19 de janeiro de 2020

30 antes dos 30: Ir a 10 bons shows.


O #cançãodesegunda surgiu porquê eu queria escrever sobre as musicas que eu estou ouvindo... Sobre os shows das bandas que eu gosto e que vou com frequência.:


[1] Acústicos e Valvulados: Mazáaaaaaaaaaaaa... ÓBVIO que eu fui em VÁRIOS shows do meus mendigos favoritos. Sempre rende um bom diário de chalaça...

Eu tinha uma vaga lembrança do Rafael Malenotti (vocalista) quando ele participava do Pijama Show (um programa de rádio famoso do sul). Algumas semanas antes, fui no site da banda, afim de, escutar as músicas e lembrar se alguma já tocou na programação do Pijama Show. A minha grande surpresa é que eu curtia bastante ouvir a música "Fim de Tarde" na madrugada... Que era uma das musicas mais lindas da banda.




Quando eu recebi a foto logo, tratei de colocar no FOTOLOG e ficava admirando... Pois, tenho o péssimo costume de acreditar que os eventos bacanas que eu fui pela 1º vez nunca irão se repetir. Por exemplo: Esse show dos Acústicos e Valvulados. Felizmente, teve um show Pocket um mês depois e outros 17 shows na bagagem, sendo que, quatro desses shows foram na estrada (Porto Alegre/RS e Joaçaba/SC) 


[2] Nenhum de Nós 
[3] Rappa 
[4] Cachorro Grande

As musicas do Alemão estão na minha "memória afetiva" então quando tocou "Despedida", "Me leva pra casa", "Desabrigado"...Eu acabei chorando um pouco no show. Pois, essas musicas me lembram boa parte da minha adolescência. Quando eu virava as noites/madrugadas ouvindo rádio escondida e tinha aula cedo no dia seguinte na 6° e 7° série.



A 1° vez que assisto um show eu tenho a sensação que eu nunca mais terei chance de ver aquele show outra vez.... É angustiante! Apesar da angustia sinto uma gratidão enorme por ter conhecido os Caras das vozes aveludadas e roucas com idéias insanas das minhas madrugadas...


Esse foi o meu primeiro show que fui da banda, do segundo show da mesma na minha cidade¬¬ dessa vez não me liguei muito no set-listdo show, mas só não entraram no set duas musicas que serão lançados no novo álbum. 




A sensação de assistir um show pela primeira vez é mágico! Eu conheci o Nando da CNJ em 2009, quando ele e os meninos do Acústicos fizeram um show para tocar somente clássicos do Rock... Eu conheço 3ou9 musicas da Comunidade por causa da tal "memória afetiva" de ouvir musicas gaúchas na madrugada.





Quando eu comecei a escrever na blogosfera (Inicio do ano 2000), eu conversava com freqüência com outras pessoas que também escreviam suas mazelas na blogs. Sou péssimas em datas. Mas, lembro que em 2003 conversavamos na internet pelo MSN Messenger*. Um certo dia, uma dessas blogueiras que eu conversava na época, a Lud de Osasco/SP e nos seu status sempre estava escrito assim Ana e o mar - Teatro Mágico... ♫ e sem querer ela apresentou-me umas 3ou9 musicas de uma banda um tanto diferente dos padrões musicais em que eu estava acostumada a ouvir. Artistas independentes, donos de uma música poética e com conteúdo, a trupe “O Teatro Mágico”.


[09]Aerocirco:


Nessa época de 2008 há 2010 teve vários showzinhos bacanas na Célula e um desses foi da extinta banda Aerocirco que encerraram os seus trabalhos em 8 de novembro de 2013 e com muitos registros e histórias compartilhados nos quase 10 anos da banda.




[10] Vera loca:


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 


17 de janeiro de 2020

Uma crônica sobre o verão...


Hoje eu acordei muito mais cedo do que de costume, tirei a " máscara de dormir" dos meus olhos recém abertos olhei o celular e verifiquei no visor do celular que o dia estava nublado...

Queria ir a praia, e naquele dia nublado possivelmente iria chover e literalmente "afogar" os meus planos do inicio do final de semana...Não pensei duas vezes. Levantei da cama confortável, com a temperatura ideal do ar condicionado e fui colocar o biquíni por baixo de uma roupa confortável:O plano A, seria ir a praia e o Plano B, seria "sair por ai...",

Arrumando os últimos "ajustes" para sair e arrumando a bolsa de uma "possível" praia. Que tinha; Tolha, canga carteira com documento e uns trocados, minha caixinha de óculos; com os meus óculos de sol/grau e o livro que estou terminando de ler... Arrumando a bolsa e os meu planos lembrei das sábias palavras da minha vó que aprendeu com a minha bisavó.... E ela sempre repetia quando respondia sobre o tempo;

_Quem olha para tempo não faz viagem...

No ano que passou ... O que eu menos fiz, foi "olhar para o tempo..." e na maioria dos 365 dias daquele ano... fui pega desprevenida, com os dias de sol e os dias de chuva sem nem me importar com as possíveis lágrimas que podia rolar nesses dias de 2014.Sabe de uma coisa, não me arrependo! apesar de não ter GRANDES planos para aquele ano... A maioria das minhas metas, foram cumpridas independente do tempo lá fora, e principalmente do meu tempo aqui dentro...


