7 de setembro de 2020

Fotografia: Fotografando Livros...


Desde a época em que cursei Fotografia eu me identifiquei com vários segmentos do mercado de fotografia profissional.: Palco, Natureza, modelos e por ultimo, oque estou usando muito ultimamente...
Produto

Uso uma câmera fotografica profissional canon rebel t3i com a lente do kit e a queridinha dos fotógrafos Cinquentinha
Fotografia de Produto é um nicho consiste em registrar e capturar produtos a serem vendidos ou divulgados. Um dos pontos mais importantes a se lembrar nesse gênero de fotografia é: o objetivo final é vender o produto fotografado, sempre. Por isso, é necessário que o fotógrafo conte com a habilidade de transmitir o valor do produto através da imagem. 

Procure objetos bacanas que "comversem" com a narrativa que tem no livro. Por exemplo os livros de enciclopédia do meu pai no canto da foto. E objetos que estão em harmonia com a sua identidade visual. por exemplo: As rendas de Bilro que são patrimonio cultural da minha cidade e são feitas pela minha vó.

Quando eu comecei a fotografar os livros, tanto para as minhas Resenhas Literárias aqui no Blog, quanto no Expresso Literário eu fui começando a perceber que eu precisava entender o "produto" que eu estava fotografando. Nesse caso, o livro: Eu preciso saber a narração, enredo os Personagens importantes... Sim, eu preciso ler a história para a composição da fotografia. Afinal, a Fotografia do Livro também é parte da construção da identidade visual. 

Procure objetos bacanas que "comversem" com a narrativa que tem no livro. Por exemplo; A chave e o gato preto.

Depois de ler o livro... É importante começar o o trabalho com um "briefing" completo para entender a sua Identidade Visual que é o seu estilo de fotografia. 


  • Qual o objetivo para a fotografia do livro? 
  • Onde as imagens serão exibidas? As fotografias serão exibidas no seu Blog ou instagram.
  • Qual o público alvo da marca? O público alvo são leitores dos diferentes gêneros literários.
  • Qual é o Gêneros Literário do Livro? 
  • Qual é a identidade visual? 
  • Essa coleção ou esse produto possuem um público ou conceito específico para eles? 
  • Qual será o tipo de fotografia de produto? Fundo branco; Contexto; Ambos. 
A fotografia de produto é um nicho consiste em registrar e capturar produtos a serem vendidos ou divulgados. aprendemos o quanto importante de se conhecer o produto que estamos fotografando. 

Os livros da enciclopédia do meu pai  e a xicará de chá e o pires que fazem parte do jogo de Bodas de ouro dos meus avós.

Você conhece quais são as partes 
de um livro impresso? 



editora Palco escreveu um artigo sobre todas as partes que compõem um livro impresso e entender a importância de cada uma delas e alguns termos técnicos que compõem um livro. 


Capa 

A capa é considerada o cartão de visita de um livro, pois além de protegê-lo serve como chamariz para os leitores. Nela você irá encontrar o título da obra, nome do autor(a) e a editora em que ela foi publicada. 

Quarta Capa ou Contracapa 

É a parte de trás do livro, nela consta a sua sinopse e podemos conhecer sobre do que se trata a obra. 

Obs: A área interna da capa é denominada segunda capa e a área interna da contracapa é chamada de terceira capa. 

Lombada 

É a parte que liga todas as folhas do livro e dá sustentação ao material. Na lombada também deve constar o nome do livro, nome do autor e o logo da editora em que ele foi publicado para que seja fácil a identificação do livro se ele estiver guardado em uma estante. 

Primeira Orelha 

Esta parte do livro geralmente contém um pequeno texto onde o tema da obra é mais aprofundado. 

Segunda Orelha 

Na segunda orelha consta um pequeno texto sobre o autor da obra.


Conhecendo o segmento de fotografia que eu vou fotografar e qual é  o Produto que irá ser fotografado. O próximo passo, é montar um cenário condizente com a sua "Identidade Visual" e com o estilo voltado para livros. Escreverei mais sobre "Fotografar e montar um cenário com um estilo voltado para livros" em um próximo post para não ficar um texto grande e cansativo.





Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também:

4 de setembro de 2020

Resenha:Tartarugas Até Lá Embaixo - John Green

 




TituloTartarugas Até Lá EmbaixoAutor: John Green
Ano: 2017

Páginas: 237
Idioma: português
Editora: Intrínseca 
Avaliação: ☕☕☕☕☕💓

Sinopse: A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.


