Filme
Mostrando postagens com marcador Filme. Mostrar todas as postagens

13 de abril de 2018

Filme: Elis Regina


Ficha técnica:

Direção: Hugo Prata
Roteiro: Luiz Bolognesi, Vera Egito, Hugo Prata
Elenco:  Andréia Horta, Lúcio Mauro Filho, Gustavo Machado, Ícaro Silva, Caco Ciocler, Julio Andrade
Nacionalidade e lançamento: Brasil, 24 de novembro de 2016.


Sinopse: cinebiografia de uma das maiores artistas brasileiras de todos os tempos, a gaúcha Elis Regina Carvalho Costa. Acompanhando desde o começo do sucesso da cantora até o precoce falecimento.A voz de Elis Regina acompanha gerações. O sucesso da “pimentinha” nos anos 60/70 repercute até hoje. Não raro vemos especialistas a colocarem como a maior cantora nacional. O longa Elis se propõe a nos conduzir por quase duas décadas da vida da artista, entre 1964 e 1981. Vemos o início da carreira, a participação no festival da TV Excelsior, o sucesso internacional, a questão com a ditadura, além dos dois casamentos e filhos.


Abrir o filme com “Como Nossos Pais” foi um grande acerto. Pega em cheio os fãs e já marca a potência vocal e emocional da personagem. No inicio do filme vimos a sutileza e vigor que Elis merecia. No meio de uma narrativa atropelada e com algumas opções bem questionáveis.

O pai de Elis é apresentado exclusivamente como uma figura que só pensa em dinheiro... ou a falta do mesmo. Toda cena que ele aparece há esse viés. Independente de isso refletir ou não a personalidade de Romeu Costa, tal elemento fica redundante e maniqueísta. A figura paterna some ao longo do filme e a materna nem aparece... Basicamente foi: “temos que mostrar o pai, vamos jogar aqui no começo de qualquer jeito”. Problema, aliás, presente durante toda a expressão cinematográfica.

Desde que eu soube que a Andréia Horta iria interpretar a Elis... eu fiquei apreensiva não por causa de sua atuação, mas por não conseguir ver semelhança com a cantora... Usando com constância o indefectível sorriso de Elis, traço que de fato não poderia ficar de fora. Contudo a atriz se apóia nesse maneirismo por mais vezes que o necessário. Ficando um personagem caricato Apesar dela emular de forma eficaz a movimentação da cantora, a interpretação fica cansativa e pode até afastar o público.

Todavia, o que é mais problemático, A opção de usar a voz da Elis nas apresentações musicais. Eu esperava uma interpretação da atriz principalmente nas musicas. A voz não combinava e mesmo a dublagem estando síncrona, havia um certo descompasso incômodo. 


O filme Elis é daqueles casos que a personagem é mais interessante que o filme. O final é o ápice da mão pesada do diretor. Não ficou claro o real motivo da sua morte "O fato foi que ela consumiu uma quantidade de cocaína com Cinzano. A bebida potencializou o efeito da droga, ela teve uma parada cardíaca e morreu.". Só mostrou o abuso de bebida alcoólica. Na tentativa de dar mais emoção, ele usa de um dos recurso piegas. Elis não é um desastre cinematográfico (quase consegue tal feito), mas se boicota a todo instante e considerando o material que tinha em mãos poderia entregar muito mais.



1. COMO NOSSOS PAIS

2. MENINO DAS LARANJAS

3. ARRASTAO (GRAVAÇAO ESTUDIO)

4. UPA NEGUINHO

5. CINEMA OLYMPIA

6. ATRAS DA PORTA

7. MADALENA

8. CABARE

9. FASCINAÇAO

10. O BEBADO E A EQUILIBRISTA

11. AOS NOSSOS FILHOS

12. VELHA ROUPA COLORIDA

13. A NOITE DO MEU BEM

14. DEUS LHE PAGUE

15. O PATO (LENIE DALE &; SAMBALANÇO TRIO)

16. BORANDA (NARA LEAO)

17. O SOL NASCERA (A SORRIR) (CARTOLA)

18. IN AND OUT OF LOVE (DIANA ROSS & SUPREMES)

19. SAMBLUES

20. COMEÇO





Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 

9 de março de 2018

Filme: A menina Indigo


As crianças índigo são creditadas como especiais por alguns adeptos da parapsicologia. De acordo com os seguidores dessa crença, os pequenos dessa espécie foram enviados ao mundo com o objetivo de construir uma nova era da humanidade por possuírem habilidades especiais, como maior sensibilidade, profundo desenvolvimento de questões éticas e morais, habilidades sociais e capacidade de cura de doenças. O cineasta Wagner de Assis – responsável por uma das maiores bilheterias do cinema brasileiro ao dirigir Nosso Lar (2010) – traz para as telas a mística história de uma pequena menina com supostas aptidões incríveis em película estrelada por Murilo Rosa, Fernanda Machado e Letícia Braga.


