29 de abril de 2019

“Fernando Anitelli apresenta: O Teatro Magico – Voz e Violão”


Quando eu comecei a escrever na blogosfera (Inicio do ano 2000), eu conversava com freqüência com outras pessoas que também escreviam suas mazelas na blogs. Sou péssimas em datas. Mas, lembro que em 2003 conversavamos na internet pelo MSN Messenger*. Um certo dia, uma dessas blogueiras que eu conversava na época, a Lud de Osasco/SP e nos seu status sempre estava escrito assim Ana e o mar - Teatro Mágico... ♫ e sem querer ela apresentou-me umas 3ou9 musicas de uma banda um tanto diferente dos padrões musicais em que eu estava acostumada a ouvir. Artistas independentes, donos de uma música poética e com conteúdo, a trupe “O Teatro Mágico”.

***

Sábado, dia 27 de abril de 2019, Em Florianópolis na capital de Santa Catarina, a temperatura da cidade estava caindo gradativamente, com  uma chuva finininha... A Ilha da Mágia digo, Florianópolis, saturada de falta de cultura e bons shows… Naquela noite, recebeu Fernando Anitelli apresenta: O Teatro Magico – Voz e Violão.


A cidade onde moro, é a capital do estado de SC, mas, quando se procura “eventos culturais” na city… Aqui mais parece cidade do interior. Mãããsss a questão era que tinha um programa nostálgico e emocionante que eu sabia que eu ia me emocionar bastante rs, na minha querida cof, cof cidade, não podia pensar na possibilidade de não ir. 

O Centro Integrado de Cultura Professor Henrique da Silva Fontes (CIC) é um conjunto de edifícios onde se realizam diversas manifestações culturais, localizados em Florianópolis. Ao todo, perfaz uma área de 9 993 m/². É um dos teatros mais “chiques” aqui da região. O clima do show é clean e a roupa também tem que ter o mesmo clima sem o tênis surrado companheiro fiel de chalaças. O CIC é um teatro grande, comparados aos outros dois teatros mais novos da cidade. O ambiente é aconchegante e bem bacana para shows. Cheguei uns 30min antes no CIC para comprar ingresso (graças à falta de divulgação ainda tinha ingresso na hora…) as poltronas são numeradas. Então, não pode entrar e sentar na poltrona que quiser (Organização!).


Fernando Anitelli após 13 anos de estrada com O Teatro Magico e a companhia musical visita suas raízes, seus primeiros passos, dialoga com a atualidade e revela canções inéditas com um show mais intimista aproximando cada vez mais o artista com o seu publico. 

Confesso que, eu estava acostumada com a trupe do Teatro Magico que eu assistia no DVD... sendo essa a característica do projeto sempre ter sido marcada por suas apresentações que misturavam uma série de performances, tudo teve início no álbum solo de Anitelli (inspirado na leitura do livro “O Lobo da Estepe” de Herman Hesse) e em suas apresentações de voz e violão realizadas em diversos locais! Apesar disso... Acredito que, um teatro não suportaria um show que não fosse em um formato acústico.
“Gravamos o álbum inteiro na levada de voz e violão (sem metrônomo) e só no final resolvemos experimentar outros sons, vozes, instrumentos e ruídos! Fomos então para a segunda fase do projeto e convidamos mais de 25 pessoas para participarem dessa aventura! Saímos gravando tudo ao contrário! As peças tinham que se encaixar nas levadas e na essência da música! Posteriormente, quando pensamos no palco, inserimos outros instrumentos e modalidades artísticas para que pudéssemos conceber essa outra fase nas apresentações ao vivo!”
Quando o Fernando Anitelli começou a recitar os primeiros versos: Sem horas e sem dores/Respeitável público pagão/Bem-vindo ao Teatro Mágico/Sintaxe à vontade... Foi impossível de não lembrar da Milla com 17 aninhos ouvindo Teatro Mágico no disckmam sendo considerada uma adolescente super cooll. Chorei mexxxxmo sem vergonha nenhuma (no escuro ninguém poderia julgar as minhas lágrimas.).

Na medida que ele vai cantando um repertório de músicas inéditas e também cantará seus principais sucessos junto ao público. Ele falou de assuntos políticos sem cair na velha máxima "Ele não!" ou "Petralhas" de uma maneira sutil tipico de um artista que sabe tem o publico na mão. Que são raros!

