30 de setembro de 2021

TAG: CAFÉ LITERÁRIO

 Saudades de responder TAG´S por aqui... Procurando na Blogosfera & Bookstagram uma Tag Literária para responder la no meu Blog Literário encontrei a TAG: CAFÉ LITERÁRIO que foi criada pela Ingrid do Bookstagram @adoidadoslivros e quis trazer esse tipo de conteúdo para cá também.




☕ Café Expresso:
 Um livro curtinho - até 100 páginas


O Pequeno Cidadão nasceu em 2009, num CD gravado por Arnaldo Antunes, Edgard Scandurra, Taciana Barros e Antonio Pinto só com músicas para crianças. Inspirada pelas letras das músicas, Januária Alves criou A fantástica viagem do pequeno cidadão. O Pequeno Cidadão – um menino muito esperto, inteligente e curioso. Já nasceu com 7 anos e saiu direto de dentro de um CD cheio de músicas divertidas para as páginas deste livro que você vai ler. Acompanhado de seus amigos, o pássaro uirapuru Tangará, o sapo-boi Coach, a boneca Susi, entre outros, ele vai partir do seu Planeta X e viajar por muitos outros planetas, aprendendo que poder escolher o que queremos fazer na vida é o “grande X da questão”!

☕ Café Gelado: 
Um livro com um personagem muito frio. 



O Paul Inverness do livro Para Sempre Vou Te Amar tem um é um senhor aposentado e bastante carrancudo. Ele só quer a tranqüilidade que somente a privacidade de sua casa e o seu cachorro lhe proporciona.

☕ Café Com Leite: 
Um livro infanto-juvenil que você ama.


 Conheci o livro Coraline ano passado em uma LC e realmente amei. Coraline é uma leitura infanto-juvenil dos gêneros de: Fantasia, Horror e Ficção Científica com uma narração bastante adequada para esse público...

☕ Café Feito no Coador:
 Um livro clássico que você ama. 



Um livro clássico da literatura juvenil que amo demais é Alice no pais das maravilhas edição da Ed. Zarrar.


☕ Café Feito na Cafeteira: 
Um livro que você leu recentemente e adorou: 



O livro O Principe e a Costureira; A amizade do Sebastian e Frances e a busca da realização dos seus sonhos no decorrer da história. Deixa toda a narrativa do decorrer da história com aquele quentinho no coração... Essa é a minha experiência literária com Graphic Novel e é um tipo de leitura rápida.Embora, eu não quisesse terminar a leitura tão cedo.

☕ Café Forte: 
Um livro que mexeu com seu emocional de tão forte que era o tema.



A Guerra Que Salvou a Minha Vida da Kimberly Brubaker Bradley é um livro que realmente mecheu com o meu emocional tanto pela narrativa da história se passar na segunda guerra mudial quanto pela deficiência nos pés de Ada. Pois, tenho vergonha dos meus pés feios...

☕ Café Fraco: 
Um livro que te decepcionou.


Quando eu terminei a leitura do livro Cores Vivas (Orange boy) da escritora Patrice Lawrence eu percebi que "a empatia é um exercício constante..." e o quanto é necessário ter empatia também pelos personagens literários. Marlon um adolescente negro de 16 anos e um nerd com um repertório musical invejável...Mas, um garoto imaturo tanto por sua idade quanto na "bolha" de proteção que ele foi criado. Eu fiquei decepcionada pois, esperava um final aberto, como um suspense.

Café Com Adoçante: 
Um livro light para ler em dias tensos.




O livro Passarinha (Mockingbird) daa utora Kathryn Erskine. O livro é carregado de simbologias e metáforas que, apesar de belas e profundas, não são complicadas a ponto de não deixar o leitor sem entender o que a autora quis passar com aquilo. De fato, Kathryn Erskine precisa ser elogiada pela sua escrita, que é leve e bem humorada da mesma maneira que é complexa e emocionante. Além da história, Passarinha é um livro que dá gosto de ler pelo modo inteligente e tocante conforme foi escrito.