Sofia (Letícia Braga) é uma menina de sete anos com problemas no cotidiano escolar. Ela possui grande capacidade de aprendizado e uma incrível aptidão para as artes – especialmente a pintura –, mas não manifesta nenhum interesse pelas matérias ensinadas e encontra ainda menos estímulo para continuar a frequentar o modelo atual de ensino. 


Ela é filha de Ricardo (Murilo Rosa) e Luciana (Fernanda Machado), um casal divorciado e com um relacionamento complicado. Logo de início, o filme evidencia os dois problemas após uma crise no colégio onde a guria estuda. A pequena se tranca em uma sala de aula e pede a presença dos responsáveis para abrir a porta enquanto espalha litros de tinta pelo chão e pelas paredes. Após mais uma discussão entre os pais, ela pede para ir morar na casa do jornalista.


A convivência mais próxima com Ricardo traz à tona uma característica supostamente divina da menina, apesar de um toque de inconveniência. Com um simples toque nas pessoas, ela é capaz de curar algumas doenças. A descoberta do dom espiritual surge inicialmente em tom de brincadeira infantil ao cuidar das contusões de amigas de balé, mas a jovem começa a tratar enfermidades mais graves de seus conhecidos. Sua arte também evolui continuamente conforme ela começa a ganhar ainda mais espaço nas paredes e telas levadas pelo jornalista. Com o passar do tempo, os pais começam a perceber de forma mais clara a aptidão mística da criança e a entender, que mesmo ainda cedo na infância, a jovem Sofia será capaz de ensinar lições fundamentais para o mundo emanando a cor azul índigo.


A MENINA INDIGO : Filme Nacional 2017-Completo em HD https://www.youtube.com/watch?v=EJWKdDRm2P4




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

22 de agosto de 2017

T de TAG: Filmes x séries


Hoje é Terça- Feira.E nas terças, teremos o T de TAG que consiste em colocar aqui, as tag´s na qual eu fui tagueada(ou não).



Hoje vim responder a TAG Filmes x Séries criada pela Júlia. Essa TAG consiste em responder perguntas sobre o tema. Vamos lá:


1 - Se esse fosse o último dia pra ver uma série ou filme,qual você escolheria?

No momento atual:  A série How Met Your Mother, estou viciada nela, comecei ver a 8°temporada e ultima essa semana.

2 - Se você tivesse que escolher um personagem para lutar em um apocalipse zumbi qual você escolheria? Ele é de um filme ou série?

Como não assisto nada relacionado a zumbi, vou escolher um de uma série que eu assisto. Portanto,  A  Spencer Hastings do seriado Pretty Little Liars. Ela é a mais inteligente do grupo das Liars seria divertido ver ela lutando e correndo em meio a um apocalipse zumbi.


3 - Sua vida se resume mais em um filme ou uma série?


Tenho assistido bem mais séries. Portanto, uma série.


4 - Qual seu filme favorito?

Intouchables (Amigos Improváveis (título em Portugal) ou Intocáveis (título no Brasil)) é um filme francês biográfico e de comédia dramática, escrito e realizado por Olivier Nakache e Éric Toledano, com François Cluzet e Omar Sy nos principais papéis. O filme aborda a relação de um multimilionário tetraplégico e do seu peculiar auxiliar de enfermagem, baseado no livro autobiográfico de Philippe Pozzo di Borgo, Le Second souffle O filme assim como o livro são baseados em fatos reais. Foi o filme mais visto na França em 2011, assistam. Segue o trailer:



5 - Qual sua série favorita?

Gilmore Girls (Gilmore Girls: Tal Mãe, Tal Filha como conhecida em português) é uma série do canal americano CW que ganhou popularidade mundial no começo dos anos 2000. Criada por Amy Sherman-Palladino e estrelada por Lauren Graham e Alexis Bledel, A série conta a história do cotidiano da mãe solteira Lorelai Victoria Gilmore (Lauren Graham) e sua filha Lorelai "Rory" Leigh Gilmore (Alexis Bledel) que vivem no pequeno povoado fictício de Stars Hollow, em Connecticut, pequena cidade com personagens bem peculiares e localizada cerca de trinta minutos de Hartford. A série explora diversos assuntos como família, amizades, conflitos geracionais e classes sociais.


 6 - Uma série que quer muito ver?

Estou curiosa por Atypical é uma série norte-americana de comédia dramática original Netflix, conta a trama de um garoto portador de autismo. Tendo apenas uma temporada, com oito episódios.Tenho visto várias pessoas elogiando.

7 - Um filme que quer muito ver?

 O filme Extraordinário; Auggie Pullman (Jacob Tremblay) é um garoto que nasceu com uma deformação facial. Pela primeira vez, ele irá frequentar uma escola regular, como qualquer outra criança. No quinto ano, ele irá precisar se esforçar para conseguir se encaixar em sua nova realidade.

8 - Uma série e um filme que você assistia ou assistiu mais de uma vez?

Os intocaveis eu amo esse filme! Eu ja assisti mais de 1000 vezes e assistiria outras 1000.

9 - Indica alguma série ou filme?

Não sei...


