27 de maio de 2014

Para dizer que não falei dos livros...


Tag criada pela Inês, do canal InesBooks, sob o título "Palavra cruzada".  







01. Vox Populi (um livro para recomendar a toda à gente) 

Não sou uma das melhores pessoas para indicar livros... Mas o ultimo livro que ao terminar a leitura me fez ter a sensação que todos deveriam gastar o seu tempo lendo é o livro Extraordinário - R. J. Palácio.

02. Maldito Plágio (um livro que gostaríamos de ter escrito)
 

Talvez esse livro fosse á metade da minha Biografia. Não só teria escrito como seria a personagem principal “Vânia” em uma parte da minha infância fui vitima de buligh ou como não existia esse termo na época, fui descriminada por usar um gesso na coluna... O livro é Pretinha, eu? Escrito muito bem pelo autor Júlio Emilio Braz. 

03. Não vale a pena abater árvores por causa disto 

Essa categoria pode estar parecida com a categoria (4) não por preguiça dessa que voz escreve. Pois, acredito que não á livro ruim é o leitor que não está preparado para ler naquele momento, mas, acredito que as Biografias de alguns “ídolos” da grande massa desnecessárias para fazer parte de qualquer estante.

04. Não és tu, sou eu (um livro bom, lido na altura errada) 

Há quem defenda o livro A CIDADE DO SOL do autor Khaled Hosseini levando a crêr que eu li em um momento dramático da minha vida um livro dramático... Não deu muito certo, só terminei a leitura, pois eu tinha bastante tempo de sobra como volante de uma empresa de terceirizado...

05. Eu tentei... (um livro que tentamos ler, mas não conseguimos) 

Eu tentei... Ler o 1° livro da saga do HP até pedi emprestado para o meu primo, mas a leitura não andou... E acabei colocando outras leituras na frente, mas, o livro está no montinho de livros que quero ler (quem sabe, nas férias!).

06. Hã? (um livro que lemos e não percebemos nada OU um livro que teve um final surpreendente) 

Um livro que não me marcou em nada... O preço de uma lição do autor, Gutti Mendonça e Federico Devito. Passou tão em branco que eu nem quis saber de uma futura sequência (se o primeiro livro foi horrível o que esperar do próximo...). Enquanto escrevia esse item, dei uma pesquisada (Valeu Google!) vi que um dos autores já foi “colírio capricho”. Tenho que confessar que, tenho preguiça quando esses jovens se tornam alguma coisa além de um rostinho bonito em uma página de revista...  Um livro que teve um final surpreendente... Anna e o Beijo Francês da Autora Perkis. Foi um livro “gostosinho” mesmo com a rabugice da Anna Oliphant em um lugar nada menos que Paris-França! O final realmente me surpreendeu.

07. Foi tão bom, não foi? (um livro que devoramos) 

Marley & eu- vida e amor ao lado do pior cão do mundo do autor Jonh Grogan vi os cachorros que tive ao longo da vida descritos nesse livro e esses eram para mim “o pior cão do mundo”, mas eram eles que estavam no pior/melhor momento da minha trajetória... Mordiam, lambiam, latiam felizes quando eu chegava... Eu devorei o livro em um dia e chorei quando o Marley morreu, pois, acho injusto essas criaturinhas viverem menos que nós humanos deixando o lar sem graça e um aperto no coração quando vão embora.

08. Entre livros e tachos (uma personagem que gostaríamos que cozinhasse para nós) 

P.S eu te amo chorei com o filme e debulhei em lágrimas com o livro. Mas eu gostaria de ter tido um marido (mesmo por pouco tempo) me agradasse e cozinhasse nú, só com avental... 

09. Fast Foward (um livro que podia ter menos páginas que não se perdia nada)

Deixe a Neve Cair reúne três contos que se passam durante uma nevasca natalina e, de certa forma, se cruzam em determinado momento. Os escritores Maureen Johnson, John Grenn, Lauren Myracle se juntam para escrever esses contos, mas eu tiraria tranquilamente o conto do John Grenn, pois, achei a leitura um pouco cansativa deixando um pouco sem gás para terminar a leitura. 

10. Às cegas (um livro que escolheríamos só por causa do título) 

Na verdade eu escolhi O Livro da loucura e das curas da autora Regina O'Melveny só por causa do título... li a sinopse e decidi compra-lo não vejo a hora de chegar às férias para ler e tirar proveito da história.