O livro Tartarugas Até Lá Embaixo eu adquiri quando eu era assinante do Turista Literário ... As expectativas dos leitores que conheciam o John Green pelo "A Culpa é das Estrelas" eram enormes... Até pra o próprio autor, ele fala claramente isso em uma das suas entrevistas . Acredito que a minha demora em ler esse livro foram o tempo suficiente para curtir a leitura! 



A Capa de Livro é Tipográfica: Ao desenvolver uma capa tipográfica o designer busca valorizar as palavras que irão compor a capa do livro. Durante o processo criativo ele pode ser minimalista como pode ser extremamente expressivo. Tudo isso vai depender do tipo de fonte tipográfica que ele irá utilizar em sua composição. No caso de Tartarugas até lá embaixo o papel da Intrínseca foi mais de adaptação de uma arte que foi criada para o livro lá de fora, mas o trabalho foi bastante bem feito. 

O livro Tartarugas até lá embaixo tem diversos gatilhos ao longo das páginas. Então, se você é uma pessoa com altos níveis de ansiedade, com tendência a TOC, com pensamentos intrusivos, com dificuldade para lidar com automutilação (mesmo as mais leves possíveis), peço que considere ler Tartarugas até lá embaixo somente quando estiver bastante estável.

No inicio, somos apresentados a Aza Holmes uma adolescente de 16 anos que lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) ao decorrer da leitura somos convidados a entrar na espiral junto com a Aza. Em um movimento alucinante e descendente de descontrole e de pensamentos ruins e tristes da personagem.

“O ser humano é tão dependente da linguagem que, até certo ponto, não consegue entender o que não podemos nomear. Por isso presumimos que as coisas sem nome não são reais. Usamos termos genéricos, como maluco ou dor crônica, termos que ao mesmo tempo marginalizam e minimizam. Dor crônica não exprime a dor inescapável, persistente, constante, opressiva. E o termo maluco chega até nós sem nem um pingo do terror e da preocupação que dominam você. E nenhum dos dois transmite a coragem das pessoas que enfrentam esse tipo de dor. (…)” p.88/89
O autor John Green consegue de forma sutil indicar na sua escrita que a Aza está entrando em crise, e vai aumentando a pressão e a tensão na forma como escreve e descreve o crescendo da crise. Colocando o leitor entre uma linha tênue entre ficção e a realidade nos colocando naquele cantinho frio e escuro da mente da personagem Aza.
“Penso: Você nunca vai se livrar disso. Penso: Você não controla seus pensamentos. Penso: Você está morrendo, e dentro de você tem bichos que vão comer seu corpo até irromperem pela pele. Eu penso e penso e penso.” p.91

Eu já tive outras experiências literárias que o personagem tinha algum sofrimento psicológico. Não é o meu estilo preferido de narrativa mostrando-se na maioria das vezes um tipo de leitura angustiante... 


Quando comecei a ler Tartarugas até lá Embaixo eu já estava acostumada com o tipo de literatura do John Green ele te faz sentir as coisas que os personagens estão sentindo no decorrer da leitura.

Eu me apeguei a personagem Aza de uma maneira especial. Foi necessário ler o que se passa com alguém com sérios problemas mentais. Uma pessoa que estava cercada de quem realmente se importava com ela, mas mesmo assim, seus problemas eram tão gigantes que não permitiam que enxergasse fora do seu próprio mundinho. Aza é sim muito auto - centrada e egocêntrica. Mas ela não consegue fugir da espiral da ansiedade e da angústia que é viver dentro de seu próprio corpo, com uma mente que a sabota a todo o momento

“Acho que não gosto de ter que viver num corpo, se é que isso faz sentido. Acho que talvez, no fundo, eu seja só um instrumento, uma coisa que existe apenas para transformar oxigênio em dióxido de carbono, um mero organismo nessa… nessa imensidão toda. E é um pouco aterrorizante pensar que o que eu considero como o meu… abre aspas, meu eu… fecha aspas… não está nem um pouco sob o meu controle.” p.102

O Transtorno Obsessivo Compulsivo tem várias nuances... E nenhuma delas é tão simples de não compreender cada pensamento: você não precisa ficar abrindo um machucado o tempo todo para ver se está infectado ou com pus. Muitos menos para reforçar a sensação de que você é você e está aqui. É óbvio que você não pegou uma bactéria mortal só porque entrou em um hospital.

“(…) E se a gente não pode escolher o que faz nem o que pensa, então talvez a gente não seja real, sabe? Talvez eu seja uma mentira que estou sussurrando para mim mesma e nada mais.” p.102

Sentimos uma tristeza que ela sente pela inadequação social que ela representa. Dá pra sentir todo o medo que Aza sente de que, talvez, ela nunca se torne um adulto funcional, e sempre dependa da mãe e de remédios para mantê-la estável.