Gostaram das minhas respostas? Concordam ou discordam de alguma coisa que eu disse? Deixe ai nos comentários, mas sejam bonzinhos, porque essa é só a minha opinião pra vocês me conhecerem melhor. Não vou indicar ninguém pra tag, mas quem quiser sinta-se à vontade para responder também.





ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

24 de junho de 2017

Filme:A Menina do Chalé – ( Chalet Girl)




Kim, uma jovem de 19 anos, costumava ser campeã de skate, mas agora está presa em um emprego que odeia para ajudar seu pai, após a trágica morte da sua mãe. Porém, uma oportunidade surge, e ela é enviada para trabalhar em um chalé, na Áustria, onde encontra uma chance de ganhar dinheiro com o prêmio de uma competição de snowboarding.

Depois que eu terminei a maratona de Gossip Girl eu gosto de ver os filmes que os atores da série participaram. O que me fez assistir A garota do Chalé foi o ator Ed Westwick (Chuck Bass - gossip girl) que faz um personagem muito querido diferente da série e por estar disponível no Netflix.


O filme A garota do chalé é uma comédia romântica bastante clichê. Seria um filme ideal para a "sessão da tarde" um filme despretensioso de passar alguma mensagem para o grande publico. Um filme ideal, para ficar debaixo das cobertas comendo pipoca.

O enredo do filme já é contado "nos créditos iniciais" que faz o telespectador ficar um pouco confuso com a história que esta sendo contada. A trama começa com a A Kim (Felicity Jones – A Teoria de Tudo) trabalhando em uma lanchonete uma ex- campeã de skate que perder a mãe se sente culpada e desiste de tudo,ajuda seu pai, mas o dinheiro que ganha na lanchonete é pouco.

Então, Kim é contratada para trabalhar em um local para ricos. Ganhando muito dinheiro. No começo, kim sente diferente e é tratada diferente de todos. Mas, logo começa a agir da mesma forma que as outras pessoas. Quando começa a aprender snowboard não fica especificado o ataque de pânico que tem toda vez que está nas alturas e nem o porquê


Apesar de ser uma comédia romântica bastante clichê. Eu Enquanto telespectadora  senti que as tramas ficaram um tanto "jogadas" o trauma da Kim podia ser mais explorado trabalhado com mais calma. O final é clichê como em toda comédia romântica.


A Kim (Felicity Jones – A Teoria de Tudo) foi muito irritante. Ela julgava todo mundo com o olhar. Depois se deixou levar por aquele modo de vida. Já não mandava dinheiro para casa. Mesmo que pensasse diariamente em seu pai. Dava para perceber que estava se envolvendo completamente naquele mundo. Um na qual ela desde o começo afirmava não fazer parte. Desde a entrevista já sabia que não pertencia aquele local. A atriz é muito fraca para ser a personagem principal, ela não conseguia passar alguma emoção. Principalmente quando falava sobre a sua mãe. Ou quando pensava nela. Mas, não conseguiu me tocar. Não conseguia ficar triste pela a sua perda nem nada no estilo. 


O Jonny (Ed Westwick – Gossip Girl) aparece em poucas cenas do filme infelizmente. Como aquele príncipe encantado que irá salvar a princesa. O único problema é que está noivo de outra menina. Aquele personagem bem clichê. O Ed tentou mostrar o personagem como alguém legal, ele combina perfeitamente no papel de menino rico. Pela atriz ser muito fraca, o casal não teve química e o romance dos dois não me convenceu. Sei que outros filmes abordam o mesmo estilo de temática. Ainda assim conseguem tornar tudo mais aceitável. Enquanto, nesse caso não convenceu nenhum pouco. 

Não foi somente o romance dos dois que não me convenceu. Os demais também não faziam sentido: O do Jonny com sua noiva era muito seco. Não parecia ter química entre eles. Tinha tudo para ser muito fofo, mas não foi adiante; o dos pais do Jonny também parecia muito estranho e o romance da “amiga” da Kim também foi mal trabalhado. Um dia resolveu que realmente amava o homem e correu atrás dele... 

Por fim, os secundários que eram irritantes demais. O único que se salvava no meio deles era o competidor que ajudava a Kim. Ele era engraçado demais. Ele tentando competir foi bem divertido. Ele trazia uma leveza ao filme. Sem contar que foi essencial para ajudar Kim a superar os seus medos. Em alguns momentos eu acabava torcendo para que ficassem juntos. Justamente pela a amizade que conseguiram criar. A força que um estava dando ao outro. Para enfrentar seus medos e receios. Tinha tudo para dar certo. Se for pensar no final acabou dando certo mesmo. Mas, não da forma que eu queria.


Para quem gosta de romance bem leve essa é uma pedida. Mas, não espere muita coisa do roteiro. Acho que vale a pena assistir se você quiser ver algo despretensioso de passar alguma mensagem para o grande publico. Um filme ideal, para ficar debaixo das cobertas comendo pipoca...

