16 de agosto de 2017

Filme: O Filme da Minha vida (2017)


Serras Gaúchas, 1963. O jovem Tony Terranova precisa lidar com a ausência do pai, que o deixou e também sua mãe para voltar a viver na França. Professor de francês num colégio da cidade, ele convive com os conflitos dos alunos no início da adolescência e vê o desabrochar de moças como a encantadora Luna.

Apaixonado pelos filmes que vê no cinema da cidade, Tony faz do amor e do cinema suas grandes razões de viver. Até que a verdade sobre seu pai começa a vir à tona e o obriga a tomar as rédeas de sua vida.


O Filme da Minha vida (2017) é o terceiro longa de Selton Mello como diretor. Os anteriores foram Feliz Natal (2008) e O Palhaço (2011). Aqui, acompanhamos a história de Tony (Johnny Massaro), que após estudar fora retorna à sua terra natal. Mas no mesmo trem em que ele retorna, o seu pai, Nicolas (Vincent Cassel), vai embora de volta para a França, de onde veio, sem dizer nem por que, nem quando ou se voltará. O que causa grande confusão na vida de Tony. Como é uma cidade pequena e todo mundo se conhece, o fato fica conhecido e acaba atingindo também a vida de outros personagens.


A fotografia e as composições do filme, principalmente nas cenas em que aparece a mãe de Tony, Sofia (Ondina Clais), lembram O Espelho (Zerkalo, 1975), de Tarkovsky; as roupas e até a aparência da personagem remetem à produção do cineasta russo. O que é bem interessante e viável, pois o filme trata bastante de memórias e chega em determinados momentos a ter uma pitada de poesia. Porém, sem a mesma profundidade que Tarkovsky busca, já que não é essa a intenção do filme.


Em contraste com isso, a personagem Luna (Bruna Linzmeyer) parece ter saído de uma produção do diretor Wes Anderson. Olhos grandes, visual “comportadinho”, com sonhos de viver entre as estrelas espaciais e de cinema (em contraponto com a irmã mais velha a personagem de Bruna Arantes que se arruma bastante e participa de concursos de beleza).

Em uma das falas do filme, A Luna (Bruna Linzmeyer) diz que enquanto a irmã estava viajando foi como o tempo tivesse parado... isso explica a infantilidade dos seus primeiros monólogos no inicio do filme. A irmã mais velha tinha um papel tão importante para Luna quanto da figura paterna para o personagem principal Tony Terranova.

A personagem Luna (Bruna Linzmeyer) Passa boa parte do seu tempo tirando fotos artísticas. Coisa mais hipster, impossível. Talvez só se ela fizesse isso tudo em pleno século XXI. Aliás, o filme traz também, sem a necessidade de expressar isso em palavras, um universo típico dos anos 1950 / 1960, com a sempre constante presença do rádio nas cenas e comentários sobre a chegada da televisão ao Brasil.


Selton Mello, além de diretor, encarna Paco, que contrasta totalmente com a figura de “bom moço” que ele tem fora das telas. Seu personagem é o típico “macho alfa” que tem barba, bebe aos litros e até “fede um pouco”, como diz uma das personagens. Ele interpreta até bem, mas essa personificação pregressa que nós temos dele atrapalha um pouco. Um dos comentários interessantes do seu personagem é dizer que “televisão é algo para bobo ficar olhando e que não vai pra frente”. Bem típico de alguém como ele.


Diferente do personagem de Selton Mello, Rolando Boldrin, que interpreta o maquinista Giuseppe, responsável por guiar o trem, encaixa perfeitamente com o músico, ator e apresentador de televisão brasileiro. Pois é uma figura que observa tudo que acontece entre as duas cidades em que se passa o filme e, consequentemente, tem muita história, ou melhor, “muitos causos” para contar. Sabe de tudo que acontece entre e por cima dos trilhos.

O mais interessante do filme O Filme da Minha vida foi a maneira com que ele trata a relação de pai e filho; interessante como a figura paterna tem uma relação forte na nossa personalidade. A figura Paterna representa lei e ordem se torna o espelho do que seremos algum dia. O sumiço do pai no filme tem a ver não com ela desaparecer literalmente, mas sim com o momento em que precisamos nos tornar nós mesmos. O momento em que devemos deixar os passos de nossos pais e seguir o nossos próprios. Além de necessitar de uma quebra dessa figura idealizada que costuma existir na nossa cabeça.

Em uma das falas do filme, o personagem Paco diz que a diferença entre o porco e o homem é que o segundo sabe o que é, e o que quer. O porco é só porco e nem sabe o que é isso. O filme mostra então um protagonista que busca um lugar dele mesmo. Primeiro profissionalmente, escolha que foi, aparentemente, maior parte por decisão dos pais do que dele próprio. Principalmente por ter escolhido lecionar logo francês, que é a língua do país de origem do seu pai. Em seguida, sua relação com mulheres, formação de uma família, e coisas do tipo.

Selton Mello acerta a direção na hora de dosar o tom do filme, misturando drama, comédia, lirismo e liberdade poética. No terceiro ato, as coisas dão uma esfriada e nós, como espectadores, gostaríamos que os personagens tivessem reações diferentes do que eles tomam. Mas, dentre tudo que foi construído durante todo o longa, o que vemos em termos de ação e reação faz sentido.
Avaliação:✭✭✭✭✭

Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

3 comentários

  1. Camyli, tudo bem? Pelo visto você gostou muito do filme, não é? Acho que não é pra menos, o filme realmente cativa e tem uma fotografia linda. ressalto a qualidade da trilha sonora, também. Pra mim o filme peca em seu início, com o toque moroso da história, demora uns 40 minutos até o filme engrenar. A cena mais interesaante, pra mim, foi aquela do cinema...quando o Paco vai à cidade com Tony. Depois disso, o filme pega uma força muito boa e são só surpresas até o final. Achei um filme nota 8 (em uma escala de 0 a 10). Beijos

    ResponderExcluir
  2. ola tudo bem ? não sabia deste filme , mais alem de amar filme brasileiros ele se passa nas terrras gauchas , locais que cusrtumo visitar , super adorei a dicas. Ja estou procurando por ele . Bjsss

    ResponderExcluir

© Lado Milla
Maira Gall