatro Tecendo o Riso (Concórdia/SC) e para o 21º Festival de Teatro Isnard Azevedo - Floripa Teatro.

















21 de agosto de 2015

BEDA #21 - 3° SEMANA DO PROJETO.



Abrimos essa 3° semana do BEDA socializando com as "Migas da Liga". A Ana Flavia foi linda indicando uma TAG para ajudar as amigas a preencher possíveis lacunas na programação (não que a gente tenha, né? cof.). Essa semana, eu também mexi no template do Blog. Montei um Banner lindão! porém, mais monocromático que o anterior...Obviamente como se tornou sagrado por aqui escrevi uma postagem sobre o novo Template. 

Teve #cançãodesegunda com a história por traz da música Chão de giz do cantor Zé Ramalho. Também teve #cartinha para eu mesma, daqui a 15 dias quando terminar o projeto BEDA. Teve projeto 52 semanas com os meus seriados preferidos... E para finalizar, escrevi uma TAG sobre a escrita.

LINK´S DA SEMANA


No 15° dia do projeto: BEDA #15 -[MEME] COMPLETE AS FRASES 

No 16° dia do projeto: BEDA #16 - UMA PEÇA DO QUEBRA-CABEÇA. 


No 18° dia do projeto: BEDA #18: UMA CARTA PARA DAQUI 15 DIAS. 


No 20° dia do projeto:BEDA#20 CADÊ O MEU CAFÉ !? 


20 de agosto de 2015

BEDA#20 Cadê o meu Café !?!

Leitor irritadinho(a) - Mais uma TAG???? Assim é fácil manter um Blog "atualizado".

Hoje mesmo eu vi essa TAG no blog da Anna Vitória que foi indicada pra responder uma série de perguntas sobre o processo de escrever As perguntas foram retiradas de uma espécie de meme que andou circulando pela blogosfera gringa, o Why I Write

O que eu ando escrevendo? 

Há vinte dias esta tendo postagens aqui no blog TODOS os dias. Sim, eu estou escrevendo bastante aqui no Blog, as temáticas são os assuntos de costume ( Minha life, músicas, livros, fotografia...). Fora da internet, eu escrevi o meu Trabalho de Conclusão de Curso de Psicologia que o assunto era "Impactos Psicológicos do processo migratório". Continuo escrevendo, em rascunhos juntando as palavras em frases desconexas e textos sem as devidas pontuações... 

Como minha escrita se diferencia de outras do gênero? 

Enquanto escritora, eu posso dizer que tento escrever sobre a life... O gênero é "Blog Pessoal" escrevo a minha opinião, sobre musica, livros e atualidades. é um Blog pessoal comum diante tantos outros blogs: literários, crônicas, modas, decoração... 

Recebi um comentário certa vez que a leitora escreveu que tinha a sensação de estar lendo um diário... Essa é uma característica de um "blog pessoal". Quando eu comecei a escrever na internet, os blogs não tinham tantos gêneros... Acho que eu não saberia escrever de outra forma, como "O Meu Querido Diário" eu tentei uma vez, mas os comentários me entregaram "Diz para mim que não é só literatura..." 

Por que eu escrevo? 

Na minha opinião, a melhor resposta é da Clarice Lispector. Ela disse certa vez que: "Enquanto eu tiver perguntas e não houver resposta continuarei a escrever.". Acredito que essa minha ânsia de espremer meus sentimentos em palavras, esta no jogo de perguntas/respostas ao longo dos acontecimentos da vida... 

Quero arquivar sentimentos, momentos e histórias para não esquecer... Quando eu re-lêr essas postagens do "Arquivo" que eu me sinta melhor, por ter vivido esses momentos descritos e principalmente de ter superado esses momentos de alguma forma. 

Como eu escrevo? 

Eu escrevo no Word, não me acostumei a escrever direto do Blogger... No bloco de notas do celular e rabisco em folhas de papel (Sim!) quando não estou na frente do computador. 

Eu gosto de escrever na madrugada... Porém, aprendi a produzir no fim de tarde, com uma xícara de café recém passado no lado do notebook escrevo ouvindo musica, nesses momentos de produtividade o meu gênero musical preferido é; instrumental ou internacional. 

