29 de outubro de 2020

Resenha: A Pequena Sereia & O Reino Das Ilusões


A primeira vez que ouvi falar sobre o livro A Pequena Sereia & O Reino Das Ilusões as minhas expectativas eram bem baixas porque em geral essas releituras de contos de fadas não me agradam... Mas, resolvi dar uma chance porque geralmente os livros da linha DarkLove costumam me agradar bastante. 


Titulo: A Pequena Sereia & O Reino Das Ilusões
Autora: Louise O’Neill 
Editora: Darkside Books
N° de páginas 215
Avaliação: ☕☕☕☕☕





A Pequena Sereia & O Reino Das Ilusões é uma releitura da história “A Pequena Sereia” da Disney. Sempre que leio um livro de conto de fadas eu lembro do livro A psicanálise dos contos de fadas que eu já deveria ter adquirido na época da graduação de Psicologia. Para que eu possa entender e até escrever com mais propriedade sobre toda a psiquê por traz dessas histórias... Embora, eu entenda que a literatura nem sempre precise ser didática e nem foi a intenção da autora dar uma aula sobre feminismo. 


“Eu sou o diamante da coroa do meu pai, e ele está determinado a me ostentar como tal. Ele sempre exibe minha beleza por aí e toma qualquer admiração subseqüente como se fosse um direito”

Nas primeiras paginas, o leitor é levado a mergulhar fundo em um oceano narrado pela personagem principal Gaia. Uma sereia prestes a completar 16 anos. muito tagarela e cheia de perguntas como qualquer menina dessa idade. O fascínio de Gaia com os humanos sempre foi comparado com o fascínio de sua mãe que sumiu no mundo sem ninguém saber o seu verdadeiro paradeiro. 

“Eu não sabia que, enquanto eu arrumava meus brinquedos no quarto, meu corpo estava sendo vendido pelo maior lance”

Pela narrativa de Gaia, conhecemos a sua vó Thalassa: Que faz o papel de "mãe" de Gaia e suas irmãs mais novas.. Talia e Cosima Desde que a sua filha sumiu para a superfície... O Rei dos Mares que é um pai bastante rígido e um tanto perverso tanto com as suas filhas quanto para o reino... Oliver é um humano com 21 anos que Gaia se apaixona quando visita a superfície. A Bruxa do Mar e as Russalka que são rejeitadas e não pertecem ao reino. 

“Ninguém nunca se refere ao marido dela como um “anormal” por ter abandonado seus filhos; em vez disso, ficam cochichando que Lorelai deve ter falhado na hora de satisfazê-lo. O ex-marido dela foi reintegrado à sociedade, mas nenhum homem vai querer ficar com Lorelai. Não importa o quão linda ela seja, o peso da reputação manchada de uma sereia dura eternamente”

O livro A Pequena Sereia & O Reino Das Ilusões embora seja uma releitura de conto de fadas é uma leitura para maiores de 18 anos. Pois, são abordados assuntos como: abuso de menor, assédio, mutilação, automutilação, submissão, feminismo e machismo extremo e outros que foram abordados de uma forma um tanto quanto irresponsável. 

“Eu queria que alguém me perguntasse o que eu quero, ao menos uma vez na vida” 

A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões chega para trazer um pouco mais de contos de fadas para a linha DarkLove, da DarkSide® Books. Mas não do jeito que você espera; aqui, a história original de Hans Christian Andersen — e também suas versões coloridas e afáveis em desenhos animados — é reimaginada através de lentes feministas e ambientada em um mundo aquático em que mulheres são silenciadas diariamente — um mundo que não difere tanto assim da sociedade em que vivemos. 


Mostra como, em um reino comandado pelo patriarcado, ter uma voz é arriscado. Mas também como querer usá-la é uma atitude extremamente poderosa e valiosa. Ainda mais em tempos tão sombrios. 

A sociedade patriarcal, é um sistema social em que homens mantêm o poder primário e predominam em funções de liderança política, autoridade moral, privilégio social e controle das propriedades. No domínio da família, o pai (ou figura paterna) mantém a autoridade sobre as mulheres e as crianças. 

Louise O’Neill é jornalista e escritora. Nasceu em 1985 em West Cork, na Irlanda e se mudou para Nova York para trabalhar na revista Elle, vivendo o dia-a-dia do mercado de moda intensamente. Voltou para sua cidade natal em 2011 e focou em sua carreira como escritora. Desde então, publicou quatro livros e recebeu diversos prêmios e nomeações com suas obras ya. Atualmente escreve artigos sobre feminismo, moda e cultura pop para uma variedade de jornais e revistas irlandesas. 

“– É que seu pai tem insistido em me chamar de “bruxa”. Este é simplesmente um termo que os homens são às mulheres que não têm medo deles, às mulheres que se recusam à submissão”

Gaia, é uma Sereia prestes a completar 16 anos... Muito tagarela e cheia de perguntas como qualquer menina dessa idade. Desde o inicio da narrativa compreendemos o fascínio da Pequena com o mundo terreno comparado com o fascínio de sua mãe que sumiu no mundo sem ninguém saber o seu verdadeiro paradeiro... É compreensível as suas escolhas para viver um amor com Oliver mas acho que a narrativa se perde com um romance que não demonstra nenhuma química... Oliver é um humano com 21 anos vivendo o luto de sua namorada que morreu em um naufrágio provocado pelas Salka e demonstra ter uma relação difícil com a sua mãe. Enfim, Oliver é um babaca! e ao decorrer da narrativa Gaia percebe o quanto seu amado é mimado e outras falhas no comportamento do seu amado. 



Deixando de lado a história de sua mãe que foi tratada de uma maneira resumida sendo que esse era o principal motivo de Gaia vir até a superfície. O que faz a narrativa feminista não fazer muito sentido e a partir dai o Plot Twist necessário durante 
a narrativa da história que realmente monstrou os objetivos da personagem desde o inicio e que realmente me surpreendeu.



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 

Nenhum comentário

Postar um comentário

➤ Todos os comentários são moderados.
➤ Comentários rasos e sem sentido não serão aceitos: Nem respondidos e muito menos retribuídos.
➤ Se você NÃO leu o post ou o assunto NÃO te interessa, NÃO COMENTA!
➤ A você que leu o post e vai fazer um comentário pertinente ao assunto, meu muito obrigada.
O mais breve possível passarei em seu blog para retribuir o carinho.

© Lado Milla
Maira Gall