★★★★☆

ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):


28 de dezembro de 2016

Filminhos e séries (e novelas!) de 2016 (parte 02)


No dia 24 de setembro eu descobri as maravilhas do Netflix. Eu comecei a maratona das 7 temporadas de Gilmore Girls (foram dois meses intensos!). Lembro de assistir Gilmore Girls quando era adolescente, no canal Warner Channel (canal a cabo). eu cheguei a ver alguns episódios aleatórios na época e algumas reprises da série em horários alternativos no mesmo canal. A identificação com essa série foi quase de imediato: A relação mãe e filha, o vicio por café, o habito de sempre ter um livro na bolsa... E foi na mesma época, que eu descobri a minha dificuldade em assistir séries (indisciplina & ansiedade...). Quando terminei a 1° temporada fiquei em estase! 1) por ser a 1° temporada completa que eu assistia de alguma série 2) Terminei a 1° temporada de Gilmore Girls com a certeza que aquela era a série da minha vida! A cada episódio, eu me identificava mais com as histórias e com os diálogos rápidos e inteligentes. Terminei de assistir os últimos episódios da 7° temporada e ainda fiquei "saboreando" cada episódio... O mesmo não aconteceu com o seriado antigo Full House com as gemêas Olsem e o revival FULLER HOUSE sem as gemêas 

Sobre a  revival Gilmore Girls: Um ano para recordar composta de 4 episódios de 90 minutos Cada episódio retratada uma estação do ano.eu escrevi aqui, aqui e aqui postagens cheias de spoilers sobre oque eu achei de cada episódio 

Ultimante estou assistindo OC - Um estranho no paraíso um pouco mais devagar... Porém, curtindo a série que relata a história de um grupo de adolescentes e das suas famílias que vivem em Newport Beach, do Condado Orange (Orange County, daí o O.C.), localizado na Califórnia. É uma série que tenta aliar comédia e drama com uma trilha sonora juvenil, sem ter nomes sonantes da música comercial mas sendo, ao mesmo tempo, muito atual. Uma série que agrada muito o público pelo mundo todo. Estou assistindo 2° temporada me apeguei aos personagens Ryan Atwood, Seth Cohen, Summer Roberts, Marissa Cooper e sofro em cada episódio que os casais brigam.



No meio dessas temporadas eu assisti alguns filmes: O filme Nacional Hoje Eu Quero Voltar Sozinho foi uma grande surpresa desse ano. A narrativa é leve, a história é baseada nos conflito de um jovem com deficiência visual descobrindo a sua sexualidade o foco não era a sua possível homossexualidade. O queridinho da sessão da tarde (que realmente eu vi na sessão tarde...) foi o filme Uma irmã em minha vida a atriz Lacey Chabert ( Meninas Malvadas) mostrou um interpretação diferente e madura com a personagem Olivia é uma adolescente enfrentando a sua época estudantil, Porém, quando o pai e a madrasta morrem em um acidente de carro, a estudante fica responsável por cuidar se sua meia-irmã, uma garotinha de apenas sete anos.

A melhor adaptação literária vai para o filme Ele está de volta a narrativa cinematográfica foi fiel ao filme e um tanto realista se caso Hitler realmente voltasse e visse uma Alemanha completamente diferente e os discursos antigos que alguns alemães ainda tem sobre a atualidade; O filme Truque de Mestre eu vi a metade no canal a cabo na sala com a família com a promessa que ainda veríamos esse filme inteiro. Quando verifiquei que estava disponível na Netflix logo tratei de avisar aos meus pais e fizemos a "sessão pipoca" na sala. Eu lembro de ver o filme Os Batutinhas em VHS quando eu era pequena... Fiz a "sessão nostalgia" vendo esse filme que marcou a minha infância e o filme Os Batutinhas: Uma Nova Aventura que foi lançado recentemente. O mesmo aconteceu com o filme brasileiro Cidade de Deus que foi um filme marcante na época e esse ano foi lançado o documentário Cidade de Deus: 10 Anos Depois.

Depois de ler o livro O mágico de OZ vi o filme OZ - Mágico e Poderoso achei a Narrativa muito machista em tempos que o Feminismo está tão em alta... O Filme A Girl Like Her é documentário em forma de filme sobre o Bulling e todo o sofrimento que o agressor e a pessoa agredida sofrem de formas diferentes.. As cenas mais pesadas é, quando Brian realmente entrega as maldades de Avery que são filmadas e finalmente mostradas a todos, fazendo com que as duas garotas e suas famílias tenham que encarar a verdade.

Eu finalmente vi (alguns) os filmes da saga Star Wars – A Vingança dos Sith; Star Wars – Ataque dos Clones; Star Wars — A Ameaça Fantasma; Star Wars – Uma Nova Esperança e entendi o porque que é saga mais espetacular de todos os tempos! Eu não me canso de assistir filme infantil (me julguem!) Carrossel, O Filme; Carrossel 2 – O Sumiço de Maria Joaquina é um desse filmes bobinhos que você cantarola a musica tema no final do filme; Conheci a Selena Gomes nessa época dos seriados infanto juvenil fui obrigada assistir Monte Carlo e conferir o seu sotaque britânico kkk . O filme A Mentira tendo como atriz principal Ema Stone e a sua personagem sendo uma "vadia falsa" nos dá conselhos valiosos no decorrer do filme as consequências de uma mentira. Assisti alguns filmes religiosos: A filha do pastor é a releitura com um pouco mais de violência da fabula da bíblia "o filho pródigo"; A Paixão é a história da morte de cristo contada nos dias de hoje com algumas musicas de cantores internacionais; As Mães de Chico Xavier é a História de algumas mães que perderam os seus filhos de diferentes formas trágicas e pedem a ajuda de Chico Xavier para acalmar a sua dor.