Os Planos do inicio desse texto: a) ir a praia e b) sair por ai....Foram devidamente concluídos! Fomos em uma praia "Tradicional" aqui em Floripa e a beira do mar é um dos meus lugares preferidos para ler um bom livro e ouvir uma boa música no "set-list" do meu celular... O tempo, foi o que menos importou. Embora, o dia tenha ficado com um dia lindo e caloroso de sol.Sobre as lições que aprendi hoje foi que:


Quem olha para o tempo... Somente vê ele passar.

Quem olha para o tempo... Não, faz viagem e principalmente... 
Quem olha para o tempo... Não vai a praia!


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 

14 de janeiro de 2020

Canção de Segunda: Codinome Beija-Flor


Composta em 1985 e lançada no álbum Exagerado, Codinome Beija-Flor é uma das músicas mais bonitas e admiradas do Cazuza. Ao contrário de muitas músicas que o cantor compôs na época em que ainda fazia parte do Barão Vermelho, é uma canção mais contida e filosófica. 


Créditos: Divulgação

Isso tem muito a ver com o momento de sua composição: Cazuza escreveu Codinome Beija-Flor quando estava de cama, internado num hospital. Além da reflexão do artista nas letras, os versos são acompanhados só pelo piano e pelo violino, mostrando um lado do artista muito diferente do garoto rebelde do Barão. Imagina colocar o primeiro álbum solo do Cazuza pra tocar e descobrir essa versão madura do cantor?


História da música Codinome Beija-Flor


Quando Cazuza compôs a música, estava na cama do hospital observando beija-flores pela janela.

Daí vem a metáfora para quando um relacionamento não termina bem: o amor ainda existe e surge aquele sofrimento de ver o outro seguindo em frente (de flor em flor). Pronto: codinome beija-flor. Significado da música Codinome Beija-Flor

Antes da gente falar da letra da música, dá uma olhada nessa linda apresentação:


          


Lindo, né? Então vamos pensar um pouco sobre de onde vem esses versos:


Pra que mentir 
Fingir que perdoou 
Tentar ficar amigos sem rancor 
A emoção acabou


Aqui, o compositor nos dá o contexto: entre mentiras e perdões, notamos que algo está errado nesse relacionamento. Houve mágoa e não adianta tentar viver de aparências, porque resta um sentimento ruim de alguma das partes (ou de ambas).


Que coincidência é o amor 

A nossa música nunca mais tocou

O amor é cheio de coincidências e ironias, né? Se, por um lado, quando nos apaixonamos os sinais parecem estar em todos os lugares (como a música do casal tocando em todo canto), quando o amor acaba, os sinais podem parar junto.
É sobre isso que o artista reflete, usando nossa música como uma referência aos bons momentos que não voltam mais.


Pra que usar de tanta educação 

Pra destilar terceiras intenções


Nesse trecho, o compositor critica a cortesia do pós-término, em que ambos são cordiais mas não existe sinceridade nisso. Para Cazuza, resta um misto de ciúme, raiva e mágoa, com aquela confusão típica de fim de relacionamento.


Desperdiçando o meu mel 
Devagarzinho, flor em flor 
Entre os meus inimigos, Beija-Flor 

Eu protegi o teu nome por amor 
Em um codinome, Beija-Flor 


É nesse ponto que se cria um codinome: pode ser uma metáfora ao momento do relacionamento, mas também uma forma de proteger a pessoa amada de uma exposição. Fica o codinome de um pássaro lindo, mas que também não “pára quieto” em somente uma flor: é um dos animais conhecidos por serem poligâmicos e não-domesticáveis.


Não responda nunca, meu amor, nunca 

Pra qualquer um na rua, Beija-Flor 


Que só eu que podia 

Dentro da tua orelha fria 
Dizer segredos de liquidificador


Aqui, o ciúme fica claro. Como desapegar de um amor e deixar que outras pessoas possam tê-lo, compartilhar segredos e vulnerabilidades? É com esse dilema que Cazuza se depara, tentando lidar com o luto do relacionamento. A gente sempre acaba sendo um pouco narcisista e possessivo nessas horas, né? 


Você sonhava acordada 

Um jeito de não sentir dor 

Prendia o choro e aguava o bom do amor 
Prendia o choro e aguava o bom do amor


Aqui podemos ver que o ressentimento também existia durante o relacionamento. Muita coisa não era dita, as dores não eram manifestadas e a pessoa amada prendia o choro. Com essas palavras, a gente imagina como a relação era sofrida, mas que ainda existia um forte amor entre os dois



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 

6 de janeiro de 2020

Meta de leitura de 2019 (ou não).


Ano passado, a Ju do blog Desaniversários escreveu um post sobre os livros que faziam parte da sua Meta de leitura para 2018... Quero continuar escrevendo sobre as minhas leituras do ano de 2019 nesse formato de TAG.


Título: Luna Clara &Apolo Onze
Autor: Adriana Falcão 
Compre: amazon


Sinopse: O livro conta duas histórias paralelas. De um lado, em Desatino do Norte, está Luna Clara, uma menina de doze anos que mora com a mãe e nunca viu seu pai. Os pais se perderam logo após o casamento e nunca mais se encontraram. Luna passa todos os seus dias esperando na estrada seu pai chegar, trazendo com ele a chuva. De outro lado, em Desatino do Sul, está Apolo Onze, filho de Apolo Dez. A cidade de Apolo Onze está em festa há treze anos, desde o dia do seu nascimento. Todos na cidade se revezam entre o trabalho (afinal não é nada fácil organizar uma festa dessas), o descanso e as brincadeiras da festa. Apolo tem desejos de desejos, nunca descobriu nada no mundo que desejasse, mas quer descobrir. As vidas dessas duas cidades e dessas duas pessoas (Luna Clara e Apolo Onze) vão se cruzar e gerar muitos acontecimentos. Tudo isso, graças às coincidências coloridas.

