Cançãodesegunda
Mostrando postagens com marcador Cançãodesegunda. Mostrar todas as postagens

26 de janeiro de 2019

Aquele que ouvi as músicas da Legião Urbana.


Desde o inicio desse blog, quando eu resolvi "ressuscitar" O canção de segunda... que existia no meu blog antigo que falo sobre as bandas e musicas que eu escutei/ conheci aquela semana ou os "Diário de Chalaça" para escrever sobre os shows que vou com uma certa frequência... Eu ficava com um pouco de receio de escrever sobre a banda Legião Urbana. 


Essa senhorita que vos escreve, nasceu em 1986 e quando a banda encerrou as suas atividades após a morte de Renato Russo em 1996 eu tinha exatamente 10 anos. Eu conheci as musicas da banda Legião ainda na minha adolescência. Desde então, as musicas da banda fazem parte da Playlist da minha vida.

Ainda na época da adolescência, sempre tinha uns tios chatos que me viam com a camisa da Legião Urbana e ficavam enchendo "Se você é mesmo Legionária* quero que você cante a musica Faroeste Cabloco inteirinha sem errar... ". Tinha também as coleguinhas que achavam que você era o Google para saber exatamente TUDO sobre a sua banda favorita. Essas "coleguinhas" evoluíram Se você é tão fã assim, quantos shows você já foi da banda?". Adolescentes....

Consegui manter o meu lado Legionária intocável depois que ouvi um conselho de um colega: Quando você é fã de verdade não vai existir ninguém que saiba mais que você; Por isso eu não gosto de conversar sobre a minha banda favorita

Quando eu li uma matéria do Metrópoles sobre 10 curiosidades sobre o disco As Quatro Estações. Eu percebi que, eu nunca tinha escrito sobre a Legião Urbana aqui no blog metade foi receio de escrever "mais do mesmo" e outro motivo que hoje eu vejo que é um pouco emcabivel é que achem que sou a uma enciclopédia ambulante quando se trata de Legião Urbana (Hoje, tem internet gente!)


Nesse ano de doismilenove o albúm completa 30 anos. O ano de 1989 foi de libertação para Renato Russo. Há, ele se livrava de amarras sexuais e se entendia como livre para assumir os seus desejos. É um tempo de “morte” para a Legião Urbana. O protesto mais seco cede lugar às reflexões existenciais e metafóricas. As Quatro Estações, o disco mais vendido do grupo, o que o lançou o grupo ao topo da popularidade. Uma obra-prima.

O disco fala de amor em sua essência, do carnal até a mais sublime. Lançado em outubro, o álbum fez nação cantarolar os versos pulsantes de Pais e Filhos, entoando em coro refrões poéticos. Havia uma maturação explícita no trabalho da banda, agora firmada no trio Renato Russo, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá.

10 curiosidades de As Quatro Estações:


1. Quatro Estações marca a quebra da Legião com o território Brasília, sua geografia e esfera de poder. Renato Russo está agora mergulhando no universo holístico e existencial.

2. Legião Urbana entrou em estúdio depois da desgastante turnê de Que País É Este? Havia ainda a recente saída do baixista Renato Rocha por desentendimentos com o grupo. No ar, a urgência de reconciliação. A partir da turnê, Fred Nascimento (guitarra rítmica e violão), Bruno Araújo (baixo elétrico) e o produtor musical Mu Carvalho (teclados) entraram como instrumentistas de apoio.

3. Pais e Filhos é uma canção de dor. Renato Russo não gostava que fosse interpretada em tom festivo, sobretudo, no refrão. Fala do suicídio da garota que se jogou da janela do quinto andar e dos desencontros entre as gerações. Renato dizia que não conseguia ouvir duas vezes e a comparava a Índios.

4. A canção Feedback Song for a Dying Friend foi feita em homenagem a Cazuza, que tinha anunciado ser portador do vírus HIV. Renato viria a saber, meses depois, que também tinha a doença. Renato chegou a fazer a letra em português antes de compor em inglês. Chamava-se Rapazes Católicos. Dessa versão rejeitada, só sobrou a base instrumental.

5. Millôr Fernandes traduziu para o português a letra de Feedback Song for a Dying Friend. A composição foi feita em inglês por Renato Russo e impressionou Millôr por um jogo shakespeariano. A tradução veio impressa no encarte do álbum.

