Notas de rodapé
Mostrando postagens com marcador Notas de rodapé. Mostrar todas as postagens

11 de dezembro de 2016

Conselhos para o meu "eu" de 2016.

ou,
O Pior Ano da Minha Vida, Outra Vez! 


Nas minhas pesquisas mais interessantes recentes nos catálogo de séries do Netflix. Lembrei-me dos primeiros seriados que eu assisti no canal do Disney Channel para um publico infanto-juvenil.

O The Worst Year of My Life Again! é um típico seriado para o publico infanto-juvenil, o seriado acompanha a vida de um viajante no tempo. Alex King é um garoto que passou por um péssimo ano, e deseja em seu aniversário que o próximo seja melhor, só que as coisas não acontecem bem como se esperava. Ele volta ao início do ano passado e terá a chance de evitar os desastres que passou se repitam... Mas, não é sobre isso que eu vim falar.

Eu resolvi escrever uma carta com conselhos que eu daria para o meu "eu" de 2016: Esse ano de 2016 tem sido o meu "The Worst Year of My Life". As expectativas para esse ano, continuariam sendo as mesmas dos dois últimos anos "... surpreenda-me que eu te surpreendo.”
Os anos anteriores, foram anos de muitos projetos e conquistas: estágios, Getep´s e TCC. Esse ano de 2016, eu estava mais tranqüila sem muitas perspectivas... Anos pares, costumavam me deixar mais tranqüilas.

As ultimas sete matérias da faculdade de Psicologia após o TCC foram desgastantes. Além, do necessário. Uma matéria "mais do mesmo" sobre RH? Como assim... Como desenvolver um projeto acadêmico? Os meus trabalhos já tinham sido todos concluídos... As matérias optativas: Hospitalar (N3 e as minhas crises de ansiedade...), a matéria de Direitos Humanos e os debates eternos... Psicopatologia II foi uma das matérias que mais me surpreendeu no semestre passado: O trabalho dentro do CAPSI foi fantástico! Não poderia me formar em Psicologia sem ao menos ter conhecido os usuários e a estrutura daquele lugar. Psicologia da Família com os mesmos textos dos semestres anteriores, a mesma estrutura de passar o conteúdo e a mesma N3. Nesse trabalho eu e minha dupla tiramos 10! mesmo tirando a nota máxima, eu fiquei frustrada com esse trabalho... Será que me tornei aquelas pessoas exigentes demais consigo mesma?

Falando em frustrações... Eu nunca pensei em ter o meu próprio negócio. Antes mesmo de me formar em Psicologia eu escolhi a ênfase B (Institucional) para os estágios obrigatórios na faculdade. Pois, a idéia de ter uma clinica sempre me assustou... 

O salão de beleza foi um "negócio familiar" que já estava em funcionamento... Com funcionários e uma estrutura montada. Com alguns erros administrativos e com uma equipe resistente a mudanças... Pessoas ruins se tornam profissionais ruins. Nesse período tive crises de bulimia nervosa e o meu estômago ficou em carne viva nesses meses... Eu e a minha família ainda não nos recuperamos completamente; tanto financeiramente quanto o "psicológico" que ainda está bastante abalado.

Se na passagem do ano novo eu acordasse no dia 1° de janeiro de 2016 e tivesse que re-viver esse ano como o personagem Alex King do seriado "The Worst Year of My Life Again!": Eu viveria esse ano de 2016 com mais calma. Controlando a minha ansiedade... Além de me empenhar nas ultimas provas e trabalhos... Eu curtiria mais os últimos momentos da faculdade; Eu não conseguiria fazer a minha mãe mudar a idéia de comprar o salão de beleza... Mas, poderia não ter entrado nessa "furada..." podia ter usado esse tempo para estudar na biblioteca da faculdade ou no CAPSI... Quanto menos tempo eu passasse ali naquele ambiente hostil eu ficaria melhor e não teria a metade dos problemas que eu tive...

Na noite 31 de dezembro de 2016 vou olhar para o céu e lembrar de tudo que vivi nesse ano: as mágoas, os sorrisos, as lágrimas... Na contagem regressiva, eu estarei implorando para que os 365 dias de 2017 venham logo!


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 
Estarei comentando com vocês sobre o BEFA (principalmente no Snap!!):
Snapchat: Lmilla5




16 de fevereiro de 2016

Coleção de Clichês

Encontro-me lendo textos antigos... com palavras que mais parecem armas bombardeando versos clichês para os quatro cantos de um quarto vazio:

"É preciso quebrar em vários pedacinhos para que consigamos nos recompor e ficamos mais forte" 

"É necessário transbordar em lágrimas para que floresçam sorrisos."

"Antes de um dia ensolarado vem sempre uma noite de chuva. Acostume-se." 


Esperando dias melhores...


© Lado Milla
Maira Gall