[Situação]: Eu não lembro exatamente quando eu adiquiri esse livro... Eu lembro que a vontade de lêr esse livro veio por causa de uma indicação de alguém nessa blogosfera louca... O livro trata de histórias de amor, de amizade, de família. Trata de encontros e desencontros, do destino, de escolhas e alegrias. Tudo isso narrado com muita magia e encanto. Mesmo sendo uma leitura voltada para o publico infanto-juvenil,não é um livro de leitura fácil para qualquer público, e requer um pouco de atenção maior ao ‘plot’ para não se perder no meio de tanta confusão. Mas, vale muito a pena a leitura, devo acrescentar. Aliás, o livro traz outro ‘plus’ positivo que é o fato de possuir ilustrações muito legais nos capítulos. Elas são bem simples e até mesmo um pouco vagas, mas dizem tanto sobre aquilo que se está lendo.

Título: O Pequeno Cidadão
Autor: Januária Alves Jimmy Leroy
Compre: amazon


Sinopse: O Pequeno Cidadão nasceu em 2009, num CD gravado por Arnaldo Antunes, Edgard Scandurra, Taciana Barros e Antônio Pinto, quatro pais corujas e seus filhos queridos, só com músicas para crianças. Inspirada pelas letras das músicas, Januária Alves criou o Pequeno Cidadão – um menino muito esperto, inteligente e curioso. Já nasceu com 7 anos e saiu direto de dentro de um CD cheio de músicas divertidas para as páginas deste livro que você vai ler. Acompanhado de seus amigos, o pássaro uirapuru Tangará, o sapo-boi Coach, a boneca Susi, entre outros, ele vai partir do seu Planeta X e viajar por muitos outros planetas, aprendendo que poder escolher o que queremos fazer na vida é “O grande X da questão” .
[Situação]: Depois da ultima leitura empurrada... Eu precisava ler um livro mais leve para não ficar com uma bela ressaca literária no inicio do ano.

Título: Quem é você Alasca?
Autor: Jonh Grenn
Compre: amazon

Sinopse: Miles Halter vivia uma vidinha sem graça e sem muitas emoções (ou amizades) na Flórida. Ele tinha um gosto peculiar: memorizar as últimas palavras de grandes personalidades da história. Uma dessas personalidades, François Rabelais, um escritor do século XV, disse no leito de morte que ia em “busca de um Grande Talvez”

Para não ter que esperar a morte para encontrar seu Grande Talvez, Miles decide fazer as malas e partir. Ele vai para a Escola Culver Creek, um internato no ensolarado Alabama. Lá, ele conhece Alasca Young. Ela tem em seu livro preferido, O general em seu labirinto, de Gabriel García Márquez, a pergunta para a qual busca incessantemente uma resposta: “Como vou sair desse labirinto?” Inteligente, engraçada, louca e incrivelmente sexy, Alasca vai arrastar Miles para seu labirinto e catapultá-lo sem misericórdia na direção do Grande Talvez. Miles se apaixona por Alasca, mesmo sem entendê-la, mesmo tentando sem sucesso decifrar o enigma indecifrável de seus olhos verde-esmeralda.
[Situação]:  Adoro o nosso amado João Verde... E esse é o ultimo livro que li desse autor.


Título: A Guerra Que Me Ensinou a Viver: O amor vence a guerra 
Autor: Kimberly B. Bradley
Compre: amazon

Sinopse:A GUERRA QUE SALVOU A MINHA VIDA ganhou um lugar especial no coração dos leitores brasileiros. A história da pequena Ada ― que, com seu irmão caçula, deixou para trás sua casa em Londres para escapar dos bombardeios da Segunda Guerra Mundial ― arrancou lágrimas, sorrisos e suspiros na mesma medida.Com o coração repleto de esperança e afeto, a DarkSide® Books orgulhosamente apresenta A GUERRA QUE ME ENSINOU A VIVER, a emocionante continuação do livro de Kimberly Brubaker Bradley.Após uma infância de maus-tratos, Ada finalmente recebe o cuidado que merece ao ter seu pé operado. Enquanto tenta se ajustar à sua nova realidade e superar os traumas do passado, ela se muda com Jamie, lady Thorton e Susan ― agora sua guardiã legal ― para um chalé em busca de um recomeço.Com a guerra se intensificando lá fora, as adversidades batem à porta: o racionamento de alimentos é uma preocupante realidade, e os sacrifícios que todos devem fazer em nome do confronto partem corações e deixam cicatrizes. Outra questão é a chegada de Ruth, uma garota judia e alemã, que gera uma comoção no chalé. Seria ela uma espiã disfarçada? Ou uma aliada em meio à calamidade?Mais uma vez, Kimberly Brubaker Bradley conquista com sua narrativa carregada de sensibilidade. Seu registro historicamente preciso revela o conflito armado pela perspectiva de uma criança, além de lançar luz sobre a atual crise de refugiados, a maior desde a guerra de Hitler, que já obrigou milhões de pessoas a deixarem seus lares em busca de paz.