☕ Café Com Açúcar: 
Um livro com um casal clichê que aqueceu seu coração.



Eleanor do livro Eleanor&Park. Essa é a história de dois adolescentes que não se encaixam muito bem: Eleanor é ruiva, cabelos cacheados, com problemas familiares e roupas velhas que não caem bem nela. Park é metade coreano, metade americano, com seus próprios problemas em casa, apesar da familia quase perfeita. Mesmo "imperfeitos" se aproximam e vivem um típico romance adolescente. O assunto em comum entre os dois giram em torno de HQs e músicas... [Resenha]


☕ Capuccino: 
Um livro para ler em qualquer momento.



Em 2011 a livreira Lilian Dorea criou o blog [manual prático de bons modos em livrarias], para revelar histórias saborosas e hilárias de seus atendimentos em livrarias. O sucesso foi imediato e ela passou a receber relatos de outros livreiros. Agora, transformado em livro, ela reúne os melhores "causos" do blog, histórias inéditas, curiosidades, dicas de livros, blogs, sites e, claro, livrarias e sebos. Se você quiser evitar ser o novo protagonista de um post do [manual prático de bons modos em livrarias] é melhor ler este livro com toda atenção e aprender a "etiqueta" das livrarias.

26 de setembro de 2021

Cosy Diary #01

Compartilhando as coisas boas da minha semana


Ano passado, eu comecei a escrever o Diário de Quarentena no inicio da pandemia. Mas, eu acabei travando a minha escrita quando trata-se de escrever sobre a minha vida... Sinto falta de escrever no blog pessoal sem pensar em um "nicho" especifico. Por isso, tentarei trazer um pequeno resumo da minha semana com maior frequência, para deixar registrado na categoria cozy. Me inspirei no conteúdo da Clayse Sai da Minha Lente que se inspirou no conteúdo da Dai, do Colorindo Nuvens.

Tomei a minha primeira dose da vacina 



Pfizer (ta passada?). Mesmo assim, continuo seguindo as restrições e mantendo os mesmos cuidados. Há mais de um ano e meio sem sair de casa para lazer; Saudades dos amigos de estrada estou sentindo falta dos shows das bandas que eu gosto. Saio apenas para obrigações com médicos, supermercados e ir no final de semana na casa dos meus avós seguindo todos os rituais de higiene necessárias...

Comprei sandálias Melissa: 



A minha mãe é louca por bolsas & sapatos! Nesse ponto, a genética falhou miseravelmente comigo. Eu consigo contar nos dedos da mão esquerda a quantidade de bolsas e sapatos que eu tive na vida. Eu tenho uma questão por causa dos meus pés... Na época, eu comprava somente um tênis por ano! Eu lembro de usar Melissa na infância... Mas, nunca mais tinha visto um modelo de sandália [Melissa Aranha 79 Special] que ficasse legal nos meus pés [FOTO] e esse modelo é o meu queridinho dos últimos anos...

FIZ A PRIMEIRA TATOO :




 Eu acho que eu já tinha escrito sobre a vontade de fazer uma tatuagem em uma postagem no estilo Coisas que eu gostaria de fazer antes dos 30 anos mas coragem que é bom, nada. Na verdade, não era bem coragem que faltava mas sim dar um sentido legal para um rabisco que iria ficar no meu corpo para sempre... Quando eu encontrei esse desenho do eletrocardiograma com um pinscher rondando a internet eu guardei nos meus arquivos do computador e decidi que queria esse desenho no meu pulso. O significado é além do meu amou amor pelo Sr. Fernandão. 

SOBRE O TRABALHO DE FORMIGUINHA...



Eu já estava trabalhando em Home Office antes mesmo da quarentena.

Ano retrasado, eu comecei a trabalhar com Formatação de trabalhos acadêmicos. Como todo trabalho, tem "dores de cabeça" o pessoal acha que é só eu expirrar e sai um trabalho acadêmico pronto! Sempre explico que é um trabalho de formiguinha... E a qualidade do trabalho depende da qualidade de informações que o contratante me oferece. Apesar, das "dores de cabeça" essa é uma forma de organizar as minhas economias no final do mês.