Eu participo de um projeto literário junto com outras blogueiras todo o dia 16 nós escrevemos sobre um Tema. A escrita é instigante pois, explora a criatividade da escrita e acaba melhorando a forma de escrever. 

Escrevi um dialogo em "quatro mãos" com a Mª Fernanda e foi uma experiência muito bacana! ouve bastante troca de experiências e formas de escrever. Acho que teremos que fazer isso mais vezes! 

Como supero bloqueios criativos? 

Então... Eu não supero. Quando a escrita não flui de jeito nenhum, eu saio da frente do notebook e vou ler um livro, ver filme, sair por ai para fotografar ou simplesmente fazer café... Até a criatividade "desbloquear".


18 de agosto de 2015

Beda #18: Uma carta para daqui 15 dias.


Querida Milla,

Sou eu... tipo, sou você daqui  15 dias
Você pensou em fazer essa carta na primeira semana do BEDA porém, nós duas sabemos que não somos tão boas em pensar no futuro... 
O ano de 2015 anda nos surpreendendo positivamente né?Apresentamos o TCC na faculdade, agora temos somente algumas matérias para finalmente concluir a faculdade de Psicologia. No blog, resolvemos participar do  projeto  Blog Every Day August e tem sido um  projeto instigante desde o inicio... 
Postar todos os dias no Blog não é moleza!  E mesmo  tendo os nossos próprios MARCADORES do Blog "Lado Milla." suamos para programar postagens (eu sei o quanto odiamos isso...) escrevíamos até duas postagens por dia!!! e tendo pouco tempo para divulgação das postagens.
 O B.E.D.A é o amor puro a escrita! São postagens que não precisam de comentários e curtidas como incentivo para escrever.
Nós fomos escrevendo, pensando e espremendo palavras... E saiu aquele texto amor da nossa BFF Colombiana e esse também é o nosso segundo texto do projeto 1001 pessoas. 
A segunda semana, foi somente de TAG's que as amigas da Liga estão cada vez mais nos indicando... E aproveitamos para "socializar" virtualmente e conhecer outros Blogs aumentando assim a minha Blogrroll.
Abrimos a 3° semana recauchutando o template do Blog. Esse foi o primeiro template do blog quando ele ainda se chamava "Um lado meio Milla..." vocês irão notar uma visível melhora nas imagens do Blog*. 
O Bannner! estivemos cricri com o Banner anterior e cavando no Canva.com (rs) montamos um Banner que realmente nos agradou. 
Acabamos de olhar os "Arquivos" do blog, verificamos que a quantidade de postagens de mês ultrapassou as 16 postagens do mês anterior e dos outros meses... E ficamos muito orgulhosas!
No dia 1 de setembro, quero que você releia as 31 postagens do projeto BEDA e responda os comentários de cada postagem e principalmente visite/comente nesses blogs pois, falhamos no quesito de mimar as nossas blogueiras queridas.

No mais, acho que é isso...
Parabéns por ter chegado até aqui e FORÇA sempre!!!
Beijos.
PS1: Contando com essa, faltam 14 postagens. Força na peruca!

17 de agosto de 2015

BEDA #17 - Canção de segunda: Chão de giz - Zé ramalho



Ainda jovem, o compositor teve um caso duradouro com uma mulher bem mais velha que ele, casada com uma pessoa bem influente da sociedade de João Pessoa, na Paraíba, onde ele morava. Ambos se conheceram no carnaval. Zé Ramalho ficou perdidamente apaixonado por esta mulher, que jamais abandonaria um casamento para ficar com um “garoto pé -rapado”. Ela apenas “usava-o”. Assim, o caso que tomava proporções enormes foi terminado. Zé Ramalho ficou arrasado por meses, mudou de casa, pois morava perto da mulher e, nesse meio tempo, compôs Chão de giz.