A relação com os remédios é outra coisa que deixa você angustiado. É óbvio que os remédios ajudariam a estabilizar sua mente e a encontrar mais tranqüilidade na sua rotina. Mas os remédios na verdade são uma fonte de contradição e angústia para ela, porque como ela pode ser normal se precisa de medicação para estar entre outras pessoas normais? Senti falta de um possível atendimento Psicológico onde talvez diminuiria a angustia  de Aza.



A mente de Aza é o principal condutor da história... O  mistério do desaparecimento do pai de Davis foi uma forma de trazer Davis de volta para a vida de Aza, construir mais um pilar de desenvolvimento em sua “inadequação” social e de relacionamento com as pessoas. Antes a gente só conhecia seu relacionamento com Daisy, a “melhor amiga” que estuda na mesma escola. Com Davis, a gente passa a ver seu relacionamento amoroso, e como também pode ser mais uma fonte de tensão para Aza.

As minhas leituras de 2020

Davis e Aza são amigos desde pequenos, mas se afastaram com o passar dos anos. A princípio o ressurgimento de Aza na vida de Davis gera toda uma suspeita se é por conta da recompensa por informações sobre o desaparecimento de seu pai, ou por conta da amizade deles mesmo. 
Mas reconectar com Davis traz sentimentos que Aza não percebeu que existiam e também toda uma série de problemas a serem desenvolvidos por culpas de abraços, beijos, e interações que namorados costumam ter.

De certa forma, todos os personagens com que ela interage são “quebrados” à sua maneira. Mas perto de Aza, eles conseguem passar uma normalidade que a menina não consegue alcançar. Davis é o menino rico mas que cresceu sem nenhuma demonstração de amor paterno; Daisy é a menina pobre que vive “à sombra” da amiga complicada e difícil; Mychal é o artista que quer encontrar seu espaço e conquistar o coração da amiga; a mãe de Aza tem que lidar com o sofrimento de ter perdido o marido e não conseguir “controlar” os distúrbios da filha…

“(…) No fundo ninguém entende o que se passa com o outro. Está todo mundo preso dentro de si mesmo.” p. 228
 “É como se, quando eu olhasse para mim mesma, não visse nada definido… só um monte de pensamentos, atos e contextos. E muitos na verdade nem parecem meus. Muitos pensamentos eu não quero pensar, muitas coisas eu não quero fazer, é mais ou menos isso. Quando procuro o que eu sou, nunca encontro.” p.228

Tartarugas até lá embaixo não é um livro feliz... Nas ultimas páginas. eu tive impressão de estar lendo "Uma aflição imperial..." [ Só os leitores do "Culpinha" vai entender essa referencia]. Okay!

“O problema dos finais felizes é que ou não são realmente felizes, ou não são realmente finais, sabe? Na vida real, algumas coisas melhoram e outras pioram. E aí a gente morre.” p. 258


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 

2 de setembro de 2020

Semana 23 - Coisas que me incomodam no mundo contemporâneo:




Encontrei o projeto 52 semanas bem bacana na Blogosfera que consiste em citar 5 respostas para cada uma das 52 perguntas abaixo, fazendo assim, um Top 5 por semana. É o projeto mais longo que eu já participei... Mas, parece ser divertido !!! Pretendo responder ao projeto todas as Quartas-Feiras. 


Pessoas invasivas: Pessoas que invadem o espaço alheio me incomodam demais.


Pessoas egoístas: Eu sempre estou me monitorando para pensar mais nos outros do que em mim em primeiro lugar mas, o que eu mais observo é cada vez mais pessoas olhando só para o "seu próprio umbigo" e não se sentindo nem um pouco culpada.


"Vamos combinar qualquer dia!": Quantas vezes você já ouviu (ou falou) essa frase e no final o que deveria ser combinado nunca acontece? Não sei dizer se isso é uma exclusividade do mundo contemporâneo, mas sinto que essa situação tem se tornado cada vez mais frequente.

Pessoas grosseiras: Uso aquela velha máxima: Não faça aos outros oque não gostaria que fizessem com você. Tento não ser grosseira com as pessoas porque detesto que as outras pessoas sejam grosseiras comigo.

Fofocas: Ou o famoso "disse que me disse". Quer me deixar irritada em uma conversa é começar  dizendo _ Porque me disseram...  aff, solto os cachorros mesmo, sem moderação.




Qual as coisas que incomodam você no mundo contemporâneo?

Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

© Lado Milla
Maira Gall