17 de setembro de 2020

Resenha: Por Lugares Incríveis, Jennifer Niven


livro Por Lugares Incríveis 
Autora Jennifer Niven
Editora: Seguinte
Avaliação: ☕☕☕💦

Ontem, eu terminei de ler o livro Por Lugares Incríveis da autora Jennifer Niven. A narração do livro é dividida em dois ponto de vistas diferentes de um garoto que sofre como Transtorno de Bipolaridade. E uma garota que está vivenciando o luto da imã mais velha de uma maneira um tanto que peculiar. Os personagens importantes da história são Violet Markey e Theodore Finch eles se encontram quando Violet Markey está em cima da ponte pensando em tirar a sua própria vida.

Esse livro contém gatilhos pois fala sobre: bullying, transtornos mentais e sofrimentos psicológicos e suicídio na juventude. 

Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, a garota se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família. 



Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los. 

"Aprendi que existem coisas boas no mundo, se você procurar por elas. Aprendi que nem todo mundo é uma decepção, incluindo eu mesmo, e que um salto a 383 metros de altura pode parecer mais alto que uma torre do sino se você estiver ao lado da pessoa certa"
JENNIFER NIVEN foi criada em Indiana, mas hoje mora com o marido e muitos gatos em Los Angeles, seu lugar preferido para andanças. É autora de Por lugares incríveis (2015) e Juntando os pedaços (2016), ambos best-sellers do New York Times. Também escreveu quatro romances para adultos, três livros de não ficção e, em parceria com Liz Hannah, o roteiro do filme de Por lugares incríveis, lançado em 2020 pela Netflix. 



Você merece coisa melhor. Não posso prometer que vou estar por perto, não porque eu não queira. É difícil explicar. Sou problemático. Estou despedaçado, e ninguém pode me consertar. Eu tentei. Ainda estou tentando. Não posso amar ninguém porque não é justo com quem me amar de volta. Nunca vou machucá-la, não como quero machucar Roamer, mas não posso prometer que não vou desmanchá-la, pedacinho por pedacinho, até você ficar em mil caquinhos, como eu. Você tem que saber no que está se metendo antes de se envolver.

Esse livro chegou em minhas mãos em uma dessas voltinhas despretensiosas na livraria em 2016... Ontem, quando eu finalmente terminei de ler esse livro percebi que "Esse livro me destruiu por dentro...". Mas, esse é o ponto, quantas vezes precisamos ser destruídos para construirmos uma nova versão de nós mesmos? 

"Não é culpa sua. E ficar pedindo desculpa é perda de tempo. Você tem que viver sem arrependimentos. É mais fácil fazer a coisa certa desde o início pra que não tenha que pedir desculpas depois."

Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, a garota se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e chamado de "aberração" por onde passa. Para piorar, é obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família. 


O livro Por Lugares Incríveis da autora Jennifer Niven é um romance que foi escrito para a faixa etária Infanto Juvenil de uma maneira inteligente e bastante didática. Nessa faixa etária, o adulto é um papel de referência na vida desse jovem adolescente e nos livros YA os adultos são sempre descritos como irresponsáveis, pais negligentes, violentos... 
Mas não sou um conjunto de sintomas. Não sou uma vítima de pais horríveis e de uma composição química mais horrível ainda. Não sou um problema. Não sou um diagnóstico. Não sou uma doença. Não sou uma coisa que precisa ser salva. Sou uma pessoa.
Porém, o que me incomodou bastante foi o Conselheiro Escolar (embrião) ser descrito de uma maneira irresponsável tratando a saúde mental de um jovem Theodore Finch como uma conversa sem empatia e sem saber lidar com adolescentes. Eu fiquei lembrando dos meus estágios em Psicologia Escolar e o quanto é necessário um profissional qualificado em um ambiente escolar. Durante toda a narrativa observamos o Theodore Finch querendo "salvar" Violet Markey da sua até então " figura de referência" que era a sua irmã mais velha. Mesmo com todo o seu sofrimento ele fez Violet Markey viver momentos incríveis. Apesar de todos os pontos positivos e negativos eu achei uma leitura emocionalmente Boa.



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também:

16 de setembro de 2020

Semana 25: Tenho aflição de:



Encontrei o projeto 52 semanas bem bacana na Blogosfera que consiste em citar 5 respostas para cada uma das 52 perguntas abaixo, fazendo assim, um Top 5 por semana. É o projeto mais longo que eu já participei... Mas, parece ser divertido !!! Pretendo responder ao projeto todas as Quartas-Feiras. 