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais. 



14 de setembro de 2021

“E fora do story, você está bem?”

 “E fora dos livros, você está bem? ”


A  literatura é algo que está me causando reflexão ultimamente...  Não a leitura em si, mas a pressão de criar conteúdo literário em tempos (complicados) que eu só quero chegar em casa e ler a minha leitura atual em paz... Porque a leitura para mim serve justamente para isso para escapar da realidade. Tá todo mundo mal. E nem estou falando do livro da Jout Jout com o subtítulo de O livro das crises. Quando eu comecei a compartilhar as minhas leituras no “Bookstagram” eu achei que estava ampliando a pagina LEITURAS onde eu escrevia resenhas e fotografias literárias no meu blog pessoal. Para um IG Literário. Mas, a vibe do “Bookstagram” é outra...

Eu sou do tipo que, sim, lê um livro atrás do outro. Finalizo um e já começo outro na seqüência. Não consigo ficar sem estar lendo nada “no momento”. O meu ritmo de leitura muda com freqüência...  O ritmo é pessoal! de acordo com a minha vida fora das páginas e que é saudável e me faz bem. Ano passado, eu comecei a ler em média, dois livros por mês. E foi em um ritmo bem tranqüilo, aproveitado  cada segundo... Sentindo o sabor de cada leitura. Enquanto, criar conteúdo literário eu costumo dizer que "eu fotografo e escrevo resenhas literárias para não esquecer das leituras que eu já fiz" [Quem nunca?].

Eu sempre costumo cair no erro de olhar o Feed de outros criadores de conteúdos:  A criadora postou as Leituras do Mês com um número X de livros... Até ai tudo bem, eu consumo conteúdo literário tanto quanto, eu escrevo conteúdos literários. Mas, eu comecei a fazer uma conta maluca da quantidade de conteúdo literário que ela poderia fazer com um número X de livros [X+Y= O resultado depende completamente do criador de conteúdo]. Sim, cada pessoa tem a sua vida, pensa de uma forma, vive em determinado contexto e pode usar o próprio tempo como quiser...

O erro está em ficar comparando o meu conteúdo com os outros conteúdos que rolam no Feed do instagram. Sabe a conta maluca? Um numero X de livros com a quantidade Y de conteúdo literário antes mesmo de fazer a leitura em um ritmo bem tranqüilo, aproveitado  cada segundo... Esquece! Pois isso deixou de ser algo bacana e virou pressão.

O estopim de toda essa reflexão aconteceu  com a trend: “E fora do story, você está bem?” ou “E fora dos livros, você está bem?”.

As criticas sobre o Instagram... Sobre a sociedade do espetáculo e a vida mostrada nas redes sociais. Já escrevi sobre isso INSTAGRAM O FAST FOODS DAS REDES SOCIAIS. https://www.ladomilla.com/2015/11/instagram-o-fast-foods-das-redes-sociais.html o assunto não é novidade... Então, veio a pandemia e resolvi me aventurar no Bookstagram. Sim, eu nasci para pagar a minha língua e surgiram outras reflexões.

Na minha bolsa sempre tem um livro...  Mas, eu me lembro exatamente de dois momentos específicos que a leitura serviu para esquecer os problemas reais em que eu estava vivendo. Na época, a leitura servia para manter a mente funcionando... Sem exageros! Em tempos pandêmicos... Eu lembro da frase  “Estes livros deu uma mensagem esperançosa e consoladora para Matilda: que você não está sozinho.” do filme da Matilda que eu já assisti milhares de vezes. A leitura, é uma ferramenta para refletir sobre a nossa própria realidade e sobre como torná-la melhor – para nós mesmos e para os outros­ –.

Como as tuas leituras estão contribuindo para a tua forma de enxergar (e viver) a vida? Elas são só números ou de fato mudam algo na tua relação com o mundo?



© Lado Milla
Maira Gall