[Situação]: Em 2017, eu li o lançamento do livro A Guerra que Salvou a Minha Vida. Essa história é maravilhosamente marcante! Foi a minha leitura preferida daquele ano. Eu precisava saber o desenrolar da história de Ada.... Traz um pouco de esperança em tempos de guerra.

Título: Discobiografia legionária
Autor: Chris Fuscaldo
Compre: amazon




Quem nunca se pegou cantarolando uma música da Legião Urbana atire a primeira pedra! Com uma multidão de fãs que permanecem fiéis mesmo tantos anos após o término da parceria, a banda liderada por Renato Russo faz parte do imaginário cultural e afetivo do país. Aos vinte anos da morte de seu vocalista, este livro faz um resgate das histórias por trás de canções como Eduardo e Mônica , Pais e Filhos e outros clássicos da Legião Urbana que permanecem vivos por gerações.

Título: Confissões do Crematório - Lições Para Toda a Vida.
Autor: Caitlin Doughty
Compre: amazon


Sinopse: “Uma menina nunca esquece seu primeiro cadáver.” – Caitlin Doughty Um livro para quem planeja morrer um dia. Morrer é a única certeza da vida. Então, por que evitamos tanto falar sobre ela? A morte é inevitável, sentimos muito. Mas pelo menos, como descobriu Caitlin Doughty, ficar a sete palmos do chão ainda é uma opção. ''Confissões do Crematório'' reúne histórias reais do dia a dia de uma casa funerária, inúmeras curiosidades e fatos históricos, mitológicos e filosóficos. Tudo, é claro, com uma boa dose de humor.



[Situação]: O meu pai é aposentado. Mas, ele trabalhou boa parte da vida dele como agente funerário... Tivemos bons, longos e medrosos papos sobre esse assunto.




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 
Estarei comentando com vocês sobre o Blogmas2k19:

5 de janeiro de 2020

LADO MILLA AWARDS:. "Discografia de 2019"



    No  LADO MILLA AWARDS 2019. Escreverei sobre as musicas que eu ouvi de acordo com a minha Playlist de 2019 do Spotify. O que é bastante irônico. Pois, a ironia começa no título desse texto "Discografia de 2019". Ouvir musicas no modo aleatório no Spotify ainda me parece algo muito moderno para uma pessoa da geração 80-90, que colecionavam CDs dos musicos e das bandas preferidas e colocava para tocar no Disckman (lembram?). 

Glee: discografia

    Glee é uma série de televisão criada e produzida por Ryan Murphy, Brad Falchuk e Ian Brennan para a Fox. A série foi exibida em mais de 60 países entre 2009 e 2015, tendo altos índices de audiência desde a sua estreia. 


Uma série de álbuns do Glee produzidos pela Columbia Records estão sendo lançados. O primeiro, Glee: The Volume 1, foi lançado em 3 de novembro de 2009. As músicas do programa estão disponíveis no iTunes imediatamente após cada lançamento nos Estados Unidos (consulte as datas de lançamento na lista de episódios).

A direção da coreografia de Glee é a cargo de Robert Silva, e geralmente tem de cinco a oito números de produção por capítulo. Uma vez liquidados os direitos da música, as músicas são ensaiadas e pré-gravadas pelo elenco. Woodlee constrói os movimentos que o acompanham. Então eles ensinam os atores e continuam gravando. Pode levar várias semanas para preparar um número, dependendo de sua complexidade. O custo de produção de cada episódio é de pelo menos US $ 3 milhões e pode levar até dez dias para obter o resultado que realmente será apresentado na tela.

TEATRO MÁGICO

... Sábado, dia 27 de abril de 2019, Em Florianópolis na capital de Santa Catarina, a temperatura da cidade estava caindo gradativamente, com  uma chuva finininha... A Ilha da Mágia digo, Florianópolis, saturada de falta de cultura e bons shows… Naquela noite, recebeu Fernando Anitelli apresenta: O Teatro Magico – Voz e Violão ...




Fernando Anitelli após 13 anos de estrada com O Teatro Magico e a companhia musical visita suas raízes, seus primeiros passos, dialoga com a atualidade e revela canções inéditas com um show mais intimista aproximando cada vez mais o artista com o seu publico. 

Estou ouvindo a discografia completa do Teatro Mágico desde abril... é um tipo de musica que não sai da minha playlist.

IZA

... Vou reerguer o meu castelo/Ferro e martelo/Reconquistar o que eu perdi/Eu sei que vão tentar me destruir/Mas vou me reconstruir/Voltar mais forte que antes ...



Sem dúvida alguma a cantora IZA foi um dos grandes nomes do pop brasileiro em 2018 e Dona de Mim, seu disco de estreia, veio repleto de grandes hits e participações especiais que acrescentaram bastante a uma artista que tem luz própria. Ivete Sangalo, Marcelo Falcão, Thiaguinho e Rincon Sapiência abrilhantaram um trabalho que deixou claro: IZA será uma das maiores nos próximos anos.

PROJOTA

Vagabundo vai correr, vai brincar/ Vai chover, vai sujar/Deixa o menino jogar, que é Sexta-feira/Pra proteger é que existe a rezadeira/A rezadeira vai rezar (rezadeira) vai rezar(Rezadeira)…



Foco, Força e Fé é o primeiro álbum de estúdio do rapper e compositor brasileiro Projota, lançado em novembro de 2014 pela Universal Music, primeiro lançamento assinado por uma gravadora. O álbum possui 15 faixas, e possui participações de Marcelo D2, Negra Li, Dado Villa-Lobos, J Balvin e Marlos Vinícius.