Metade de mim
Agora é assim
De um lado a poesia, o verbo, a saudade
Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim
E o fim é belo incerto... Depende de como você vê
O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só


Nas ultimas musicas ele perguntou para o publico se gostariam de levantar algumas pessoas (EU) levantaram-se e foram para perto do palco para cantar camarada D'Água e anjo mais velho... No final do show. Que ninguém queria que acabasse...  Nós cantamos anjo mais velho com Fernando Anitelli em cima do palco FOI MARAVILHOSO! E foi difícil não querer registrar.


As musicas do teatro mágico já fazem parte da tal memória afetiva (Fora as musicas mais novas) aquela guriazinha de 17 anos estava comigo e também faz parte de quem sou hoje... comprando a camiseta e o adesivo feliz da vida por estar vivendo TUDO aquilo...

O CD e o DVD eu já tinha só comprei a camiseta.
Esse foi o meu primeiro show , do segundo show da mesma na minha cidade ¬¬ Quem vai ao show do Teatro Mágico encontra a famosa barraquinha com a venda de produtos. CDs, DVDs, camisetas, chaveiros, materiais escolares, pijamas, fronhas....tudo que se possa imaginar e onde cabe a poesia de Fernando Anitelli está lá, à venda.

O adesivo esá na porta do meu quarto.
Na parte “camarim” que não teve, o Fernando Anitelli ficou conversando com o publico  que fez fila no “Hall” do teatro todo mundo queria; uma foto, um “oi, tudo bem!”, uma dedicatória no CD recém-comprado… O Fernando é um querido e deu um show de simpatia querendo saber se era a 1° vez que eu ia no show/ perguntando o que eu tinha achado do show naquele formato e assinando folhinhas aleatórias e o livreto do CD





*As ultimas fotografias foram registradas  por uma profissional que trabalha no teatro.


** MSN Messenger foi um programa de mensagens instantâneas criado pela Microsoft Corporation. O serviço nasceu a 22 de Julho de 1999, anunciando-se como um serviço que permitia falar com uma pessoa através de conversas instantâneas pela Internet.

*** Falei da Lud como se todo mundo aqui conhecesse... Ela foi uma das primeiras amigas virtuias nessa blogosfera quando tudo isso aqui ainda era mato hehehe. A Lud morava em Santos/SP e tinha um blog chamado Insanidades de uma Garotinha... que ja esta desativado.



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 

26 de abril de 2019

"O Mal do Século é a Solidão!"

Podem achar o que quiserem, mas como disse Renato Russo: "O Mal do Século é a Solidão!" E essa solidão a qual me refiro, não é a do simples fato de estar sozinho, porque conheço muita gente que vive solitária e tem uma vida repleta de conquistas, de amores, de tristezas também, e acima de tudo, de histórias. Quero falar da solidão de casais que se casam apenas porque é o desejo da família, namoradas que procuram o carro mais belo e não a pessoa que as complete.

Essa preocupação com a tão falada segurança e "futuro", criou uma geração de solitários que tem tudo: Internet, telefone, TV (embora cada vez com um gosto mais duvidoso), lojas e carros, mas não tem gente na sua vida.

Casamentos com toda a pompa e que duram até a lua-de-mel (sendo bem otimista); tatuagens com nomes e rostos que jamais serão esquecidos (depois vai uma grana pra tirar com aquele laser por imposição do novo amor) e o tão precioso "eu te amo". Valendo menos que um "bom dia".

Meu Deus! Tudo bem que no passado os canalhas falavam qualquer coisa pra levar uma dama para a cama; inclusive "eu te amo", mas agora ouço isso tantas vezes ao dia que chego a me perguntar: "Se todo mundo ama todo mundo, porquê o mundo está tão vazio e sem cor?" Nessas horas só me vem uma frase de Maquiavel: "Se quer governar um povo, dê a eles pão e circo."

Não tenho outra resposta, nos tornamos tão manipulados e alienados em nossa própria modernidade que nos esquecemos do valor que palavras de carinho merecem e que elas devem ser ditas as pessoas certas e nos momentos certos, pois se forem ditas a todo o momento, perdem o seu valor e tornam-se tão vazias quanto o "eu te amo" que você fala para aquela desconhecida da noite anterior e que ao acordar, só pensa em uma frase: Como é seu nome mesmo???





Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 

15 de abril de 2019

Canção de Segunda : Vou Com Você - Acústicos & Valvulados



A musica Vou Com Você apareceu pela primeira vez no DVD “Acústico, Ao Vivo  A Cores” (2007), e agora ganhou uma versão de estúdio com Rafael Malenotti nos vocais. “Foi minha primeira composição individual que a banda gravou”, conta Móica. A inspiração veio enquanto ele olhava uma foto do seu pai com 18 anos no exército, e foi concluída rapidamente, em minutos – um sentimento que caiu no papel.“Talvez seja por isso que muitos se identificam com ela”, explica.

 Turnê "Chame a familia" é uma piadinha interna com oos meninos da banda quando carrego os meus pais para os shows da banda.
Acústicos & Valvulados - Vou Com Você [Lyric Video] Vídeo feito com a participação dos fãs da banda. Também tem a letra pra todo mundo cantar junto!




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 

14 de abril de 2019

Filme: Sob a mesma lua (Sob La Misma Luna)



Elenco: Kate Del Castillo, Adrian Alonso, América Ferrera, Eugenio Derbez, Carmen Salinas.
Direção: Patricia Riggen
Gênero: Drama
Duração: 109 min.
Distribuidora: Fox Film
Estreia: 14 de Novembro de 2008

Sinopse: Rosário, uma mãe solteira, deixa seu filho Carlitos sob os cuidados de sua avó e atravessa a fronteira ilegalmente para os EUA. Embora ela espere ter uma vida melhor para si e seu filho, Rosário entra em um beco sem saída trabalhando como faxineira em Los Angeles. Quando a avó de Carlitos morre, alguns anos mais tarde, o rapaz começa uma viagem difícil e perigosa para se juntar à sua mãe.



Sob La Misma Luna é o filme de estréia de Patricia Riggen uma jovem diretora mexicana, com roteiro de Ligiah Villalobos outra mexicana. Sobre imigrantes ilegais na Califórnia e sobre a relação de uma jovem mãe e seu filho de nove anos separado dela por uma fronteira e por um imenso abismo econômico, social e político.

O drama familiar, tendo, como pano de fundo, um dos temas mais importantes que há no mundo, a questão sempre polêmica e jamais resolvida da imigração das pessoas dos países pobres para os ricos. Quem quiser acompanhar um drama familiar poderá fazê-lo; quem quiser ver ali boas considerações sobre a imigração no mundo atual tem um prato cheio.O meu TCC foi um projeto de pesquisa sobre Problemas Psicológicos na Migração com os Haitianos na cidade de Florianópolis/SC.



O filme abre com uma bela seqüência em que um grupo de mexicanos tenta atravessar um rio que faz a fronteira com os Estados Unidos, à noite. Chegam os homens da Imigração; parte dos mexicanos é presa; duas moças, no entanto, conseguem se esconder dos guardas. Corte, e temos o rosto de uma bela jovem que acorda pela manhã com o despertador. Começam os créditos iniciais do filme, enquanto vemos uma seqüência da moça se levantando e de um garotinho se levantando também; o espectador que tentar ler os créditos talvez não perceba de imediato que está vendo duas ações paralelas que se passam em diferentes locais. Mas isso ficará claro rapidamente.

A bela moça, Rosario (Kate Del Castillo), está em Los Angeles; o garoto, Carlitos (Adrian Alonso), está no México, veremos que numa cidade bem próxima da fronteira. Rosario fez a travessia da fronteira, mostrada na seqüência inicial, quatro anos antes; o filho Carlitos ficou no México com a mãe dela, Benita (Angelina Peláez). Rosario ainda é imigrante ilegal; trabalha como doméstica em dois empregos, é esforçada, digna, trabalhadora, tenta juntar dinheiro para pagar advogado e regularizar a cidadania americana para poder levar o filho para viver com ela. Já tem condições de mandar US$ 300 por mês para ele, e mais presentes, como o tênis com luzinha vermelha que ele usa sem parar; Carlitos poupa boa parte desse dinheiro.


Todos os domingos, exatamente às 10 da manhã, Rosario liga para Carlitos de um telefone público de East Los Angeles para o telefone público da sua cidadezinha. A ação – o filme mostra logo – está começando numa m anhã de domingo, que é o dia em que Carlitos está fazendo 9 anos de idade.

 

O diálogo telefônico entre mãe e filho – os dois saudosos, ele longe dela por quase metade de sua vida – é de machucar o coração. 