Sabendo deste pequeno resumo da história, fica mais fácil interpretar cada verso da canção. Vamos lá!
“Eu desço desta solidão e espalho coisas sobre um chão de giz”
Um dos seus hábitos, no sofrimento, era espalhar pelo chão todas as coisas que lembravam o caso dos dois. O chão de giz indica como o relacionamento era fugaz.
“Há meros devaneios tolos, a me torturar”
Devaneios e lembranças da mulher que não o amou. O tinha como amante, apenas para realizar suas fantasias. Quando e como queria.
“Fotografias recortadas de jornais de folhas amiúdes”
Outro hábito de Zé Ramalho era recortar e admirar TODAS as fotos dela que saiam nos jornais – lembrem-se, ela era da alta sociedade, sempre estava nas colunas sociais.
“Eu vou te jogar num pano de guardar confetes”
Pano de guardar confetes são balaios ou sacos típicos das costureiras do Nordeste, nos quais elas jogam restos de pano, papel, etc. Aqui, Zé diz que vai jogar as fotos dela nesse tipo de saco e, assim, esquecê-la de vez.
“Disparo balas de canhão, é inútil, pois existe um grão-vizir”
Ele tenta ficar com ela de todas as formas, mas é inútil, pois ela é casada com um homem muito rico.
“Há tantas violetas velhas sem um colibri”
Aqui ele utiliza de uma metáfora. Há tantas violetas velhas (Como ela, bela, mas velha) sem um colibri (um jovem que a admire), dessa forma ele tenta novamente convencê-la apelando para a sorte – mesmo sendo velha (violeta velha), ela pode, se quiser, ter um colibri (jovem).
“Queria usar, quem sabe, uma camisa de força ou de vênus”
Este verso mostra a dualidade do sentimento de Zé Ramalho. Ao mesmo tempo que quer usar uma camisa de força para se afastar dela, ele também quer usar uma camisa de vênus para transar com ela.
“Mas não vou gozar de nós apenas um cigarro”
Novamente ele invoca a fugacidade do amor dela por ele, que o queria apenas para “gozar o tempo de um cigarro”. Percebe-se o tempo todo que ele sente por ela um profundo amor e tesão, enquanto é correspondido apenas com o tesão, com o gozo que dura o tempo de se fumar um cigarro.
“Nem vou lhe beijar, gastando assim o meu batom”
Para quê beijá-la, se ela quer apenas o sexo?
“Agora pego um caminhão, na lona vou a nocaute outra vez…”
Novamente ele resolve ir embora, após constatar que é impossível tentar algo sério com ela. Entretanto, apaixonado como está, vai novamente à lona – expressão que significa ir a nocaute no boxe, mas também significa a lona do caminhão, com o qual ele foi embora – ele teve que sair de casa para se livrar desse amor doentio.

“Pra sempre fui acorrentado no seu calcanhar”
Amor inesquecível, que acorrenta. Ela pisava nele e ele cada vez mais apaixonado. Tinha esperanças de um dia ser correspondido.
“Meus vinte anos de ‘boy’ – that’s over, baby! Freud explica”
Ele era bem mais novo que ela. Ele era um boy, ela era uma dama da sociedade. Freud explica um amor desse (Complexo de Édipo, talvez?).
“Não vou me sujar fumando apenas um cigarro”
Depois de muito sofrimento e consciente que ela nunca largaria o marido/status para ficar com ele, ele decide esquecê-la. Essa parte ele diz que não vai se sujar transando mais uma vez com ela, pois agora tem consciência de que nunca passará disso.
“Quanto ao pano dos confetes, já passou meu carnaval”
Eles se conheceram em um carnaval. Voltando a falar das fotos dela, que iria jogar em um pano de guardar confetes, ele consolida o fim, dizendo que já passou seu carnaval (fantasia), passou o momento.
“E isso explica porque o sexo é assunto popular”
Aqui ele faz um arremate do que parece ter sido apenas o que restou do amor dele por ela (ou dela por ele): sexo. Por isso o sexo é tão popular, pois apenas ele é valorizado. Ela só queria sexo e nada mais.
“No mais, estou indo embora”
Assim encerra-se a canção. É a despedida de Zé Ramalho, mostrando que a fuga é o melhor caminho e uma decisão madura. Ele muda de cidade e nunca mais a vê. Sofreu por meses, enquanto compôs a música.



© Lado Milla
Maira Gall