ROCK DE GALPÃO

Esse é o album preferido da minha familia quando vamos viajar... Eu consegui viciar os meus pais a ouvir rock gaucho de alguma maneira.


o Rock de Galpão – grupo que resgata o cancioneiro gaúcho, criando versões contemporâneas para clássicos da música regionalista – O Rock de Galpão é formado por Tiago Ferraz (voz e guitarra), Rafa Schuler (guitarra e vocais), Guilherme Gul (bateria), Mestre Kó (teclados e vocais), Paulinho Cardoso (acordeon) e Gustavo Viegas (contrabaixo), além do artista convidado Diablo Jr. (percussão e boleadeiras).




4 de janeiro de 2020

Lado Milla Ward´s: Novelas de 2019.


No LADO MILLA AWARDS 2019 de hoje escreverei sobre Novelas de 2019. Nesse ano, usarei a lista cronologica do site Teladramaturgia juntamente com a minha humilde opinião enquanto telespectadora.

Verão 90



Na infância, nos anos 1980, Manuzita (Melissa Nóbrega) era a menina mais amada do Brasil. Quando os irmãos Guerreiro, João (João Bravo) e Jerônimo (Diogo Caruso), se juntaram a ela, a Patotinha Mágica virou sinônimo de sucesso e mania nacional. Porém, os anos de fama e reconhecimento ficaram no passado assim como o término do grupo.

Em 1990, João (Rafael Vitti) é universitário e comanda um programa de rádio para o público jovem. Já Manuzita (Isabelle Drummond), uma aspirante – com pouco talento – a atriz, segue em busca de trabalho e conta com o apoio incondicional da mãe coruja Lidiane (Cláudia Raia), ex-atriz de pornochanchada, espalhafatosa e muito sem noção. Desde a infância, uma grande afinidade une Manu e João, o que sempre incomodou Jerônimo (Jesuíta Barbosa), que alimenta inveja e rivalidade contra o irmão e nunca abandonou o desejo de ser novamente famoso. De caráter duvidoso, Jerônimo luta para reviver os dias de glória. Uma personalidade muito diferente de Janaína (Dira Paes), a mãe dos rapazes, mulher íntegra que criou os filhos com dignidade.

Os caminhos de João, Manu e Jerônimo se cruzam novamente. Com o reencontro do trio, sentimentos que estavam adormecidos voltam à tona. O que vai revelar que os anos de afastamento de Manu e João não foram suficientes para apagar o amor e afinidade entre eles. Porém, a impedir esta união, está Jerônimo, capaz inclusive de incriminar o irmão em um assassinato que ele não cometeu.

[Sintuação]: Sou cria dessa geração 80 e 90 e foi super bacana ver uma  novela retratando essa época... A trama foi algo bastante tranquila e leve para essa faixa de horário. [Sintuação]: 
órfãos da terra


Fugindo da guerra civil na Síria, a família de Elias Faiek (Marco Ricca) – a mulher Missade (Ana Cecília Costa) e os filhos Laila (Julia Dalavia) e o pequeno Khaled (Rodrigo Vidal) – atravessam a fronteira a pé em direção ao Líbano, onde buscam abrigo em um campo de refugiados em Beirute. Sem perspectiva de futuro e lamentando o que deixaram para trás, os Faiek tem planos de comprar passagens para São Paulo, no Brasil, onde mora Ranya Nasser (Eliane Giardini), prima de Missade.

Em Beirute, mora Aziz Abdallah (Herson Capri), sheik árabe radicado no Líbano. Milionário, ele vive com três mulheres: Soraya (Letícia Sabatella), a primeira, mãe de Dalila (Alice Wegmann), e Fairouz (Yasmin Garcez) e Áida (Darília Oliveira), que têm menos importância no harém por terem vindo depois e, assim como Soraya, por nenhuma ter dado ao sheik um filho homem. Na falta de um herdeiro varão, Aziz elege Dalila como a filha preferida. Ele a vê como sucessora de seus negócios.

Na mansão Abdallah também vivem empregados e homens de confiança do sheik, como o afilhado Jamil Zariff (Renato Góes), regatado em um orfanato ainda criança com seu primo Houssein (Bruno Cabrerizo), para ter abrigo e estudos em troca de lealdade e dedicação. Por ser leal, Houssein esconde a paixão que sente por Soraya. Jamil é escolhido para se casar com Dalila, que sempre o desejou em segredo. O rapaz, no entanto, sonha se casar por amor, rechaçando Dalila, cujo rosto jamais viu.

No campo de refugiados, Aziz se encanta por Laila e resolve tomá-la como sua quarta esposa. Ele propõe um acordo financeiro ao pai da moça em troca de sua mão. Mesmo em uma situação difícil, Elias recusa a proposta. Jamil também se encanta por Laila, em outro momento, e é correspondido. Apesar do interesse por Jamil e da negativa do pai à proposta de Aziz, Laila é forçada a casar-se com o sheik para salvar seu irmão Khaled, mortalmente ferido, e parte para a sua mansão.

