12 de novembro de 2018

#04: Sobre o mês de Outubro no Bullet Journal.

TRICK OR TREAT?

Eu estava decidida a me organizar melhor para lançar os posts de bullet journal do mês. Porém, o mês passado foi trevas! Então, eu acabei não me organizando para escrever sobre a organização do meu Bullet Journal do mês e organizar as fotografias para fazer uma postagem para o Blog.


O tema do mês de Outubro foi HALOWEEN, as cores escolhidas para a decoração foram: roxo, marrom e laranja.


Nesse mês, eu arrumei semanalmente o meu Bullet Journal.
Uma das minhas grandes dificuldades do mês anterior foi ter organizado o mês inteiro. Fiquei com medo de não dar conta... E isso tirou a minha liberdade de criar do Bullet Journal.


Na segunda semana, eu me inspirei nas páginas do instagram sobre Bullet Journal . As cores que predominou nessa semana foram laranja e o preto que foi a cor que desenhei os fantasminhas...


Esqueci sobre o feriado do dia das crianças e acabei fazendo uma semana temática da Turma da Mônica. Aquela semana foi mais Journal do que Bullet. Pois, teve um final de semana de pós-graduação em Arte-Terapia bastante  acalorado... [Ainda escreverei aqui sobre isso]. Comecei um Voluntariado a primeira vista  diferente de tudo que eu ja fiz  e isso tem  me dado um gás diferente nesses ultimos dois meses...


Na ultima semana do mês, eu também me inspirei nas páginas do instagram sobre Bullet Journal . A organização  foi uma semana em uma folha com a decoração mais simples... Ficou até mais clean!

[continuação no próximo post ...]


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 

11 de novembro de 2018

Amanhã há de ser Outro dia... ♫


Nunca na História desse pais as pessoas foram TÃO divididas: gays, lésbicas, transexuais. Pobre, classe-média, Rico ONDE EU ME ENCAIXO? Homem ou mulher.

 Há tem o lado certo e o lado errado da História... 
Em política e sociologia, dividir para conquistar (ou dividir para reinar), consiste em ganhar o controle de um lugar através da fragmentação das maiores concentrações de poder, impedindo que se mantenham individualmente. O conceito refere-se a uma estratégia que tenta romper as estruturas de poder existentes e não deixar que grupos menores se juntem. 
O número de pessoas que cansaram desse tipo de governo foram de 58 milhões de pessoas cansadas de serem desrespeitadas com tanta corrupção e roubalheira diante dos nossos olhos... 
...
Há 5 anos, eu olhava incrédula para a reeleição da então presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), foi reeleita com mais de 54 milhões de votos... Sendo que, no ano anterior ocorreu uma grande explosão do descontentamento popular; ela expôs vicissitudes da luta de classes que ocorre no Brasil. Aquele movimento teve algumas marcas principais. 
  1. Primeiro, a enorme dispersão de reivindicações que surgiram na esteira da exigência de transportes urbanos de melhor qualidade e preços acessíveis. 
  2. Outra foi a virulenta posição contra os partidos políticos de esquerda por parte de alguns grupos que participavam dos protestos.
A Sensação que eu tive naquela época, era que O GIGANTE ACORDOU e foi deitar novamente... Depois, teve o impeachment de Dilma Rousseff  que, consistiu em uma questão processual aberta com vistas ao impedimento da continuidade do mandato de Dilma Rousseff como presidente da República As acusações versaram sobre desrespeito à lei orçamentária e à lei de improbidade administrativa por parte da presidente, além de lançarem suspeitas de envolvimento da mesma em atos de corrupção na Petrobras, que eram objeto de investigação pela Polícia Federal, no âmbito da Operação Lava Jato.

Em julho de 2017, Lula foi condenado pelo juiz Sérgio Moro e recebeu a pena de nove anos e seis meses pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no processo do apartamento tríplex do Guarujá. TORNANDO-SE INELEGÍVEL e não podendo disputar a Presidência.
...

Depois de toda a M* jogada no ventilador... O então candidato a presidente, Fernando Haddad um acadêmico, advogado e político brasileiro, filiado ao Partido dos Trabalhadores. Manuela d'Ávila, foi escolhida por Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores, como sua candidata a vice-presidente. 

O candidato Fernando Haddad, Na sua primeira campanha cagou no maiô com o slogan:
"VAMOS DEVOLVER O PAIS AO LULA!"
Não. O GIGANTE ACORDOU! Atrasado e um tanto sonolento... Foi uma eleição cheio de minorias. As 58 milhões de pessoas estavam cansadas de serem divididos... Como diz aquela música do Marcelo D2 "Sub-julgado/ sub-traído/Sub-bandido de um sub-lugar/ Sub-tenente de um sub-país/ Sub-infeliz...". E cansadas de serem desrespeitadas.

O medo transformou-se em esperança. O meu voto e o voto de milhões de pessoas ja tinham virado ao longo desses dezesseis anos... Eu tenho esperança de um futuro melhor PARA TODOS OS BRASILEIROS!

Vi amigos desfazerem amizades... Filhos cortarem relações com os seus pais... Parece que as pessoas estavam quietinhas... Loucas para arranjarem um motivo para se odiarem... 