Logo depois veremos a festa dos 9 anos de Carlitos na casa de sua avó, naquele mesmo domingo, e vamos entender a extensão de seu drama. A avó está muito doente – Carlitos é que cuida dela. Pode morrer a qualquer momento, e o menino ficará inteiramente só na vida. Aparece na festa um casal de vizinhos que a avó detesta; o marido chama Carlitos para uma conversa particular, e conta para ele que é seu tio, irmão do pai dele. Carlitos – que, apesar de só ter nove anos, é esperto, inteligente, muito mais maduro do que se poderia imaginar – nunca soube do nome de seu pai; Rosário jamais tinha falado com ele a respeito do pai; fica sabendo naquele momento. A avó já sabe; Carlitos toma conhecimento da existência de um pai ali, na cozinha da casa da avó, ao mesmo tempo em que o espectador: o tio está se apresentando como tal na esperança de, com a morte iminente da avó, ficar com os US$ 300 dólares mensais que Rosário envia para Carlitos.



Estamos com uns 15 minutos de filme, e a situação básica já está bem delineada, os personagens já foram bem apresentados, já sabemos como eles são. O que virá a seguir é um belo filme, uma bela narrativa do que vai acontecendo com Rosário e Carlitos, dos dois lados da fronteira, dos dois lados do abismo.

O espectador se pega torcendo por aquela pobre gente

Uma das grandes qualidades do filme é a competência na construção dos personagens; eles deixam a nítida impressão de que são de carne e osso, não são figuras de papel. Não só os mais importantes, como a mãe, o filho, ou Enrique (Eugenio Derbez), que a diretora definiu, no making of, como um herói relutante, à la Hans Solo de Guerra nas Estrelas, mas também os que aparecem bem menos, como o casal de chicanos que fala inglês e está em dificuldades ou o descendente de índios – perdão, de native-americans – da lanchonete nos arredores de Tucson.



Outra beleza é a forma como o roteiro foi estruturado, e como se dão os cortes do que se passa em Los Angeles para o que se passa no México, e do México para Los Angeles. É trabalho de gente grande, competente, de talento. Quando a roteirista e a diretora cortam a narrativa de um lado para mostrar o que está ocorrendo do outro, cortam numa nota alta, num momento importante, de tal modo que o espectador fica absolutamente fisgado, curioso para ver o que vai acontecer em seguida no outro lado da fronteira.

Disse lá em cima que a conversa telefônica entre mãe e filho é de machucar o coração. Todo o filme é de machucar o coração; a diretora Patricia Riggen, tão jovem, soube com maestria de veterano como envolver emocionalmente o espectador na história que está contando. O espectador fica angustiado, torce, sofre. Nada de distanciamento brechtiano, de forma alguma. É envolvimento emocional mesmo, como numa novela ou bolero mexicano.

É um pouco o que o veterano diretor Fred Zinnemann fez em O Dia do Chacal: o espectador sabe que o atentado contra o presidente Charles de Gaulle não será concretizado, de Gaulle não morreu num atentado – mas o filme tem um suspense impressionante. Aqui, no fundo o espectador sabe o que vai acabar acontecendo, mas, mesmo assim, fica angustiado, torce, sofre.

O garoto Adrián Alonso dá um show. É uma interpretação extraordinária. Todo o elenco está bom, ou, no mínimo correto, mas o garoto é nota dez.

Torci muito por essa amizade improvável. 
Kate Del Castillo, que eu não conhecia, é belíssima; tudo indica que tem futuro, mesmo concorrendo com outras pérolas vindas da Espanha e do México, Salma Hayek, Penélope Cruz, Paz Veja. Não parece ainda uma atriz fabulosa, mas está bem no papel; e é jovem, pode aprender mais; nascida em 1972, já tem no currículo um monte de trabalhos na TV e no cinema, dos dois lados da fronteira entre o Império e esta nossa pobre América Latina.

Outra das muitas qualidades do filme é o bom uso da música mexicana, tão alegre ritmicamente e tão arrebatada, confessional, dramática nas letras. A música faz parte integrante da narrativa, o tempo todo.

O tema do meu Trabalho de Conclusão de Curso na graduação em Psicologia foi Problemas Psicológicos na Migração com os Haitianos na cidade de Florianópolis/SC. Na época, eu pesquisei MUITO sobre os inúmeros tipos de Migração. Porém, foi o estagio na pastoral do Emigrante que me deu uma bagagem de conhecimento necessária para escrever um bom TCC e o conhecimento da realidade dessas pessoas que deixam as suas casas/ familiares arriscando-se para uma vida melhor em outro pais.

Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 

10 de abril de 2019

Vinícola Campestre - Vacaria/RS


Fundada há meio século, a Vinícola Campestre é uma empresa familiar empenhada em elaborar vinhos, sucos, coolers e espumantes de qualidade diferenciada. Esta constante meta, nos faz aprender e respeitar cada vez mais a arte milenar de transformar o fruto em vida, pois o vinho é cultura, ciência e, é uma bebida que tem a magia de reunir pessoas, provocar conversas inteligentes e acima de tudo, cultivar amigos.

Métodos enológicos e tecnologia são nossos aliados na vinificação. Buscando cada vez mais satisfazer o consumidor com produtos naturais e com sabor e características da serra gaúcha. Nossos vinhos nos conduzem a diferentes emoções; olfato e paladar, delicados toques de frutas vermelhas, cassis, mel e flores. Toda esta arte de transformação, é uma declaração muito firme, de amor e respeito ao produto e aos apreciadores.

"A vida é curta demais para beber vinho de má qualidade." Hubrecht Dujker

“Projetar o futuro sem esquecer o passado”

Lembrar o tempo que passou, nos fortalece muito, é como uma árvore que com o passar dos anos, deixa raízes fortes e o tronco rígido para enfrentar as intempéries do futuro.

Lembrar do passado com saudades, com carinho e também com muito trabalho é importante, ver máquinas antigas manuais, ver a uva sendo descarregada em bigunchos, muitas vezes tocado a trator por não ter energia suficiente, empalhar os garrafões em trabalho manual, desde a colheita da vime até o cozimento e fazer a palha, para posteriormente distribuir entre as pessoas da comunidade, para que de forma artesanal pudessem colocar a palha ao redor dos garrafões.


Lembrar das pipas de madeira, dos masteis, das piletas, do primeiro suco de uva, do destilador para fazer álcool, tirar bagaço das pipas, engarrafar o vinho, colocar a rolha e o rótulo manualmente, colocar cera como lacre nos garrafões, carregar um caminhão de vinho para vender na fronteira ou em outros estados, e muitas vezes voltar com a metade da carga... quanto esforço e quanto prejuízo.

Safra da uva com chuva, certamente teríamos problemas de escoamento, estradas ruins, poucos caminhões as vezes, para uma safra grande. Muito sofrimento, mas sempre um sorriso estampado no rosto dos produtores, enfim, estavam vencendo mais um ano.


Lembrar do passado, nos dá segurança de poder ver um futuro breve ainda melhor, mas certamente não tão alegre como eram as safras do passado, sem internet, sem telefone, pouca energia elétrica, mas com muita alegria e criatividade. Os funcionários mais antigos lembram, os mais novos talvez sejam indiferentes, mas nós tivemos uma história, uma bonita história. Hoje é projetar o futuro com os pés no chão, juntos, com os colaboradores. Novos desafios, novos produtos, mas sempre mantendo o lado artesanal, com a modernidade, a honestidade, com a simplicidade e os princípios que sempre nortearam a Vinícola Campestre, e certamente serão o nosso horizonte...
João Carlos Zanotto
Diretor Proprietário


No início, quando tudo ainda era imaginário, o trabalho era feito de forma artesanal, desde a produção dos vinhos até o envase . O selamento sobre a rolha nos garrafões era feito com cera quente. O "engarrafamento" e a fábrica tinham seus expedientes onde hoje estão acomodados os setores administrativos e comercial da empresa.


Com o passar dos anos e a evolução natural, fruto de muito trabalho, a população de Campestre acompanhou o crescimento da empresa com certo espanto. Em meados dos anos 1980 quando do surgimento dos primeiros reservatórios externos em aço, o espanto foi ainda maior, mal imaginavam todos que aquele era um dos grandes impulsos que viriam ao longo dos anos.

Hoje a vinícola dispõe de aproximadamente 50 rótulos em seu mix de produtos.
 
Produtos de beleza com cheirinho de uva
Idéias para presentear na pascoá.


Uma cesta com vinhos e chocolates






Vinícola Campestre que visitei é na Unidade Vacaria/RS - Vinhos Finos localizado na BR 116 - Km 30 / nº 1410 CEP: 95205-000 CONTATO: (54) 3511.6050.
© Lado Milla
Maira Gall