6. Monte Castelo é uma canção espiritual, inspirada nos poemas I Coríntios 13 e Soneto 11, de Luis de Camões. A canção foi bem-recebida em Portugal, país que acolheu a turnê do álbum de casa cheia.

"Às vezes essas músicas refletem um momento da minha vida que eu não gosto de lembrar mais"Renato Russo

7. A canção Meninos e Meninas era o grito de liberdade de Renato Russo e de toda uma geração abafada pelo preconceito. 
“Quero me encontrar, mas não sei onde estou / Vem comigo procurar algum lugar mais calmo / Longe dessa confusão e dessa gente que não se respeita / Tenho quase certeza que eu não sou daqui. 
A música indica o que virá com o álbum de tributo gay Stonewall elebration Concert, de 1994.

8. No tema 1965 (Duas Tribos), Renato Russo se enche de referências para fazer uma das suas melhores canções de protesto. 

“Mataram um menino / Tinha arma de verdade / Tinha arma nenhuma / Tinha arma de brinquedo”. 
Renato usa referências da infância como as miniaturas de aviões do fabricante Revell, o tão sonhado autorama, o universo lúdico e violento de Hanna-Barbera e o jogo “pera, uva e maçã”. 

9. A música das músicas mais lindas do disco tem um título gigante. São 34 letras para Quando o Sol Bater na Janela do Seu Quarto para a canção dona de uma das estrofes mais lindas da MPB: 

“Tudo é dor / E toda dor vem do desejo / De não sentirmos dor”. 
10. Na contracapa do disco, há uma enigmática frase de Renato Russo: “Alguns erros são de propósito, outros não”, num texto cheio de referências a líderes religiosos. A frase é chave para entender essa obra-prima, que nasce de algumas dores e muitas alegrias.



    



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei comentando com vocês sobre o Blogmas2k18:

3 de abril de 2018

Canção de Segunda: 'O Bêbado e a Equilibrista'



Um dos maiores clássicos da parceria João Bosco & Aldir Blanc é “O Bêbado e a Equilibrista”. Mais do que um clássico, essa música foi um hino. Um hino do Brasil na época da ditadura e da anistia. “Com ela, a música popular soube encarnar como absoluta perfeição o momento histórico”, já disse Geraldo Carneiro. “Em uma certa hora aquela música cai na mão da Elis Regina e ela se apaixona. Quando ela grava está completamente possuída por aquela música, já não nos pertence”, já disse João Bosco. E no palco do Theatro Municipal, é o próprio João Bosco quem cantará.

Lançada em 1978, a música tem forte teor político. Mas surgiu, na verdade, como um desejo de João Bosco homenagear Charles Chaplin. Chaplin tinha morrido no Natal de 1977. “Estava em Minas, naquelas festividades de Natal e Ano Novo, e as pessoas entrando já no clima carnavalesco. Comecei a querer fazer no violão algo que ligasse o Chaplin àquele momento musical brasileiro, carnavalesco”, disse João numa entrevista. “Todos sentiram muito porque ele divertiu muito e de maneira incomum. Tratando os temas eminentemente humanos e se posicionando dentro desses temas a favor dos miseráveis, do vagabundo. Mas com uma alegria, algo invejável, e no final dos filmes havia sempre um horizonte onde você podia chegar a pensar em um dia viver em um mundo diferente. Não tão desfavorecido como este”, explicou. “Mas ele fazia de uma maneira muito bonita. Eu ligava muito o Chaplin ao sorriso, tem uma música que ele compôs, Smile, que eu acho belíssima, ele também tinha uma inspiração musical. Comecei a querer fazer no violão algo que ligasse o Chaplin àquele momento musical brasileiro, carnavalesco, desenvolvendo uma linha a partir do sorriso dele, a partir de Smile. Se você pegar a linha de “O Bêbado e a Equilibrista” vai dar no Smile”.

A letra é cheia de referências, a começar ao próprio Charles Chaplin. "Caía a tarde feito um viaduto.. E um bêbado trajando luto me lembrou Carlitos...", diz a letra. O viaduto, no caso, era o Paulo de Frontin, no Rio de Janeiro, que desabou em 1971 deixando 29 mortos. O momento político do Brasil é lembrado várias vezes, em metáforas ou em menções como “Choram Marias e Clarisses” . As Marias e Clarices eram as viúvas dos presos políticos, representadas na letra pela Maria, mulher de Manuel Fiel Filho, e pela Clarisse, de Vladimir Herzog: os dois morreram nos porões do DOI-CODI. 