11. O que conta é o interior (um livro bom com uma capa feia) 

Feliz Ano Velho do Marcelo Rubens Paiva esse livro já mudou de capa em varias edições que já teve, mas, nenhuma conseguiu me agradar... A história e o enredo supera a capa ruim, pois o livro não fica num melodrama de superação de alguém que fica tetraplégico e sim da ironia que é a vida.

12. Rir é o melhor remédio (um livro que nos tenha feito rir) 

A culpa é das estrelas John Green. Acho que eu tenho esse dom de rir quando tudo esta uma bosta, e tem varias passagens que a personagem tem um dom de deixar uma doença tão triste como o câncer com um toque mais leve e engraçado. 

13. Tragam-me os Kleenex, se faz favor (um livro que nos tenha feito chorar). 

A culpa é das estrelas, P.S eu te amo, Marley & eu- vida e amor ao lado do pior cão do mundo, Feliz Ano Velho... A lista é grande, mas, ela sempre aumenta, pois adoro ler um livro dramático...

 14. Esse livro tem um V de volta (um livro que não emprestaríamos a ninguém) 

Tenho isso com TODOS os meus livros da minha estante.  Nem adianta aquela máxima só empresto para amigos...  Com certeza, teria inimizades caso emprestasse um livro a um amigo e ele me entregasse danificado... Para não perder possíveis amigos (a regra é clara) não sai nenhum livro da estante para nenhum tipo de empréstimo.

15. Espera aí que eu já te atendo (um livro ou autor que estamos constantemente a adiar) 

Tenho mais de 10 livros para ler ainda esse ano... Estou esperando o mês de Julho para “devorá-los”. Os livros não sobem para ficar “empilhadinhos” com os outros já lidos, sem antes eu ler. Mas o montinho já esta enchendo a 2° prateleira... 


20 de maio de 2014

Entre shows e chalaças ( Debutando no Rock Mendigo).



É bom buscar sentidos para a própria vida. Não é  um show é um momento bacana da sua trajetória... Busque repetir os momentos felizes     e revivê-los. Lembra-se de algo bom que você fez no passado? Viagens, shows, passeios... Retorne a esses lugares.

Sou de uma geração que ouvia muita musica BOA nas rádios. Na minha adolescência, por exemplo, eu comecei a ouvir muita radio de madrugada e tinha um programa chamado Pijama Show que usava a definição de rock-gaúcho para falar das musicas que as bandas do estado do Rio Grande do Sul faz.



Moro em Florianópolis/SC desde que me conheço por gente. A distância de Florianópolis/SC e Porto Alegre/RS são de 376,16 km (obrigado Google!). É louco pensar que, o que me aproxima eu de SC, com as musicas do RS “é a propagação de uma frente de compressão de onda mecânica, que se propaga de forma circuncêntrica, apenas em meios materiais” que é o som (segundo a física) dos vários rádios de pilha que eu já tive ao longo desses anos...


As pessoas mais sensíveis dirão que; "A música é uma forma de arte que se constitui basicamente em combinar sons e ritmo seguindo uma pré-organização ao longo do tempo"

A música para ser considerada boa, tem que despertar os “sentidos”.  Sorriso bobo no canto do rosto, lembranças, momentos, lágrimas (?) mas que não te deixe apático com a melodia ao ponto de não cantarolar o "verso estrofe e refrão"...

Coisas que não cabem em um encarte de CD... 

Em 2008 tive á chance de conhecer os guris da banda Acústicos e Valvulados que cantava a música "Fim de Tarde" e "Quintal" que eu ouvia incansavelmente naquelas madrugadas no meu rádio de pilha...



A lembrança que eu tenho desse show é a emoção que eu senti ouvindo pela 1° vez a musica “Fim de Tarde com você” ao vivo... E a sensação de sentir que os guris se divertem como se tivessem em uma “Chalaça entre amigos...” tratando todos que vão trocar umas 3ou9 palavras com eles com toda a atenção e carinho do mundo parecendo que te conhece há séculos... Nem isso, fez diminuir os meus “tremiliques” de nervosismo (o cara que faz parte da minha trilha musical ali na minha frente não teve como não tremer na base...). 


Começaram as chalaças no dia de semana (quarta-feira) e a frase preferida do P.James “os Deuses do Rock exigem sacrifícios constantes.”  