Soraya se compadece de Laila, já que viveu a mesma situação no passado. Ela anuncia a morte de Khaled, ocorrida logo depois de uma cirurgia de emergência. Sem motivos para seguir adiante no sacrifício de se casar com Aziz, Laila foge da mansão do sheik com a ajuda de Soraya. Inicia-se então a jornada da moça para escapar da perseguição de Aziz. De volta ao campo de refugiados, ela se junta à sua família, que segue para a Grécia para embarcar em um navio rumo ao Brasil.

Ciente da fuga, Aziz encarrega Jamil de trazer Laila de volta. Ao descobrir que a esposa do patrão é a mesma por quem se apaixonou, Jamil aceita a missão a fim de protegê-la e parte para o Brasil para ficar com a amada. Quando descobre que foi traído, Aziz vem pessoalmente a São Paulo resgatar Laila. O sheik, que na Síria havia matado a mulher Soraya ao descobrir que ela o traía com Houssein, acaba morto no Brasil, levando Dalila a jurar vingança contra os Faiek, por julgá-los responsáveis pela morte do pai.

[Sintuação]:  O meu TCC foi um projeto de pesquisa sobre Problemas Psicológicos na Migração com os Haitianos na cidade de Florianópolis/SC.  E desde então fico bastante entusiasmada com esse assunto. E uma novela abordar esse tema em rede nacional é um grande passo para humanidade... que respondiam What? quando eu falava animada sobre esse tema na  minha banca .

a dona do pedaço


Maria da Paz (Juliana Paes) vem de uma família de justiceiros profissionais do interior do Espírito Santo, os Ramirez. Criança, ela ficava na cozinha ao lado de sua avó, com quem aprendeu a fazer bolos. Essa rotina a seduzia mais do que o desejo do pai de vê-la justiceira. Na década de 1990, Maria se apaixonou por Amadeu (Marcos Palmeira), advogado formado em Vitória, porém membro do clã rival nos negócios dos Ramirez, os Matheus. O casal, para viver o romance, sugere um pacto de paz e consegue marcar o casamento. Porém, no altar, Amadeu leva um tiro e, após a tragédia, os Matheus prometem vingança contra os Ramirez.

As primeiras vítimas são Fabiana (Maria Clara Baldon) e Virgínia (Duda Batista), sobrinhas de Maria. Um irmão de Amadeu fica encarregado de dar fim nas meninas, mas só consegue capturar Fabiana e, sem coragem, a deixa em um convento. Virgínia e sua mãe fogem para Vitória e uma nova tragédia acontece: a menina se perde e sua mãe é morta. Jurada de morte, Maria foge para São Paulo e é acolhida na casa de Marlene (Suely Franco), começando uma nova vida. Com o passar do tempo, recebe a notícia da morte de Amadeu, sem saber que a mentira é um acordo entre sua mãe e a mãe dele, que decidem dizer para ambos que os dois estão mortos.

Maria, desempregada e grávida, começa a vender bolos que ela mesma faz. O negócio dá tão certo que, vinte anos depois, Maria tornou-se uma bem-sucedida dona de confeitarias. A filha, Josiane (Agatha Moreira), a despreza, critica seus modos e odeia o próprio nome. Jô – como prefere ser chamada – precisa da mãe para realizar o sonho de se tornar uma digital influencer. Para conquistar a projeção que deseja, articula um plano com Régis (Reynaldo Gianecchini), um playboy de família tradicional. Ela o apresenta para a mãe e arma o casamento entre eles para tomar o dinheiro dela. Maria não imagina que eles querem usurpar o seu patrimônio.

Josiane ainda faz de tudo para se aproximar de Vivi Guedes, uma conhecida digital influencer, sem imaginar que ela é sua prima desaparecida, Virgínia. Já Fabiana, descobre o paradeiro da irmã ao vê-la na TV com um amuleto que pertenceu à sua avó. Invejosa da irmã bem-sucedida, ela muda-se para São Paulo a fim de recuperar a vida que não teve. Vivi está de casamento marcado com o policial Camilo, mas seu coração balança por Chiclete, do clã dos Matheus, que tem a missão de matá-la, mas não consegue efetuar a tarefa porque apaixonou-se por ela.

Também está em São Paulo Amadeu, que, após se recuperar do tiro que levou com a ajuda da fisioterapeuta Gilda (Heloísa Jorge), casou-se com ela certo de que sua Maria morreu. O casal se reencontra e reacende o amor do passado. Porém, Maria está de casamento marcado com Régis, prestes a cair na armadilha arquitetada por ele e sua filha Josiane.

[Sintuação]: Essa foi uma das novelas do Walcyr Carrasco menos atrativas... Apesar da qualidade de produção inquestionável e do elenco repleto de estrelas, A Dona do Pedaço não conseguiu escapar das críticas à história manjada e inverossímil, ao texto tatibitate e aos personagens rasos. Não por acaso nenhuma grande interpretação se viu na novela. Não por culpa do elenco, mas por causa dos personagens sem camadas e do texto repetitivo e didático.

bom sucesso. éramos seis e amor de mãe. Ainda estão no ar... 




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 
Estarei comentando com vocês sobre o Blogmas2k19:

3 de janeiro de 2020

Lado Milla Ward´s: Novelas que começou em 2018 e terminou no inicio de 2019.



No LADO MILLA AWARDS 2019 de hoje escreverei sobre  Novelas que começou em 2018 e terminou no inicio de 2019 que vi nesse ano. Nesse ano, usarei a lista cronologica do site Teladramaturgia juntamente com a minha humilde opinião enquanto telespectadora.

