8 de julho de 2017

Quando as lembranças sufocam...


_Chega de escrever sobre lembranças. 

A frase acima soou quase como um decreto, o Sol ainda não tinha se posto, e ela continuava a pensar sobre a sua vida, e o rumo que ela tomou nesses últimos anos.

Sentia pela primeira vez que as lembranças que tanto lhe fez bem anos atrás, hoje lhe sufocava, o auge desse sentimento de cansaço que lhe afligia, foi quando se viu escrevendo um depoimento, daqueles que fazemos aos “amigos” no ORKUT contando detalhes dos devidos anos, que já não interessavam mais há ninguém, muito menos para as duas pessoas em questão... Além do cansaço dos últimos dias, também começou a se sentir sufocada com todas essas lembranças o simples fato de escrever se tornou uma tarefa árdua, e dolorida demais. Não, pelo simples fato de escrever somente, mas sobre o que escrever. 

Viu que suas escritas iam para um lado cada vez mais nostálgico, os anos anteriores foram incrivelmente bons, completamente exagerado na riqueza dos detalhes, o que faz as lembranças serem um pouco doloridas pelas saudades que lhe causavam se tornando um sentimento não muito agradável de sentir fazendo o trecho da musica do Caetano Veloso não fazer muito sentido, quando ele diz que; “Ter saudade até que é bom, é melhor que caminhar sozinho". Eu não gostava e também não queria sentir saudade e tinha as minhas duvidas quando se tratava de gostar ou não de solidão.

Daqui para frente, quero preciso ter mais controle sobre as minhas lembranças, tentando não lhe expor assim por qualquer motivo, e na medida do possível, não escrever tanto sobre elas (nem aqui, nem em qualquer lugar). 

Nada me impede de sentir saudades, mas escrever é algo já não posso mais.




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

7 de julho de 2017

Milla a Fangirl?


Ano passado, eu descobri as maravilhas do Netflix. Eu comecei a maratona das 7 temporadas de Gilmore Girls (foram dois meses intensos!). Lembro de assistir Gilmore Girls quando era adolescente, no canal Warner Channel (canal a cabo), eu cheguei a ver alguns episódios aleatórios na época e algumas reprises da série em horários alternativos no mesmo canal. 


A identificação com a série Gilmore Girls foi quase de imediato: A relação mãe e filha, o vicio por café, o habito de sempre ter um livro na bolsa... E foi na mesma época, que eu descobri a minha dificuldade em assistir séries (indisciplina & ansiedade...). Quando terminei a 1° temporada fiquei em estase! 1)por ser a 1° temporada completa que eu assistia de alguma série; 2) Terminei a 1° temporada de Gilmore Girls com a certeza que aquela era a série da minha vida! A cada episódio, eu me identificava mais com as histórias e com os diálogos rápidos e inteligentes. Terminei de assistir os últimos episódios da 7° temporada e ainda fiquei "saboreando" cada episódio... 


Logo em seguida eu comecei a assistir a série OC - Um estranho no paraíso um pouco mais devagar... Porém, curtindo a série que relata a história de um grupo de adolescentes e das suas famílias que vivem em Newport Beach, do Condado Orange (Orange County, daí o O.C.), localizado na Califórnia. É uma série que tenta aliar comédia e drama com uma trilha sonora juvenil, sem ter nomes sonantes da música comercial mas sendo, ao mesmo tempo, muito atual. 


Nas minhas pesquisas mais recentes  no catálogo de séries do Netflix. Procurando uma série mais leve para assistir encontrei How I Met Your Mother (no Brasil, How I Met Your Mother ou Como Eu Conheci Sua Mãe) foi uma premiada sitcom estadunidense da CBS criada por Carter Bays e Craig Thomas. (Estou assistindo a 7º temporada).


