Até a pagina 100...
Mostrando postagens com marcador Até a pagina 100.... Mostrar todas as postagens

23 de setembro de 2020

Até a página 100... : Bom dia, Verônica, Ilana Casoy e Raphael Montes.


Livro:Bom dia, Verônica
Autores:Ilana Casoy e Raphael Montes
Editora: Darkside
Avaliação: ☕☕☕☕

Chegou a hora de abrir a caixa e revelar muito mais que um mistério — uma parceria, um pacto vivo a quatro mãos, um suspense que atormentou leitores e despertou questionamentos. Qual a verdadeira identidade de Andrea Killmore? Por trás de um thriller hipnotizante e surpreendente, duas mentes sombrias, familiares ao perigo e a todos os amantes da literatura dark: Casoy e Montes.



Primeira frase da página: Era o primeiro dia do fim da minha vida. Claro que eu não sabia disso quando abri os olhos pela manhã e vi que estava atrasada. 

Do que se trata o livro? A rotina da escrivã de polícia Verônica Torres era pacata, burocrática e repleta de sonhos interrompidos até aquela manhã. Um abismo se abre diante de seus pés de uma hora para outra quando, na mesma semana, ela presencia um suicídio inesperado e recebe a ligação anônima de uma mulher clamando por sua vida. Verônica sente um verdadeiro calafrio, mas abraça a oportunidade de mostrar suas habilidades investigativas e decide mergulhar sozinha nos dois casos. Um turbilhão de acontecimentos inesperados é desencadeado e a levam a um encontro com lado mais sombrio do coração humano. 


O que está achando até agora? Esse é a minha primeira experiência com a literatura da linha Crime Scene da DarkSide® Books. A idéia inicial, era começar ler o livro Bom dia, Verônica na Leitura Coletiva promovida pela DarkSide® Books. O meu amigo Pedro de MG me emprestou o seu livro. Porém, os correios resolveram entrar em greve... E só consegui receber esse livro no final da Leitura Coletiva. 


A leitura é pura intensidade em cada capitulo ou como dizíamos na L.C: é um "Eita atrás de Eita". Todos os personagens tem uma personalidade um tanto quanto sádicos... O assunto Violência Doméstica ainda é uma ferida aberta em uma sociedade completamente doente. Ler isso de uma forma tão explicita deixa a leitura bastante incômoda. 

O que está achando do protagonista? A protagonista Verônica Torres é escrivã de polícia com a rotina pacata, burocrática e repleta de sonhos interrompidos até aquela manhã. Verônica tem a oportunidade de mostrar suas habilidades investigativas e decide mergulhar sozinha nos dois casos. A Verônica é uma mulher frustrada com o seu atual cargo, o seu chefe deixa bem claro o motivo que mantém ela ali... Embora, ela parece bastante metida e bastante "amadora" nas suas investigações acho ela uma mulher bastante forte. 



Vai continuar lendo? Sim, mesmo saindo da minha zona de conforto literário achei essa história bastante instigante e feliz da vida que terá continuação... 

Melhores quotes até a página 100: 


"Vai por mim: não é fácil ser uma mulher de 38 anos e viver acima do peso. Não bastasse, segunda-feira costuma ser pior, é quando bate a culpa por ter perdido a linha no fim de semana." 

"Depois de alguns anos encostada num cargo de secretária na Polícia Civil do Estado de São Paulo, você começa a aprender as vantagens de ser invisível." 

"— Bom dia, Verônica — disse a moça invisível que me oferece café todo dia. Eu nunca soube o nome dela e tenho certeza de que ela só sabia o meu por causa da placa na mesa. "

"No Brasil, ninguém checa nada. A mulher se suicidou. Logo, caso encerrado." 

"O Waze era a salvação da minha vida. Nasci uma pessoa sem bússola; sou capaz de me perder dando a volta no quarteirão. Aquele aplicativo me levava direitinho ao destino, sem estresse. "

"Costumo dizer que o lugar que a gente mora nos identifica tanto quanto nossa impressão digital. A casa de Marta refletia bem aquela mulher trêmula e chorosa que havia se suicidado diante de mim no início do dia: estava uma bagunça; parecia minha bolsa, só que pior." 

"Peguei um copo d água na geladeira e aproveitei para dar uma conferida lá dentro. Muitas garrafas de Coca-Cola, pouca comida, um cheiro horrível de coisa estragada numa quentinha do restaurante Trattoria do Sargento, restinho de restinho dentro de potes grandes, sem qualquer organização." 

"Brandão tem esse talento: tudo em que ele encosta apodrece. Janete mal pode ouvir os primeiros acordes que sente náuseas, tem vontade de chorar. Faz as contas de quantos minutos ainda faltam para o plantão do marido. Poucos, faltam poucos. Logo, a noite será só dela. Mas Janete precisa ser forte." 

"— Tá na hora de arranjar uma nova empregada, hein, passarinha?
 Ela congela. Tem medo até de respirar. Volta a escuridão, voltam os gritos. As lágrimas escorrem pelo rosto contra sua vontade." 

Última frase da página: As trocas de mensagem avançavam em ritmo distinto.



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 
FanPage |Instagram | Bloglovi
© Lado Milla
Maira Gall