Pronto. Agora a gente só volta a falar de filminhos e séries (e novelas!) 
no ano que vem. Prometo. 



27 de dezembro de 2016

Filminhos e séries (e novelas!) de 2016 (parte 01)


O ano de 2016 foi um ano tão estranho que tive uma dificuldade extrema de elencar tudo que assisti ao longo desses 12 meses, Isso me faz perceber que sou incapaz, nesse momento, de fazer um "Awards dos filmes do ano" dos filmes que vi esse ano usando como base aquele questionário do ano passado (veja aqui a retrospectiva do ano passado). Nesse ano, a Retrospectiva Cinematográfica ser a amiga aqui,"escrevendo pelos cotovelos" tentando resgatar o que andei assistindo de bacana, tanto no âmbito da televisão, como do cinema. O ano de 2016 passou por cima de mim (e da metade da população...) como um rolo compressor, de modo que essa retrospectiva não é do ano, mas sim do que deu pra fazer com um ano.

Começaremos, então, falando de novelas. A minha infância dos anos 90 teve muitas novelas Mexicanas/Argentinas para o publico infantil no canal do SBT. Quando começou surgir os primeiros remakes dessas novelas eu fiquei como uma pontinha de curiosidade e nostalgia em poder conferir a nova roupagem das novelas preferidas da minha infância. 


A novela cúmplices de um resgate produzida e exibida originalmente pelo SBT entre os dias 3 de agosto de 2015 e 13 de dezembro de 2016, com o total de 357 capítulos Escrita por Íris Abravanel, é adaptada da telenovela mexicana Cómplices al rescate, criada por Rosy Ocampo e que também fora exibida no SBT. A atriz mexicana Belinda Shull ficou conhecida no Brasil por interpretar as gêmeas (Mariana/Isabela), numa trama que narra o cotidiano de duas irmãs gêmeas que trocam de lugar. Diferente da versão original, essa versão teve bastante clipes musicais e algumas musicas foram regravadas para a versão brasileira. A Larissa Manoela defendeu as suas personagens (Manuela/Isabela) muito bem. Porém, falhou nos clipes por ser muito forçada... O núcleo de atores adultos defenderam muito bem os seus personagens e foram um show a parte.


Na rede Plim- Plim tiveram: A novela eta mundo bom! de Walcyr Carrasco tiveram muitos elementos das suas novelas anteriores: melodrama, maniqueismo, humor inocente e/ou pastelão, vilões terríveis, núcleo na fazenda com caipiras, bichinhos de estimação, casamentos desfeitos no altar, torta na cara, personagens arremessados no chiqueiro. O personagem principal Candinho foi inspirado no conto iluminista Cândido ou O Otimismo (1759), do filósofo francês Voltaire e teve uma mensagem principal tão importante para os dias difíceis desse ano... “Tudo o que acontece de ruim na vida da gente é pra meiorá”. Este é o lema do personagem principal o Candinho (Sèrgio Guizé).


O prêmio de "Manoel Carlos do ano" vai para Benedito Ruy Barbosa com a novela velho chico O projeto de Velho Chico estava guardado há anos e seria para uma novela do horário das seis. Com a necessidade de realocar as ambientações do horário das nove (que há uma década não saía do eixo Rio-São Paulo), as novelas de Benedito Ruy Barbosa tem essas características romance proibido entre Santo dos Anjos (Domingos Montagner) Maria Tereza (Camila Pitanga), que começa com seus antepassados na década de 1960, passa por conflitos entre famílias rivais na disputa por posse de terras e poder, e culmina na atualidade em meio à luta pelo renascimento do Rio São Francisco, o Velho Chico. Não entendo nada de "imagem cinematográfica" mas, a imagem do amarelado envelhecido em todas as cenas deixaram os capítulos um tanto cansativo em vários momentos. O ritmo lento da narrativa  também perdeu-me  como uma possível  telespectadora, a novela teve o grande mérito de provocar e estimular o público mas nem isso e nem a morte do ator Domingos Montagner  que tinha o papel do personagem principal fez melhorar a audiência nos últimos capítulos... A novela prometeu ser um sucesso. Porém, não cumpriu  a metade das expectativas. 

 

Gostaria de ter assistido a série liberdade liberdade completa. Porém, o horário tornou-se impossível, infelizmente. Eu vi somente os primeiros capítulos com a Mel Maia que interpretava a Joaquina da Silva Xavier (criança) adorei a narrativa contada com partes da História do Brasil. 

A novela Haja coração foi uma Releitura da novela Sassaricando, escrita por Silvio de Abreu entre 1987 e 1988, com personagens inéditos, contextos, perfis e tramas diferentes e atualizados.