As aventuras de Poliana


Poliana (Sophia Valverde) é uma menina com personalidade livre e espontânea que cresceu em meio à magia do teatro mambembe. Ela é filha de um casal de artistas que passa por constantes dificuldades financeiras ao longo das turnês de seu grupo teatral Vaga-lume. Para não desanimar e encarar os problemas de forma mais leve, os pais Lorenzo e Alice ensinaram uma brincadeira para Poliana sempre jogar nos momentos difíceis: o jogo do contente, que consiste basicamente em conseguir ver o lado bom de tudo, especialmente nas situações mais desagradáveis. De passagem pelo Nordeste, Poliana conhece João (Igor Jansen), um garoto humilde que se encanta pela música da apresentação. Mesmo com a pouca idade, João já é obrigado a abandonar a escola e a ajudar o pai com o trabalho na lavoura e os serviços de casa. Contudo, João desenvolve interesse pela música. Em busca de seus sonhos, o menino decide ir embora do sertão para a cidade grande.

Com a morte prematura dos pais, Poliana é obrigada a morar em São Paulo com uma tia rica, irmã de sua mãe. Ela e João chegam ao mesmo tempo à cidade, porem separadamente. Poliana perceberá que nem todos são bondosos como os seus pais e que o jogo do contente é cada vez mais necessário e difícil de ser executado. Enquanto João, em outro canto, precisará lidar com o perigo vindo das ruas para lutar por seus sonhos. Em meio a essa aventura, Poliana e João se esbarram e o destino parece reuni-los mais uma vez. E é assim que a amizade dos dois recomeça.

Na casa da tia Luísa (Milena Toscano), Poliana é recebida com frieza e desagrado. Amargurada pelo passado, a mulher deixa visível que não gosta da presença da criança e que cuida dela apenas por obrigação. A garota se vê forçada a obedecer inúmeras regras e horários estabelecidos. Luísa mente sobre o resto da família e diz que seu irmão, tio da menina, mora fora do país. Nanci (Rafaela Ferreira) e Antônio (Jitman Vibranovski), empregados da mansão, são quem trazem algum alívio para a solidão de Poliana. Nesse meio tempo, a garota conhece a rabugenta Dona Branca (Lílian Blanc) e sua neta Mirela (Larissa Manoela), avó e prima de Nanci. Na vizinhança, Poliana topa com um homem sério e muito reservado junto com seu cachorro, o misterioso Sr. Pendleton (Dalton Vigh), morador da mansão 242, uma das maiores da redondeza. Ele é alvo de investigações do Clube Magabe, composto apenas por crianças. Sem o conhecimento da tia, Poliana também passa a frequentar a padaria do bairro, administrada por Durval (Marat Descartes). O que ela não faz ideia é que o dono do estabelecimento é também seu tio, o irmão que sua tia Luísa diz estar em Portugal. O padeiro tem duas filhas, Raquel (Isabella Moreira) e Lorena, primas desconhecidas de Poliana.

[Sintuação]: Baseada no famoso livro Pollyanna (publicado em 1913), da escritora norte-americana Eleanor H. Porter, a história já teve várias versões cinematográficas e em desenho animado.No Brasil, o livro teve várias adaptações, na época em que as novelas eram ao vivo e ainda não eram diárias. Foram duas versões na TV Tupi de São Paulo, adaptadas por Tatiana Belincky: em 1954 (12 capítulos) e 1956 (60 capítulos), duas vezes por semana, as duas com Verinha Darcy (irmã do locutor Silvio Luís) como a protagonista. Em 1958, a Tupi exibiu sua versão de Pollyanna Moça. Em 1958-1959, foi a vez da TV Rio fazer sua versão, com Leila Cavalcanti (irmã do ator Cláudio Cavalcanti) como a menina Poliana. Mais uma versão veio pela TV Tupi do Rio de Janeiro, em 1961, com direção de Fábio Sabag.

No final do ano passado, eu comecei a assistir essa novela juvenil com pouco entusiasmo apesar da boa escolha dos atores... Achei o enredo bastante pesado para ser uma novela para crianças e beirando o "infãtilóide" para disfarçar os conteúdos bastante adultos para uma  novela dita com infanto juvenil. E com isso, foi diminuindo a frequência que eu assistia os episódios...

O tempo não para


São Paulo, 1886. A família Sabino Machado, dona de extensas terras e investimentos em telefonia, embarca em um dos mais seguros navios da época, o Albatroz, a caminho da Europa. Dom Sabino (Edson Celulari), um fiel súdito da Monarquia que sonha com um título da nobreza, planeja a viagem para conhecer o estaleiro que comprou na Inglaterra. E também manter longe do falatório da cidade a filha, Marocas (Juliana Paiva), que havia acabado de recusar um casamento no altar. A viagem tem um desvio de rota para uma breve visita à Patagônia. É justamente aí que o Albatroz se choca com um iceberg.

O navio naufraga e, devido à baixa temperatura da água, grande parte dos passageiros acaba congelando. No total, são treze pessoas: a família Sabino Machado, composta por Dom Sabino (Edson Celulari), Dona Agustina (Rosi Campos), Marocas (Juliana Paiva) e as gêmeas Nico (Raphaela Alvitos) e Kiki (Nathalia Rodrigues), os escravos Damásia (Aline Dias), Cairu (Cris Vianna), Cesária (Olívia Araujo), Menelau (David Junior) e Cecílio (Maicon Rodrigues), o guarda-livros Teófilo (Kiko Mascarenhas), a preceptora Miss Celine (Maria Eduarda de Carvalho) e o jovem Bento (Bruno Montaleone), além do cão fox terrier Pirata.