É um “Brasil que sonha... com a volta do irmão do Henfil”, o sociólogo Herbert de Souza - Betinho – que estava exilado. "O que é bacana nessa música é que ela não nasceu ligada ao tema", disse Aldir Blanc. "Casualmente, encontrei o Henfil e o Chico Mário, que só falavam do mano que estava no exílio. O papo com o Chico e o Henfil me deu um estalo. Cheguei em casa, liguei para o João e sugeri que criássemos um personagem chapliniano, que, no fundo, deplorasse a condição dos exilados"

A canção foi um sucesso arrebatador. "A música foi cantada pela primeira vez, pela Elis, num programa em São Paulo. No dia seguinte, estava estourando em todo o Brasil e ainda nem tinha sido gravada", disse Aldir.

'O Bêbado e a Equilibrista' também revela as relações de amizade de João e Aldir - que, próximos de Henfil, se aproximaram mais de Elis. “Meu primeiro disco gravado, que eu dividi um lado com o Tom Jobim, foi uma idéia do Pasquim, com produção do Sérgio Ricardo. Então, como o Aldir também colaborava com o jornal, nós freqüentávamos a redação e era comum estarmos com Henfil, Sérgio Cabral, Ziraldo, Millôr... Depois, estreitei mais ainda as relações com o Henfil em função da aproximação dele com a Elis Regina, que era uma grande intérprete das nossas canções. E isso tudo gerou “O Bêbado e a Equilibrista”. É uma canção que celebra toda essa amizade: a minha, do Aldir, da Elis e do Henfil, com o Brasil", conclui Bosco.



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):


31 de julho de 2017

Chico Buarque lança 'Tua cantiga', primeira música de seu novo disco





Chico Buarque divulgou nesta sexta-feira, 28, a música Tua cantiga, uma das faixas de seu novo disco de estúdio, Caravanas, que tem previsão de lançamento para a segunda quinzena de agosto. 

O single está disponível em todas as plataformas digitais e ganhou também um videoclipe. A letra é assinada por Chico e a melodia é do pianista Cristóvão Bastos, com quem Chico já costuma trabalhar.

Caravanas é o 23º álbum solo de Chico Buarque e o primeiro após seis anos do lançamento de Chico1. O álbum contará com sete músicas inéditas e duas regravações de composições escritas por Chico, porém nunca registradas em sua voz.

Característica dos trabalhos de Chico Buarque, o álbum está rodeado de mistérios e, até onde se sabe, apenas os nomes de duas faixas foram divulgadas, As caravanas e Tua cantiga. O disco tem direção musical do violonista Luiz Cláudio Ramos e a banda que gravou o CD é composta pelo pianista João Rebouças, o baixista Jorge Helder e o baterista Jurim Moreira. 

Abaixo, confira o clipe oficial Tua cantiga:





Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

    10 de julho de 2017

    Canção de Segunda: La bicicleta - Shakira


    "La bicicleta" é uma canção dos cantores colombianos Carlos Vives e Shakira que estará presente no próximo álbum de estúdio de Vives, intitulado Vives. A canção foi escrita por ambos os cantores e produzida por Andrés Castro e marca a primeira colaboração de Shakira com um colega colombiano. "La bicicleta" destina-se a representar os estilos musicais da porção caribenha da Colômbia. É uma canção com uma mistura de vários elementos musicais — vallenato, pop e cumbia, apresenta instrumentos de sopro indígenas e acordeões. Liricamente, é uma canção nostálgica, descrevendo o passeio do duo com uma bicicleta em lugares de sua infância.

    A crítica especializada avaliou a canção positivamente, elogiando-a por sua melodia cativante e a inclusão de vários elementos da música colombiana. Após a sua divulgação, o single conseguiu atingir o top 10 em inúmeras paradas latinas da Billboard, incluindo o número dois nas Hot Latin Songs e um no Latin Pop Airplay. Um videoclipe para "La bicicleta" foi filmado em 19 de maio de 2016em Barranquilla e Santa Marta sob a direção de Jaume de Laiguana. O clipe estreou em 8 de julho de 2016 e apresenta Shakira e Vives andando de bicicleta ao longo da costa caribenha da Colômbia, visitando suas cidades natal e em contato com os moradores locais. Após a sua divulgação o videoclipe recebido de forma positiva pelos críticos devido à sua natureza lúdica e representação precisa da cultura colombiana. A canção ganhou dois prêmios Grammy no 17º Latin Grammy Awardsnas categorias de Canção do Ano e Gravação do Ano.
        


