24 de março de 2020

T de TAG (Review)





No inicio do Lado Milla, aconteciam várias TAG´S pela Bloguesfera a fora e por aqui também ... Por exemplo:

O Fotografando Domingos - que se iniciou no mês de Julho/2014 que consiste em, colocar registros fotográficos dos meus finais de semana.- 
Canção de Segunda - surgiu porquê eu queria escrever sobre as musicas que eu estou ouvindo... Sobre os shows das bandas que eu gosto e que vou com frequência.

Nas Terças-Feiras, aconteciam o T de TAG que consiste em colocar aqui, as tag´s em que eu era desafiada a responder. Em tempos de "Quarentena mundial" e para mudar um pouco de assunto... Quero retornar a escrever/responder novamente essa TAG.  



Se Flopar, essas postagens se auto destruirão e fingiremos que isso nunca aconteceu... Por Favor,  divirtam-se comigo.



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 


23 de março de 2020

Canção de Segunda: Nenhúm de Nós




Nenhum de Nós é uma banda de rock brasileira do estado do Rio Grande do Sul fundada em 1986.

O Início

Sady Homrich e Carlos Stein se conheceram nos tempos da primeira série escolar, mais tarde, na quinta série, conhecem Thedy Corrêa. Tudo isso no colégio lasallista Nossa Senhora das Dores, na rua Riachuelo em Porto Alegre. Ali, bem perto do Theatro São Pedro, onde os garotos nem imaginavam, viveriam momentos importantes da futura carreira.

Thedy ganhou um violão aos quatorze anos, foi aluno de violão clássico do professor Afrânio. Carlos, com quinze anos, comprou sua primeira guitarra , juntamente com seu irmão, Thedy e outro amigo em comum formam um grupo folk batizado de Quarteto Jererê. 

Na faculdade, Carlão foi um dos fundadores do grupo Engenheiros do Hawaii. Depois de dois shows, saiu para formar uma banda com os amigos Thedy e Sady, sendo que este tinha na faculdade um grupo de samba-de-raiz chamado "Grupo do Fadinho". Após decidirem formar a banda, Sady começou a ter aulas de bateria com o professor Thabba. O "bat-local" do ensaio era a garagem da namorada de Thedy e contava com: uma bateria improvisada, uma caixa emprestada, um violão convertido fazendo a vez de contra-baixo e uma guitarra (sim, a guitarra era de verdade, o que não evitava as pedras jogadas pelos vizinhos). Depois de algum tempo, ensaiavam quase todas as tardes no bar Bangalô, onde Sady trabalhava como músico.


Nome da Banda

O espetáculo de lançamento do trio com o nome Nenhum de Nós foi no mesmo bar com um público de umas 80 pessoas entre amigos e parentes. Precisavam de um nome para a apresentação. Eles buscavam um nome que provocasse curiosidade e que denotasse algo em comum entre os três: Nenhum de Nós enxerga direito; Nenhum de Nós rodou na escola; Nenhum de Nós foi para o quartel" etc. De tanto se repetir ficou este o nome: NENHUM DE NÓS.


Curiosidades

Já animando alguns bailezinhos de carnaval por aí, se preparavam para abrir um espetáculo do DeFalla na Sociedade de Amigos da Praia do Imbé (SAPI) e, devido a um imprevisto, se atrasaram. Isto fez com que o DeFalla iniciasse seu show e os meninos do Nenhum tocassem depois. O produtor e a banda, que acabou tocando antes, foram obrigados a esperar o show do Nenhum acabar pois eles utilizariam o mesmo equipamento de som. Antônio Meira, o produtor, gostou da música dos jovens e pediu uma "fitinha" demo, que enviou às gravadoras. E, com a imensa bagagem de uns seis shows, foram para a cidade de São Paulo para gravar seu primeiro disco, em junho de 1987.



Integrantes:

Thedy Corrêa: casado e tem uma filha, Stella. O vocalista tem projetos paralelos ao Nenhum de Nós. Exemplos disso são o CD solo Loopcinio, onde faz uma homenagem ao cantor gaúcho, Lupicínio Rodrigues e o livro Bruto que acaba de lançar.

Veco Marques: formado em Publicidade e Propaganda pela Unisinos. Toca violão e, para o Nenhum de Nós Acústico 2, mandou trazer uma sitar da Índia.
Carlos Stein: costumam dizer que Carlão é "o cara", pois além de tocar em uma das grandes bandas do rock brasileiro, ajudou a fundar os Engenheiros do Hawaii.

Sady Homrich: este "abominável homem da bateria" já nasceu com as baquetas na mão. Formado em Engenharia Química pela PUCRS, diz que na estante não faltam livros de química e de metafísica. Sady usa baterias e peles RMV, baquetas Pro-Star e pratos Orion.

João Vicenti: o mais novo integrante da banda nasceu em 11 de agosto de 1965. Foi o último músico a se juntar ao Nenhum de Nós. Cursou faculdade de Educação Física, na FUNBA.




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 


20 de março de 2020

Show: “Contos de Água e Fogo” Nenhum de Nós


No dia 18 de maio de 2012, a banda gaúcha Nenhum de Nós apresenta no teatro Pedro Ivo, na Capital, um show em celebração aos seus 25 anos de carreira. O grupo foi um dos primeiros da cena roqueira nacional a incorporar o acordeon entre seus instrumentos, assumindo uma sonoridade regional característica. Formada ainda pelos mesmos integrantes desde seu início, a banda tocou as canções do disco “Contos de Água e Fogo” e sucessos já conhecidos do grande publico como “Camila Camila”, “Astronauta de Mármore” (versão para Starman, de David Bowie) e “Paz e Amor”.


Nesses 25 anos, , o Nenhum de Nós vendeu mais de um milhão de discos e cerca de 1.600 apresentações. Os roqueiros gaúchos conseguiram o reconhecimento do público da crítica e hoje contam com uma fiel legião de fãs em todo o país. Mais maduros musicalmente, a banda chega ao 25º aniversário em plena forma, e com novidades.



Décimo quarto disco do grupo, “Contos de Água e Fogo”, lançado em 2011, marcou o jejum de seis anos da banda sem lançar nada novo.

“Demoramos tanto tempo por uma questão logística. Não temos essa ansiedade de fazer um trabalho atrás do outro. Acreditamos na consistência artística de cada projeto”, afirma o vocalista Thedy Corrêa.



  
A faixa que abre o álbum, “Correntes”, remete ao ano de 1986, quando O Nenhum de Nós estourou no Brasil com o hit “Camila, Camila”. A canção tem uma pegada mais pesada e coloca as guitarras em evidência. Mas o disco também traz composições inspiradas na folk-music e arranjos de viola e bandolim.

Eu sempre estou "conhecendo" alguma musica nos shows que acaba descrevendo um momento importante na minha vida como julho de 83 que descreve o meu primeiro beijo... E nesse show de maio/2012, a musica Primavera No Coração descreveu outros momento um tanto quanto complicado diferente do ano doce que eu tinha planejado. 
Uma noite veio uma banda tocar/E ela foi com as amigas até lá/ Cantou, dançou e sem saber bem porquê, chorou...♫




OBS1: Foi a primeira vez que levei a minha câmera Canon T3 ao teatro para fotografar um show.

OBS2: O nome da minha câmera Canon T3 é Pequenã por causa da musica  "Pequenã" do Nenhum De Nós


© Lado Milla
Maira Gall