Aflição
Substantivo feminino
1. Estado daquele que está aflito.
2. Sentimento de persistente dor física ou moral; ânsia, agonia, angústia.





1. baratas voadoras
A barata em si, já é um inseto nojento e o fato de alguns desses insetos voarem já me causam aflição...


2. barulho de talheres

Rolou até um arrepio (ruim) aqui. Sempre que ouço esse barulho perturbador não importa o tamanho da minha fome, eu paro imediatamente o que tô fazendo e me coloco em posição fetal até o barulho cessar. E ele sair da minha mente.



3. TV alta
Quando a gente aumenta um volume, seja da TV, seja de uma música, é porque estamos dispostos a escutar barulho, mas quando somos forçados a conviver com eles é uma tortura sem fim. Parece que você escuta sons que jamais escutaria se você tivesse disposto a escutar.

4.Gente que come de boca aberta
Pouca coisa me deixa tão aflita quanto conseguir ouvir outra pessoa mastigando. A minha vontade realmente é bater a cabeça contra a parede até o barulho parar.

5. Conversar sobre a prova nos instantes antes e depois
Isso me deixo nervosa, ansiosa... me dá aflição.


Quais são as coisas que
  lhe causam aflição??? 




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):
Snapchat: Lmilla5

14 de setembro de 2020

Resenha: Auggie&Eu - Três histórias Extraordinárias







Auggie&Eu- Três histórias Extraordinárias 
R. J. Palacio
Ano: 2015 
Editora: Intrínseca
Avaliação:☕☕☕☕☕ 




O livro Auggie&Eu- Três histórias Extraordinárias não é uma continuação do livro Extraordinário e sim um complemento da história. Sim, você terá que ler o livro para conseguir entender o decorrer da história. O livro é divido em 3 diferentes perspectivas. Tornando-se a narrativa mais atraente e com uma história mais rica. Quando não foca em somente em um personagem como no livro Extraordinário.



Os Personagens Importantes ganham novas perspectivas: Julian, Christopher e Charlotte, personagens da vida de Auggie, narram nos três contos reunidos no livro Auggie e eu seus encontros e desencontros com o amigo extraordinário. 



A história de Auggie Pullman, o menino de aparência incomum que tem encantado milhares de leitores desde o lançamento do romance Extraordinário, em 2013, ganha agora novas perspectivas: Julian, Christopher e Charlotte, personagens da vida de Auggie, narram nos três contos reunidos no livro Auggie e eu seus encontros e desencontros com o amigo extraordinário: 

O capítulo do Julian dá voz a um personagem controverso: o menino que liderava o bullying contra Auggie na escola. Enfim temos a oportunidade de entender o que o levou a agir dessa forma e o que Julian pensa das próprias ações. 

Em Plutão, o narrador é Christopher, o primeiro amigo de Auggie. Os dois meninos compartilham lembranças da infância e, apesar de terem se distanciado, aprendem que boas amizades sempre valerão um esforcinho a mais. 

Shingaling mostra Auggie pelos olhos de Charlotte, a única menina entre as três crianças escolhidas para apresentar a Auggie sua nova escola. Com ela entramos no universo das garotas e vemos como a chegada de Auggie afetou as relações entre elas. Para quem sente saudades do menino cativante de feições e personalidade extraordinárias e tem curiosidade em saber mais sobre sua história, Auggie & eu é um verdadeiro presente. A narrativa do livro As Ilustrações das crianças servem como divisória dos capítulos do livro. Atenção! Esse livro contém gatilhos de bullying em ambiente escolar.

R. J. Palácio mora em Nova York com o marido, os dois filhos e dois cachorros. Por mais de vinte anos foi diretora de arte e designer gráfica, trabalhando nos livros de outras pessoas enquanto esperava o momento certo para começar o próprio romance. Sua estréia na literatura foi com Extraordinário. Desde que eu ouvi a história do livro Extraordinário em um dos eventos da Intrínseca eu fiquei encantada! Não vendo a hora de ler esse livro

A narrativa do livro Auggie&Eu é dividido em três contos: capitulo de Julian: Julian não era apenas um menino mimado... Seus pais arrumavam justificativas para cada ato que ele cometia. No começo, Julian é apenas um garoto petulante da maneira como ele trata o Auggie chamado ele de "monstro" e o seu possível transtorno de ansiedade e pesadelos parece um tanto dramático típico de um garoto mimado como Julian. Mas, a vida tem um jeito um tanto peculiar de nos ensinar... Depois do castigo do diretor Busanfa e isso inclui não ir para a "colônia de férias"seus pais lhe mandam passar as férias em Páris. Depois de uma conversa emocionante e esclarecedora com sua vó, Julian consegue perceber como as suas atitudes foram cruéis e pela primeira vez sente remorso das atrocidades que ele cometeu com Auggie em vez de arrumar "justificativas" mudou o seu comportamento e escreveu o mais bonito preceito "È preciso recomeçar".