Show em teatro (Que afudê...) três dias antes, fui comprar o ingresso no local e levei um tombo de velhinha que o meu traseiro ficou todo roxo ainda bem, que o show era todo mundo sentadinho rs teve banda de abertura (já falei que eu odeio?) mas foi o show com o clima mais clean que eu já fui da banda.


Primeira viagem a Porto Alegre/RS... Primeiro Show dos Acústicos e Valvulados em POA que eu vou... As musicas da banda começaram a fazer um sentido diferente na medida em que eu ia ouvindo:

“... E falou que já não mais sabia o que podia ser dito ou não
E muito menos eu que espero a música tocar

Suspenso no espaço
Eu que vou tão longe por guardar
Um beijo na memória...”.

Tentei tirar uma foto com a banda toda ¬¬ faltou o Dani e o Paulinho...
Começou a saga do “chame a família...” para o show dos Acústicos... o show em Joaçaba coincidiu com uma viagem de família para ver os parentes ( na verdade iriamos viajar uma semana antes mas, viajamos um dia antes do show.).



 O show mais PHODA disparado dos guris dos Acústicos... em Floripa! Os motivos dessa afirmação tem uma grande probabilidade de ser SAUDADE sério, algum dos gurizes “quebraram a perna” quando me deram um abraço apertado e  falaram; “que saudade!” queridos...


Debú no rock mendigo!

Entre show's e chalaças... Fiz uma conta rápida e eu Debutei no Rock Mendigo no show da semana passada... Tem coisas que não mudam nunca (que bom!) o “tremilique” é o mesmo do primeiro show de 2008... A saudade são devidamente sanados, os momentos, as lembranças e as histórias "... são coisas que não cabem em um encarte de CD..." como cantava um outro cantor lá do Sul.

Ps: Obviamente não coloquei quinze fotos aqui no Blog para não deixar o post CHEIO de imagens e ficar cansativo (coloquei as melhores¬¬)

14 de maio de 2014

Dia Perfeito...

Dia Perfeito...
Semana passada a Ana Luisa, do blog “Minha Vida Como Ela É” escreveu um post sobre “as motivações de cada individuo para viver a vida...” com o titulo de A vida é ter pelo que esperar.

Não sei se, eu me encaixo no estereótipo de alguém que sofre de algum transtorno de ansiedade na GRANDE maioria das vezes saio desses momentos “estressantes” sem nenhuma dor no estomago. Outras tantas, o meu pescoço crio pequenas “corassas” devido o acumulo de estress que a ansiedade proporciona.

Nos velhos tempos de “fofoloGuê” e que nem se sonhava entupir uma pagina de  imagens com “hashtags”. A modinha entre as adolescentes era fazer contagem regressiva para momentos bacanas que iriam vivenciar: viagens, shows, visita à casa de amigos...

  Lembrei-me dos velhos tempos quando recebi a resposta do e-mail de um “amigo de estrada” dizendo que tinha show marcado em Florianópolis/SC no dia 15 de maio de 2014 o tal amigo em questão é o Rafael Malenotti vocalista da banda Acústicos e Valvulados isso no dia 26 de abril, no mesmo dia eu entrei na minha pagina do Facebook e coloquei uma foto e na legenda escrevi: #28dias!

Nem parece ser o 15° show da banda que eu vou. Pois a espera é a mesma daquela guriazinha se 2008 que saiu toda arrumadinha para ir ao primeiro show de rock gaúcho do lado de casa...







Nesses 28 dias a vida seguiu...  Com as obrigações da vida adulta: Faculdade – Trabalho – Estágio. Semana passada (sexta-feira) eu me lembrei desse show e comecei a fazer uma programação de coisas que eu teria que fazer até chegar a hora do show (horário do batista 23h23min) eu já fiz essa “programação” milhares de vezes na minha cabeça... Não é uma espera angustiante, muito pelo contrario, é uma espera bacana de um momento bacana que esta por vir.
“... Eu sei que pode parecer besteira
Mas tem gente que espera
Uma vida inteira...”

Hoje exatamente dia 14 de maio 2014 às 19h: 15min faltam # 1dia para o meu 15° show da banda Acústicos e Valvulados (debutante! kkk)


É bom buscar sentidos para a própria vida. Não é um show é um momento bacana da sua trajetória... Busque repetir os momentos felizes e revivê-los. Lembra-se de algo bom que você fez no passado? Viagens, shows, passeios... Retorne a esses lugares.
© Lado Milla
Maira Gall