    A Bicicleta
    Não vou fazer nada
    Remexendo nas feridas do passado
    Não vou perder
    Não quero ser um cara do outro lado


    O seu jeito descomplicado
    em uma bici que me leva a todos os lados
    Um vallenato desesperado
    Eu guardo uma cartinha aonde eu escrevi
    Que sonho com você e que te amo tanto
    É que faz tempo que meu coração
    Está batendo por você
    Eu a guardo aonde eu escrevi
    Que sonho com você e que te amo tanto
    É que faz tempo que meu coração
    Está batendo por você


    Eu posso ser feliz
    Andando relaxada entre as pessoas
    Eu te quero assim
    E gosto de você porque é diferente


    Do meu jeito, descabelado
    Em uma bicicleta que leva você a todos os lugares
    Um vallenato desesperado


    Eu guardo uma cartinha aonde eu escrevi
    Que sonho com você e que te amo tanto
    É que faz tempo que meu coração
    Está batendo por você
    Eu a guardo aonde eu escrevi
    Que sonho com você e que te amo tanto
    É que faz tempo que meu coração
    Está batendo por você


    Ela é a favorita, cantando na área
    Ela mexe o quadril como um navio sobre as ondas
    Fica com os pés descalços, como uma criança adora
    E seu cabelo é longo é um sol que te deseja
    Ela gosta de ser chamada de menina
    Ela gosta que a olhem quando dança sozinha
    Ela gosta mais de casa, quando as horas não passam
    Ela gosta de Barranquilla, gosta de Barcelona


    Leva, me leva na sua bicicleta
    Me ouça, Carlos, me leve na sua bicicleta
    Eu quero que a gente caminhe juntos nessa área
    De Santa Marta a La Arenosa
    Leva, me leva na sua bicicleta
    Pra jogarmos bola, tampa usando chinelos
    Talvez algum dia vou mostrar ao Pique o Tayrona
    Depois ele não vai querer voltar à Barcelona


    a minha maneira, descomplicado
    Em uma bicicleta que leva você a todos os lugares
    Um vallenato desesperado
    Eu guardo uma cartinha aonde eu escrevi
    Que sonho com você e que te amo tanto
    É que faz tempo que meu coração
    Está batendo por você
    Eu a guardo aonde eu escrevi
    Que sonho com você e que te amo tanto
    É que faz tempo que meu coração
    Está batendo por você


    Leva, me leva na sua bicicleta
    Me ouça, Carlos, me leve na sua bicicleta
    Talvez algum dia vou mostrar ao Pique o Tayrona
    Depois ele não vai querer voltar à BarcelonaLeva, me leva na sua bicicleta
    Me ouça, Carlos, me leve na sua bicicleta
    Assim você mostra ao Pique o Tayrona
    Depois ele não vai querer voltar à Barcelona




    Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
    Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

    12 de junho de 2017

    Playlist: ALGUÉM PRA GOSTAR DE MIM

    A banda Acústicos e Valvulados montou uma playlist bem romântica no Spotify  ALGUÉM PRA GOSTAR DE MIM, para ir entrando no clima do Dia dos Namorados.






    5 de junho de 2017

    Canção de Segunda:Anavitória


    Anavitória é um duo musical brasileiro formado por Ana Clara Caetano (cabelo preto liso) e pela Vitória Falcão (cabelo cacheado castanho). Originárias de Araguaína, Tocantins, as duas lançaram seu primeiro EP em 2015, homônimo ao duo. Depois de uma campanha de crowdfunding no Catarse, que arrecadou mais de 60 mil reais, a dupla começou a gravar o seu álbum de estréia, que foi lançado em 18 de agosto de 2016 sob a produção de Tiago Iorc, e intitulado também

    Confira 5 músicas de Anavitória para se apaixonar de vez por elas:

    ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
    Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

    © Lado Milla
    Maira Gall