A novela passou por um período instável, sofrendo com uma fraca distribuição de destaque dos núcleos e pela falta de acontecimentos relevantes. Um deles é a trama principal, que envolve a protagonista Tancinha (Mariana Ximenes) e seus pretendentes Apolo (Malvino Salvador) e Beto (João Baldasserini). A feirante vinha protagonizando cenas divertidas ao lado do publicitário, que de início é um conquistador barato que apenas a deseja como um troféu, mas acaba alimentando um sentimento verdadeiro. Porém, Tancinha perde força quando está ao lado do caminhoneiro, um grosseiro que volta e meia apela para a violência para resolver seus problemas. As constantes brigas entre os dois cansam e tornam o casal entediante, uma vez que ambos apresentam um excessivo ciúme um do outro. Outro problema é a diferença entre as atuações: Mariana Ximenes tira leite de pedra e esbanja talento e carisma (embora a Tancinha seja um tipo difícil de engolir).

 As novelas : sol nascente; a lei do amor; rock story; carinha de anjo. Ainda estão no  ar. Porém, irão entrar na retrospectiva de 2017.


Justiça é uma série brasileira que foi produzida pela Rede Globo e exibida entre 22 de agosto e 23 de setembro de 2016, no horário das 22 horas Escrita por Manuela Dias, Sem um protagonista definido, cada dia da semana retrata diferentes tramas que se cruzam, contando com Adriana Esteves, Jéssica Ellen, Cauã Reymond e Jesuíta Barbosa como Protagonistas, Débora Bloch, Drica Moraes, Antonio Calloni, Julia Dalavia, Camila Márdila, Cássio Gabus Mendes, Enrique Díaz, Marjorie Estiano, Luisa Arraes, Vladimir Brichta, Marina Ruy Barbosa, Leandra Leal nos demais papeis principais de cada episódio.


Toda a minissérie se passa no Recife, capital de Pernambuco. Nela é contada uma trama em cada dia da semana, onde se desenrola a busca por justiça. As histórias se desenrolam da seguinte maneira:

Segunda (Vicente Menezes) É exibido o caso de Elisa (Débora Bloch) que não supera a morte da filha, Isabela (Marina Ruy Barbosa), assassinada pelo noivo Vicente (Jesuíta Barbosa) que a flagra o traindo com o ex-namorado. Depois de liberto, tenta conseguir o perdão da ex-sogra e seguir a vida, agora casado com Regina (Camila Márdila); Terça (Fátima Libéria do Nascimento) Mostra-se a vida de Fátima (Adriana Esteves), doméstica que matou o cachorro do policial Douglas (Enrique Díaz), por morder seu filho, e acaba por ser incriminada por tráfico. Quando é solta pretende reconstruir a família, mas o marido Waldir (Ângelo Antônio) faleceu, seu filho Jesus (Bernardo Berruezo/Tobias Carrieres) se torna morador de rua e a filha Mayara (Letícia Braga/Julia Dalavia) se prostitui; Quinta (Rose Silva dos Santos) Mostra o desenrolar das amigas Rose (Jéssica Ellen) e Débora (Luisa Arraes), em que a primeira é presa com drogas dos amigos, enquanto a segunda é liberada. Após este fato, Débora é estuprada e quando reencontra a amiga sete anos mais tarde, parte em busca do homem que a violentou; Sexta (Maurício de Oliveira) Exibe-se o caso de Maurício (Cauã Reymond), preso por eutanásia após matar sua esposa Beatriz (Marjorie Estiano), atropelada por Antenor (Antonio Calloni) durante fuga com o dinheiro roubado do sócio — Antenor fugiu sem prestar socorro. Quando sai da prisão, Maurício se aproxima de Vânia (Drica Moraes), esposa problemática de Antenor, agora candidato a Governador do Estado. 

O telespectador tinha sensação de ver a cena de 180° todos os personagens participavam das cenas que nada mais era cronicas da vida cotidiana o estase dessas cenas no ultimo capitulo foi ver quatro finais da mesma história.

Justiça tem como tema principal a canção "Hallelujah", um cover de Rufus Wainwright para a canção de Leonard Cohen, que é executada em algumas cenas e nos trailers. A minissérie conta com as seguintes canções: "Afterlife", Arcade Fire;"O Que Será? (À flor da pele)", Chico Buarque com participação de Milton Nascimento;"O Que Será? (À flor da pele)", Caetano Veloso;"Pedaço de Mim", Chico Buarque com participação de Zizi Possi;"Amor Perfeito", Roberto Carlos;"Gente aberta", Erasmo Carlos;"Último Romance", Los Hermanos;"Risoflora", Elba Ramalho;"Acabou Chorare", Novos Baianos;"Revelação", Fagner;"Crua", Otto;"Pense em Mim", Johnny Hooker; "Dona da Minha Cabeça", Geraldo Azevedo; "Xique-xique", Tom Zé;"Fui Fiel", Pablo


PRÓXIMO POST FALAREMOS SOBRE
 OS FILMES E AS SÉRIES QUE VI NO ANO DE 2016


21 de dezembro de 2016

TOP 5: Crianças más da ficção

Querido Papai Noel.
eu fui uma criança boazinha esse ano... (SQN!)


