8 de dezembro de 2015

Resenha: Eleanor & Park




Livro: Eleanor & Park
Autor: : Rainbow Rowell
Ano: 2014
Páginas: 328
Idioma: português
Editora: Novo Século








Sinopse: Eleanor &Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.




Essa é a história de dois adolescentes que não se encaixam muito bem: Eleanor é ruiva, cabelos cacheados, com problemas familiares e roupas velhas que não caem bem nela. Park é metade coreano, metade americano, com seus próprios problemas em casa, apesar da familia quase perfeita. Mesmo "imperfeitos" se aproximam e vivem um típico romance adolescente. O assunto em comum entre os dois giram em torno de HQs e músicas...

"Sempre que via Eleanor, ele não conseguia mais pensar em se afastar. Não conseguia pensar em mais nada. A não ser tocá-la. A não ser fazer qualquer coisa que pudesse ou tivesse de fazer para vê-la feliz.”

As questões familiares de Eleanor com o decorrer da história continua confusa principalmente pela "alienação" da mãe, com a filha mais velha Eleanor para os possíveis maus tratos do padrasto. Os capítulos, são divididos: Uma hora é contada por Eleanor outra hora é contada por Park e isso é algo que funciona deliciosamente bem... Saber a história nos dois pontos de vista diferentes da mais vivacidade a leitura.

“A gente acha que abraçar uma pessoa com força vai trazê-la mais para perto. Pensamos que, se a abraçarmos com muita força, vamos senti-la, incorporada em nós, quando estivermos longe. Toda vez que Eleanor ficava longe de Park, sentia sua perda.” 



Esse foi o meu primeiro contato com algum livro da autora Rainbow Rowell. É um livro muito fofo, com personagens encantadores, mas com vários espaços vazios que eu esperava que fossem trabalhados... Porém, é um romance adorável e eu recomendo a leitura.
 “A gente acha que abraçar uma pessoa com força vai trazê-la mais para perto. Pensamos que, se a abraçarmos com muita força, vamos senti-la, incorporada em nós, quando estivermos longe. Toda vez que Eleanor ficava longe de Park, sentia sua perda.” 

ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também :

7 de dezembro de 2015

#7 Canção de Segunda - Passarinhos



   
Despencados de voos cansativos
Complicados e pensativos
Machucados após tantos crivos
Blindados com nossos motivos
Amuados, reflexivos
E dá-lhe anti-depressivos
Acanhados entre discos e livros
Inofensivos

Será que o sol sai pra um voo melhor
Eu vou esperar, talvez na primavera
O céu clareia e vem calor vê só
O que sobrou de nós e o que já era
Em colapso o planeta gira, tanta mentira
Aumenta a ira de quem sofre mudo
A página vira, o são delira, então a gente pira
E no meio disso tudo
Tamo tipo 

Passarinhos
Soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro
Passarinhos
Soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro

Laiá, laiá, laiá, laiá
Laiá, laiá, laiá, laiá
Laiá, laiá, laiá, laiá
Laiá, laiá, laiá, laiá

A Babilônia é cinza e neon, eu sei
Meu melhor amigo tem sido o som, ok
Tanto carma lembra Armagedon, orei
Busco vida nova tipo ultrassom, achei
Cidades são aldeias mortas, desafio nonsense
Competição em vão, que ninguém vence
Pense num formigueiro, vai mal
Quando pessoas viram coisas, cabeças viram degraus

No pé que as coisas vão, jão
Doidera, daqui a pouco, resta madeira nem pros caixão
Era neblina, hoje é poluição
Asfalto quente queima os pés no chão
Carros em profusão, confusão
Água em escassez, bem na nossa vez
Assim não resta nem as barata
Injustos fazem leis e o que resta pro ceis?
Escolher qual veneno te mata
Pois somos tipo

Passarinhos
Soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro
Passarinhos
Soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro

Laiá, laiá, laiá, laiá
Laiá, laiá, laiá, laiá
Laiá, laiá, laiá, laiá
Laiá, laiá, laiá, laiá

Passarinhos
Soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro
Passarinhos
Soltos a voar dispostos
A achar um ninho
Nem que seja no peito um do outro

5 de dezembro de 2015

#5 Five Things...

O ano de 2015, está parecendo aquele livro bom que estamos lendo... Faltando menos de vinte páginas para terminar a leitura, e já estamos querendo escrever: Resenhas, Retrospectivas e os melhores "quotes" do livro... A postagem "5 things..." é uma tentativa de escrever sobre os meus aprendizados nesse ano.


Aprendi a escrever sobre saudade de uma maneira mais leve e sentir de uma maneira mais saudável... Permiti sentir, quando a saudade vinha e a descrevê-la sem ficar "podando" a minha escrita. Resenhei livros! Na medida, em que eu ia terminando a leitura eu ia escrevendo sobre as minhas impressões/quotes e fotografando os livros. Perdi a vergonha de fazer resenhas falta somente aprimora-las.

Depois do meu estágio específico (I e II) que era (somente) um projeto de pesquisa; Que acabou virando um GETEP e ganhou "campo de estágio" na Pastoral do Migrante. Escrevi o meu TCC! escrevi um pouco sobre a saga aqui. Esse momento, sem duvidas foi um dos melhores momentos acadêmicos na minha graduação de Psicologia.

A vida continua demonstrando de diferentes formas que; o importante é qualidade do que quantidade. Ano passado, fiz um projeto pessoal "comprar um livro por mês" e acabei lendo muito pouco. Pois, acabei dando mais prioridade para as leituras do estágio e das matérias da faculdade, Esse ano, eu comprei menos livros do que eu queria. Porém, acabei lendo mais do que eu esperava...

Esse ano, foi um grande exercício de confiança! Confiar mais em mim e nos outros, principalmente em mim. Sempre confiar que eu sou capaz! e realmente me envolver em todos os projetos e sempre fazer o meu melhor!






© Lado Milla
Maira Gall