“Julian. Você é tão novo. Você sabe que as coisas que fez não estavam certas. Mas isso não significa que você não seja capaz de fazer o que é certo. Significa apenas que escolheu o caminho errado. Foi isso que quis dizer quando falei que você cometeu um erro.”



No capitulo de Plutão, conhecemos o ponto de vista de Christopher. Amigo de August desde que tinha poucos dias de vida. Como cresceram juntos, ele nunca viu Auggie como diferente. Pelo contrário, ele só percebeu que havia algo de errado quando atitudes das pessoas de fora começaram a se manifestar. Com o passar do tempo, eles se distanciam, Chris faz novas amizades e isso vai brotando em sua cabeça, pouco a pouco, pensamentos egoístas em relação a sua amizade com Auggie. ele e considera essa amizade mais difícil de manter do que com outros garotos. É preciso algo inesperado para que ele perceba a importância da família e das amizades verdadeiras.




No capitulo de Shingaling, conhecemos o ponto de vista de Charlotte (a garota que fez parte da comissão de boas-vindas de Auggie com Julian e Jack Will). Charlotte é uma garota gentil, nunca tratou Auggie de maneira ruim como seus colegas, mas nunca o defendeu também. Na verdade, ela procurou se manter neutra quando o assunto era a guerra entre os garotos. Este capítulo é bem focado em amizade, principalmente sobre ter amigos que gostam de você exatamente como é, sem a necessidade de tentar se “moldar” para se encaixar em alguma turma ou aparentar ser diferente para que o admirem. Traz mensagens muito bonitas sobre o que realmente importa.


Julian não era apenas um menino mimado... Seus pais arrumavam justificativas para cada ato que ele cometia. 

No inicio, Julian é apenas um garoto petulante da maneira como ele trata o Auggie chamado ele de "monstro" e o quanto o transtorno de ansiedade foi usado apenas para justificar um comportamento babaca e os seus pesadelos parecem um tanto dramático típico de um garoto mimado como Julian. 


“[…] Eu cometi um erro com Tourteau. Mas o bom da vida, Julian, é que ás vezes podemos consertar nossos erros. Aprendemos com eles. Nós nos tornamos pessoas melhores. Nunca mais cometi com ninguém o erro que cometi com Tourteau. E tive uma vida muito, muito longa. Você também vai aprender com esse erro. Deve prometer a si mesmo que nunca mais vai se comportar assim de novo. Um erro não define quem você é, Julian. Entende? Você pode simplesmente fazer a coisa certa da próxima vez.”


Mas, a vida tem um jeito um tanto peculiar de nos ensinar... Depois do castigo do diretor Busanfa e isso inclui não ir para a "colônia de férias" seus pais lhe mandam passar as férias em Páris. A conversa com sua vó foi esclarecedora e emocionante. Julian consegue perceber como as suas atitudes foram cruéis e pela primeira vez sente remorso das atrocidades que ele cometeu com Auggie em vez de arrumar "justificativas" mudou o seu comportamento e escreveu o mais bonito preceito "È preciso recomeçar". Quantos Julian's você já conheceu? Você já foi um Julian na vida de alguém? Quando eu terminei de ler o capitulo do Julian senti vontade de abraçar forte esse personagem com a sua coragem de mudar o seu comportamento e atitude ele pode tornar-se alguém melhor.

“—Estou orgulhosa de você, Julian. —Você acha que ele vai me perdoar? —Isso é com ele. No fim, mon cher, tudo o que importa é que você se perdoe. Você está aprendendo com seu erro. Como eu aprendi com Tourteau.”




Auggie&Eu - Três histórias Extraordinárias Juntamente com o livro O Extraordinário é um dos meus livros preferidos ouve uma identificação com a mensagem que a história tenta transmitir que é Quando você não sabe o que fazer, simplesmente seja gentil. Não tem como dar errado.




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também:

© Lado Milla
Maira Gall