O pré-requisito para ganhar O PRESENTE de Natal é o bom comportamento. O Papai Noel avalia com muita rigides o comportamento das crianças: Se essas crianças forem boazinhas recebem que pediram em sua cartinha, se essas crianças forem malvadinhas não ganham presente como castigo pelo mau comportamento.

Esse "TOP5" surgiu para avaliarmos o comportamento dos personagens "malvadinhos" da ficção que não vão ganhar presente do Papai Noel nesse Natal. 

 Junior O Pestinha 3 (1995)



A terceira parte da trilogia O Pestinha traz o endiabrado Junior em sua fase pré-adolescente. Ele está apaixonado por Tiffany, a garota mais popular e bonita da escola, que nem ao menos sabe que ele existe. O que ela sabe é que outros três garotos (Duke, Blade e Corky) estão interessados nela e para Junior, endiabrado como sempre, eles não passam de rivais. Está armada a cena para uma verdadeira guerra! 

2. Samara Morgan do filme O Chamado (2001)  



Uma das personagens mais famosas dos filmes de terror, Samara Morgan era pura maldade e matava todos que viam o seu vídeo em um prazo de 7 dias – ela ainda dava o alerta através de ligações que eram feitas após o fim do vídeo.

 3. Eli do filme Deixe Ela Entrar (2008)



O filme sueco Deixe Ela Entrar conta a história de Oskar, um garoto que sofre bullying e se aproxima de Eli, uma garota reservada que na verdade – SPOILER – é um menino vampiro mutilado sexualmente há séculos. Apesar de ser um vampiro, Eli defende Oskar de outros adolescentes que faziam mal a ele e não consegue ser tão mal quanto parece.

4. Henry Evans do filme O Anjo Malvado (1993) 



No filme O Anjo Malvado, Henry Evans, interpretado por Macaulay Culkin, é um garoto psicopata e assassino que tenta matar sua própria irmã. Só daí já percebemos o perigo da “criança”.

5. Damien Thorn do filme A Profecia 



Damien Thorn é um bebê trocado após o seu nascimento pelo filho natimorto de um embaixador americano. Ao completar 5 anos de idade, sua família começa a desconfiar de suas origens – o que eles não sabem é que na verdade Damien é filho de Satã, destinado a ser o Anticristo.




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei comentando com vocês sobre o BEFA (principalmente no Snap!!):
Snapchat: Lmilla5

2 de dezembro de 2016

TOP5 : Filmes de Natal

Já estamos em ritmo de férias... Para nós prepararmos para o espirito natalino fiz uma seleção de 5 filmes com o tema sobre Natal.

O ESTRANHO MUNDO DE JACK (1993)


Jack Esqueleto (Chris Sarandon) vive na Cidade do Halloween, onde todos dedicam o ano preparando o próximo Dia das Bruxas. Cansando desse clima, Jack atravessa um portal na floresta e conhece a Cidade do Natal. Ele fica tão encantado com o lugar, que decide convencer os habitantes da Cidade do Halloween a sequestrarem o Papai Noel. Esse filme foi produzido e co-escrito por Tim Burton.

O Grinch


Jim Carrey vive uma estranha criatura verde que odeia o Natal e, às vésperas da festa, decide roubar os enfeites e presentes das pessoas. Ao mesmo tempo,, a pequena Cindy Lou (Taylor Momsen) percebe que todos ao seu redor estão mais preocupados com compras e presentes do que com os sentimentos dos outros. A menina e Grinch acabam se cruzando e, juntos, aprendem o verdadeiro significado da data.

A Origem dos Guardiões (2012)


Nessa animação, o malvado Breu quer transformar os sonhos de todas as crianças em pesadelo e acabar com as lendas infantis. Assim, Papai Noel, Coelhinho da Páscoa, Fada do Dente e outros personagens se juntam para defender as crianças do mundo.


Milagre na Rua 34 (1994)


A garotinha Susan (Mara Wilson) não acreditava em Papai Noel, até conhecer um velhinho contratado para se fantasiar na loja de brinquedos da sua mãe. Os dois se tornam amigos e o homem jura ser o verdadeiro Papai Noel. A primeira versão deste filme é de 1947 e teve Natalie Wood no papel de Susan.

Um Herói de Brinquedo (1996)


Howard Langston (Arnold Schwarzenegger) é um pai ausente. Para se retratar com o filho, promete lhe dar o que pediu de Natal: o boneco Turbo Man. No entanto, o brinquedo já está esgotado e Howard fará de tudo para conseguir o que prometeu para o filho. Filme fofíssimo, com direito à reviravolta no final.





Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 
Snapchat: Lmilla5


23 de dezembro de 2015

LADO MILLA AWARDS: Filmes do ano

Na ultima postagem do LADO MILLA AWARDS fecharemos com a Categoria: Filmes que vi em 2015 (não necessariamente desse ano) percebi que vi pouquíssimos filmes depois que o megafilmes foi tirado do ar #RIP:




Filme do ano

O filme Cidades de Papel não teve tantas expectativas quanto o filme A Culpa é das Estrelas no ano anterior. A adaptação literária foi bastante fiel.