Eu fiz inimizades na pós-graduação por causa dessas eleições. Lembro que, eu e mais três colegas estavamos conversando sobre essas eleições...  O medo que nós sentiamos achei que era independente do partido enquanto mulher e tal...  Elas começaram a defender o PT iguinorando completamente TODA A MERDA que fizeram nesses 16 anos.... Eu fiquei quieta, quando fui defender o meu ponto de vista as duas colegas me viram as costas... Tentei conversar com uma colega e ela me ignorou. Embora, eu tenha verbalizado que aquilo tinha me magoado. Essas pessoas não pediram desculpas e ainda uma dessas pessoas me mandou um video pelo direct enoooorme. Achei uma TOTAL falta de respeito.

Agora que as eleições de 2018 acabaram, parem de chamar o coleguinha de facista, maxista, homofóbico... ou milhares de outras fobias diferentes... Principalmente, não tenham partido de estimação! A luta apenas começou companheira.  Vamos continuar trabalhando  e cobrando do Presidente, dos governadores, e dos depultados que foram eleitos democraticamente para representar o Brasil!


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 


5 de novembro de 2018

Canção de Segunda : Pelas Tabelas - Chico Buarque


Há exatamente 30 anos, em um 16 de abril, uma passeata saiu da Praça da Sé em direção ao Vale do Anhangabaú, em São Paulo, para declarar um imponente desejo: “eu quero votar para presidente”. Um milhão e meio de pessoas participaram da maior manifestação das Diretas Já e também a maior da história do Brasil. A enorme mobilização paulistana, que encerrou uma série de protestos e comícios por todo o país, foi insuficiente para a aprovação, no Congresso, da emenda Dante de Oliveira, que permitiria as eleições diretas para a presidência já no ano seguinte. Porém, o movimento abriu caminho para a eleição indireta de uma chapa civil em 1985 e o sufrágio universal em 1989. 

O agito e a inquietação do povo durante as Diretas Já inspiraram Chico a compor Pelas tabelas, música que abre seu disco de 1984 (e que foi regravada em Uma palavra, de 1995). Na canção, um homem procura por uma mulher no meio dos comícios e, claro, fica enlouquecido com o barulho e a movimentação das pessoas. 



Pelas tabelas é um samba difícil de cantar. Ele acelera à medida que passa, ganha intensidade rítmica e vocal e repete freneticamente os seus versos. Em determinado momento, Chico entoa: 

“Eu jurei que era ela que vinha chegando com minha cabeça já numa baixela”. 

Muitos enxergam aí uma referência ao então presidente militar João Batista Figueiredo, homônimo do primo de Jesus Cristo que teve a cabeça cortada e oferecida numa bandeja de prata à amante. Chico Buarque apenas acha graça da analogia. 

Dez anos depois do lançamento, o cantor incluiu a música em seu show, e negava, naquele momento, qualquer conotação política com a decisão. 


Na época, à Folha de S. Paulo, ele disse: 

No show eu canto uma música que fala [de política] e que agora não tem mais nada a ver com o momento em que ela foi composta. Me perguntaram por que essa música política no meio do show. Mas ela é na verdade um pouco a negação disso tudo. (…) É essa confusão do individual com o coletivo, e aponta muito para o individual naquele momento coletivo. Mas a leitura predominante é a política, que é uma leitura viciada. ‘Pelas tabelas’ é um samba que eu gosto de cantar e que estou cantando nesse show porque ele também tem um pouco essa confusão do “Estorvo” [livro de Chico lançado em 1991], essa barafunda mental.


Pelas Tabelas

Ando com minha cabeça já pelas tabelas
Claro que ninguém se toca com a minha aflição
Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela
Eu pensei que era ela puxando o cordão

8 horas e danço de blusa amarela
Minha cabeça talvez faça as pazes assim
Quando ouvi a cidade de noite batendo as panelas
Eu pensei que era ela voltando pra mim

Minha cabeça de noite batendo panelas
Provavelmente não deixa a cidade dormir
Quando vi um bocado de gente descendo as favelas
Eu achei que era o povo que vinha pedir
A cabeça de homem que olhava as favelas

Minha cabeça rolando no Maracanã
Quando vi a galera aplaudindo de pé as tabelas
Eu jurei que era ela que vinha chegando
Com minha cabeça já pelas tabelas

Claro que ninguém se toca com a minha aflição
Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela
Eu pensei que era ela puxando o cordão

Oito horas e danço de blusa amarela
Minha cabeça talvez faça as pazes assim
Quando vi a cidade de noite batendo as panelas
Eu pensei que era ela voltando pra mim

Minha cabeça de noite batendo panelas
Provavelmente não deixa a cidade dormir
Quando vi um bocado de gente descendo as favelas
Eu achei que era o povo que vinha pedir
A cabeça de um homem que olhava as favelas

Minha cabeça rolando no Maracanã
Quando vi a galera aplaudindo de pé as tabelas
Eu jurei que era ela que vinha chegando
Com minha cabeça já em uma baixela
© Lado Milla
Maira Gall