132 anos depois, um imenso bloco de gelo se aproxima da praia do Guarujá, em São Paulo. Samuca (Nicolas Prattes), empresário engajado em causas sociais e dono da holding SamVita e da Fundação Vita, está surfando e é o primeiro a avistar aquele monumento. O filho de Carmem (Christiane Torloni) e noivo de Betina (Cléo Pires) fica intrigado com o bloco, perplexo e fascinado pelo belo rosto de Marocas, emoldurado pelo gelo translúcido. Uma fissura ameaça partir o bloco e Samuca, no ímpeto de salvar Marocas, se agarra ao pedaço de iceberg. Eles são puxados pela corrente e chegam à Ilha Vermelha.

[Sintuação]: A estreia de O Tempo Não Para foi auspiciosa. O grande atrativo da novela eram os personagens do passado – os “congelados” – se deparando com as novidades do século 21 e o choque cultural e moral entre eles e os personagens contemporâneos. No entanto, o receio inicial de que essa trama não teria fôlego para seis meses se concretizou. E muito rápido. A novela logo esgotou o que tinha de mais atraente: as surpresas e reações dos personagens do passado ante os dias de hoje. Uma vez que os “congelados” despertaram, em dois meses já haviam, praticamente, se habituado à modernidade.

Assim, o que O Tempo Não Para tinha de interessante, estimulante – inovador até, com uma trama, se não original, ao menos bem desenhada – logo se esvaiu em um roteiro confuso, em tramas inventadas apenas para “encher linguiça” – como as falsas gravidezes de Agustina e Carmem (Rosi Campos e Christiane Torloni) -, na insistência em focar as tentativas dos vilões de usurparem a empresa do protagonista Samuca (Nicolas Prattes), na troca sem sentido do vilão principal, Emílio (João Baldasserini) por outro idêntico, Lúcio, e em personagens subitamente perdendo função na trama ou desaparecendo. O que se viu nos últimos meses da novela em nada lembrava o seu início promissor. Faltou carpintaria, não só para manter a trama dos congelados interessante e atraente por mais tempo, mas também para administrar personagens e tramas paralelas. 

A Juliana Paiva estava deveras MARAVILHOSA nessa novela com a sua personagem Marocas sigo os trabalhos da Ju desde a Fatinha da malhação Sonhos...

Espelho da vida


Ao pisar pela primeira vez na cidadezinha mineira de Rosa Branca, a atriz Cris Valência (Vitória Strada) sente que já viveu algo e parece estar passando pela mesma situação novamente. O lugar é a cidade natal de seu namorado Alain Dutra (João Vicente de Castro), diretor de cinema e televisão que pretende filmar lá o seu primeiro longa-metragem, no qual Cris será Júlia Castelo, a protagonista. Na pesquisa para interpretar sua personagem, Cris vive uma experiência de viagem no tempo, em que vai se deparar com uma de suas vidas passadas.

Vicente (Reginaldo Faria), o avô doente de Alain, tem um último pedido ao neto: lhe deixa em testamento o dinheiro para financiar o filme desde que ele conte a história de Júlia Castelo, uma jovem que foi vítima de um crime passional em um casarão da cidade no início da década de 1930. Porém, voltar à cidade natal desperta sentimentos complexos em Alain. Anos atrás, quando foi traído por Isabel (Alinne Moraes), sua antiga namorada, e Felipe (Patrick Sampaio), seu primo e melhor amigo, ele jurou que jamais colocaria seus pés lá novamente.

Assim que Cris chega a Rosa Branca ganha, inesperadamente, uma joia que foi de Júlia Castelo. Logo depois, Margot (Irene Ravache), viúva de Vicente, lhe mostra o diário que pertenceu à jovem. Cris fica envolvida pela história e por todos esses sinais. Em uma visita ao casarão em ruínas onde Júlia viveu, Cris volta ao passado na pele da própria Júlia. Com a ajuda de Margot, ela quer desvendar o assassinato que abalou a cidade há quase um século. Tudo indica que Júlia foi morta por seu amado, Danilo (Rafael Cardoso), mas Cris não acredita nessa hipótese.

[Sintuação]: Aquela novelinha "agua com açucar' que eu mais gostei de assistir no horário das 18 horas... Espelho da Vida apresentou uma história de amor e mistério que ultrapassava as barreiras do tempo e do espaço ao se desenrolar em duas épocas distintas concomitantemente. Elizabeth Jhin explicou, na época do lançamento da novela: “As tramas de 2018 e de 1930 se desenrolam ao mesmo tempo devido às ‘viagens no tempo’ que a nossa personagem, Cris Valência, empreende. Assim, o espectador consegue acompanhar a vida dela e de outros personagens na atualidade, e também o que ela descobre e enfrenta em sua outra vida. Cada vez que ela faz a ‘passagem’ pelo portal do espelho, ela nos leva a outra realidade. (…) O espelho tem uma grande importância na história, ele é o portal por onde Cris Valência chega a outras dimensões.”





Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 
Estarei comentando com vocês sobre o Blogmas2k19:

© Lado Milla
Maira Gall