Melhor adaptação literária

A melhor adaptação literária vai para o filme O Menino do Pijama Listrado. No filme vimos as cenas não mais "contada" no olhar de uma criança... O que torna o filme mais dramático e real do que o livro.

Filme Infantil; 

O filme Divertida Mente lançado esse ano foi uma das grandes apostas da Pixar. E eu como grande admiradora desses tipos de filme tive minhas expectativas superadas porque o filme é muito bom!

Queridos da "Sessão da Tarde"; (Essa categoria super criativa é de filmes que vi nas minhas tardes sonolentas desse ano.).

O filme que eu mais vi nas típicas "sessões da tarde" foi os filmes estrelados pela Lidsay Lohan principalmente o filme Operação Cupido que foi o primeiro filme (1998) estrelado pela Lidsay.


24 de setembro de 2015

Filme:A Mentira (Easy A)


"O que aconteceu com o cavalheirismo? Ele só existe em filmes dos anos 80?
Eu quero John Cusack segurando uma boombox do lado de fora da minha janela.
Eu quero andar no cortador de grama com Patrick Dempsey.
Eu quero Jake de Gatinhas e Gatões esperando por mim na frente da igreja.
Eu quero Judd Nelson dando um soco no ar por saber que me ganhou.
Só por um instante, adoraria que minha vida fosse como nos filmes dos anos 80;
De preferência com um número musical fantástico e sem motivo aparente.
Mas não, não...
John Hughes não dirigiu a minha vida...

20 de agosto de 2015

BEDA#20 Cadê o meu Café !?!

Leitor irritadinho(a) - Mais uma TAG???? Assim é fácil manter um Blog "atualizado".

Hoje mesmo eu vi essa TAG no blog da Anna Vitória que foi indicada pra responder uma série de perguntas sobre o processo de escrever As perguntas foram retiradas de uma espécie de meme que andou circulando pela blogosfera gringa, o Why I Write

O que eu ando escrevendo? 

Há vinte dias esta tendo postagens aqui no blog TODOS os dias. Sim, eu estou escrevendo bastante aqui no Blog, as temáticas são os assuntos de costume ( Minha life, músicas, livros, fotografia...). Fora da internet, eu escrevi o meu Trabalho de Conclusão de Curso de Psicologia que o assunto era "Impactos Psicológicos do processo migratório". Continuo escrevendo, em rascunhos juntando as palavras em frases desconexas e textos sem as devidas pontuações... 

Como minha escrita se diferencia de outras do gênero? 

Enquanto escritora, eu posso dizer que tento escrever sobre a life... O gênero é "Blog Pessoal" escrevo a minha opinião, sobre musica, livros e atualidades. é um Blog pessoal comum diante tantos outros blogs: literários, crônicas, modas, decoração... 

Recebi um comentário certa vez que a leitora escreveu que tinha a sensação de estar lendo um diário... Essa é uma característica de um "blog pessoal". Quando eu comecei a escrever na internet, os blogs não tinham tantos gêneros... Acho que eu não saberia escrever de outra forma, como "O Meu Querido Diário" eu tentei uma vez, mas os comentários me entregaram "Diz para mim que não é só literatura..." 

Por que eu escrevo? 

Na minha opinião, a melhor resposta é da Clarice Lispector. Ela disse certa vez que: "Enquanto eu tiver perguntas e não houver resposta continuarei a escrever.". Acredito que essa minha ânsia de espremer meus sentimentos em palavras, esta no jogo de perguntas/respostas ao longo dos acontecimentos da vida... 

Quero arquivar sentimentos, momentos e histórias para não esquecer... Quando eu re-lêr essas postagens do "Arquivo" que eu me sinta melhor, por ter vivido esses momentos descritos e principalmente de ter superado esses momentos de alguma forma. 

Como eu escrevo? 

Eu escrevo no Word, não me acostumei a escrever direto do Blogger... No bloco de notas do celular e rabisco em folhas de papel (Sim!) quando não estou na frente do computador. 

Eu gosto de escrever na madrugada... Porém, aprendi a produzir no fim de tarde, com uma xícara de café recém passado no lado do notebook escrevo ouvindo musica, nesses momentos de produtividade o meu gênero musical preferido é; instrumental ou internacional. 

Eu participo de um projeto literário junto com outras blogueiras todo o dia 16 nós escrevemos sobre um Tema. A escrita é instigante pois, explora a criatividade da escrita e acaba melhorando a forma de escrever. 

Escrevi um dialogo em "quatro mãos" com a Mª Fernanda e foi uma experiência muito bacana! ouve bastante troca de experiências e formas de escrever. Acho que teremos que fazer isso mais vezes! 

Como supero bloqueios criativos? 

Então... Eu não supero. Quando a escrita não flui de jeito nenhum, eu saio da frente do notebook e vou ler um livro, ver filme, sair por ai para fotografar ou simplesmente fazer café... Até a criatividade "desbloquear".


© Lado Milla
Maira Gall