O seriado Gossip Girls é baseada na série literária homônima da escritora Cecily von Ziegesar, não representa originalidade bruta, mas representa originalidade derivada. Apoiando-se numa premissa básica de organização social. O autor Josh Schwartz e Stephanie Savage (dos mesmos criadores de OC- um estranho no paraíso), continuam apostando alto para marcar o seu nome história como ícone pop e como referência cultural. 
Sim, eu estou na minha época de fangirl. Não conhece o termo? No Dicionário Oxford, temos como definição: 

  

“Uma fã do sexo feminino, especialmente uma que é obsessiva por quadrinhos, filmes, música ou ficção científica”. 

Eu não encontrei somente 1 série favorita, eu me encontrei em várias outras séries... Fico pensando se é normal a gente curtir tanto personagens; seja de livros, séries ou filmes. é engraçado que nós nos identifiquemos tanto com personagens que não são reais...

Seriados é um dos assuntos que estou abordando com uma certa frequência aqui no Lado... Na medida, que eu irei assistindo e fazendo maratonas no final de semana irei escrever mais aqui.

 
Uma curiosidade: a Rainbow Rowell (autora de Eleanor & Park) escreveu um livro chamado Fangirl, onde a protagonista é muito fã de uma série de livros. Ela escrevia fanfics e participava de comunidades online sobre o tema.





Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

1 de julho de 2017

Tagarelando sobre o mês...



Ano passado, eu escrevi aqui no blog a vontade de escrever um livro. 

Se, um dia eu viesse a escrever um livro... O titulo desse livro seria "Ensaio Sobre A Canseira" eu escreveria uma auto-biografia. Não que, a vida de uma garota/mulher vivendo atualmente á crise dos 30 anos, tenha algo interessante ou rendam mais de duas mal-escritas páginas. 

Claro que isso só ficou na vontade... 

Pois, eu já me atrapalho o suficiente escrevendo as postagens mais pessoais aqui no Blog. Naquela época, as ultimas matérias da faculdade e um possível "negócio próprio" estavam consumindo a maior parte do meu tempo e o esgotamento nos meus poucos "tempos - livres" para fazer aquilo que eu gostava era quase que inevitável.
No primeiro semestre de 2017, a situação é o seguinte:

  • Recém-formada: 
  • Desempregada: 
  • Tempo livre: suficiente para sentir tédio 

A vida de recém-formada está devagar... Estou sentindo falta dos estágios, dos trabalhos no CAPSI . Porém, estou curtindo bastante essa folga, antes de dar o próximo passo (pós graduação). A vida off-line anda tão devagar que poderia ser descrito como um Assobio de Feno rolando na estrada do velho oeste (imagem).


Estou escrevendo bastante sobre ser alguém que escreve tanto on-line quanto off-line. Escrevo resenhas sobre as séries, os filmes que vejo na Netiflix e os livros que estou lendo com pouca frequência ultimamente... Respondi a Tag mais longa da vida com as músicas da Minha vida em uma playlist. E escrevi sobre a minha "pulseira life" e a história dos meus pingentes. Na minha vida off-line, para sair um pouquinho do Tédio aprendi a andar de bicicleta na Beira-mar que é o único lugar que tem ciclovia...


 O QUE EU ASSISTI ESTE MÊS


Eu terminei de ver a série Gossip Girl e escrevi uma resenha critica sobre a série. comecei a maratonar novamente How I Met Your Mother. (Como Eu Conheci Sua Mãe) ainda irei escrever sobre quando tornei-me uma fangirl.


 O QUE EU LI ESTE Mês


Comprei alguns livros na Livraria Catarinense (Promoção Livros a partir de 9,90). Porém, acabei não lendo nenhum...

 O QUE EU OUVI ESTE MÊS


Eu ouvi bastante músicas para escrever o #cançãodesegunda, as playlists que eu ouvi para andar de bicicleta e as musicas que eu ouvi para montar a tag Minha vida em uma playlist.



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):
© Lado Milla
Maira Gall